i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rolmops e Catchup

Ver perfil

Por favor, piche

  • PorFrancisco Camargo
  • 17/03/2014 20:25
Por favor, piche
| Foto:

Já na segunda fase, a campanha contra a pichação em Curitiba (pichação é crime – denuncie, disque 153) tem resultados bem visíveis. Ou seja, bem visíveis porque as pichações continuam em alta. Uma batalha inglória, como ocorre com outra campanha, a de educação no trânsito, apesar de todo o empenho da simpática Vó Gertrudes.

No caso das pichações, vale lembrar (será?) que a multa ficou mais pesada e abrange também o comerciante que vender tinta spray para menores de 18 anos ou não cumprir as exigências do cadastro do comprador, que deve ser repassado mensalmente à Polícia Civil e à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, conforme a Lei 14.367/2013.

Provocação explícita

Professor Afronsius anda cada vez mais indignado com o que tem visto. Caso do ataque ao Homem Nu da Praça 19 de Dezembro e aos painéis de Erbo Stenzel e de Poty Lazzarotto, sem falar da provocação explícita no muro de uma residência – “Eu pinto, você repinta. Vamos ver quem tem mais tinta?”

Aja mata-borrão… No caso, para caráter.

Assim, concordou com uma tese, a do incentivo à pichação. A ideia brotou com as velhas placas “não pise na grama”. E não é que aí é que o cabôco faz questão de pisar na grama, mesmo alongando o trajeto a ser percorrido. Antigamente, o sujeito pisava na grama para cortar caminho. Compreensível, até. A partir dessa constatação, não é o caso de liberar de vez a ação dos pichadores?

– Certamente. Como se trata de gente do contra, como os incultos que insistem em pisotear a grama de propósito, talvez – ou certamente – o ato de pichar muros, paredes, monumentos, fachadas de prédios perdesse a graça.

Natureza Morta concordou com o professor Afronsius:

– A coisa funciona. Basta ver o gramado em frente à mansão da Vila Piroquinha. Está vicejando a olhos vistos, virando um capinzal! É que eu coloquei placas bem visíveis com o apelo ao inverso: FAVOR PISAR NA GRAMA. E de com força.

Vamos tentar? Não custa nada e sai bem mais barato.

ENQUANTO ISSO…

18 marco (1)

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.