i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rolmops e Catchup

Ver perfil

As flores e o jarro

  • PorFrancisco Camargo
  • 28/07/2013 20:24

Decidido a não falar do frio, professor Afronsius resumiu seu fim de semana: sitiado em casa, pela baixa temperatura, socorreu-se em clássicos do cinema. Devidamente escoltado por François Truffaut e seu livro Os Filmes de Minha Vida, Editora Nova Fronteira, 1989.

E, como opção preferencial, foi de Alfred Hitchcock. Hitch que, como comenta Truffaut, “foi por muito tempo julgado pelas flores que colocava no jarro e, hoje, percebe-se que as flores sempre foram as mesmas, que seus esforços concentram-se na forma do jarro, em sua beleza”.

“O pátio do mundo”

Depois de (re) ver Janela Indiscreta (Rear Window), foi ao livro: “Há duas espécies de diretores: os que levam o público em consideração ao conceber e posteriormente realizar seus filmes e aqueles que não se importam com isso. Para os primeiros, o cinema é a arte do espetáculo (do sucesso e do lucro) e, para os segundos, uma aventura individual”.

Sobre Janela Indiscreta (com James Stewart no papel de Jeffrie, o repórter fotográfico preso à cadeira devido a uma perna quebrada, e Grace Kelly, “uma prestigiosa maça que gostaria de casar-se com Jeffrie”), diz que é um filme cruel.

“Stewart só assesta seus binóculos sobre os vizinhos em momentos de angústia, quando eles se encontram em posições ridículas ou mesmo detestáveis”.

“Filme nitidamente musical”

Truffaut frisa que “a construção do filme é nitidamente musical, com temas que se imbricam e se respondem perfeitamente – os do casamento, do suicídio, da perda e da morte – banhados por um erotismo refinadíssimo (a sonorização dos beijos é extremamente precisa e realista)”. Mais: “Janela Indiscreta é o filme da indiscrição, da intimidade violada e surpreendida em seu aspecto mais ultrajante: o filme da felicidade impossível, o filme da roupa suja lavada fora de casa, o filme da solidão moral, uma extraordinária sinfonia da rotina e dos sonhos desfeitos”.

E, para explicar Janela Indiscreta, FT propõe a seguinte parábola: “O pátio é o mundo, o repórter fotográfico é a o cineasta, os binóculos representam a câmera e suas lentes. E onde fica Hitchcock em tudo isso? Ele é o homem por quem gostamos de nos saber odiados”.

O comentário foi publicado originalmente em 1954, quando da estreia do filme.

Natureza Morta, que também já tinha visto o filme, não resistiu:

– Pode me emprestar o livro? Prometo devolver, sem suspense.

ENQUANTO ISSO…

29 julho

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.