i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Tubo de Ensaio

Foto de perfil de Tubo de Ensaio
Ver perfil

Ciência, religião e as pontes que se pode construir entre elas

A formação de professores e o laicismo dos acadêmicos

  • PorMarcio Antonio Campos
  • 20/09/2017 12:42
Os laicistas da academia brasileira ainda não sabem lidar corretamente com estudantes religiosos e seguem esperando que eles simplesmente abandonem a fé ao entrar na faculdade.
 (Foto: Griszka Niewiadomski/Free Images)
Os laicistas da academia brasileira ainda não sabem lidar corretamente com estudantes religiosos e seguem esperando que eles simplesmente abandonem a fé ao entrar na faculdade. (Foto: Griszka Niewiadomski/Free Images)| Foto:

Eu não sabia, mas a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência tem um Grupo de Trabalho Estado Laico. E o coordenador desse grupo, Luiz Antônio Cunha, escreveu um artigo no Jornal da Ciência, publicação da SBPC, em que, com o pretexto do julgamento em curso no STF sobre o ensino religioso nas escolas públicas (você pode ler a opinião da Gazeta do Povo sobre o assunto), recordou uma mesa redonda ocorrida dois meses atrás na Reunião Anual da SBPC.

Basicamente, o grande problema que os participantes identificaram é o aumento no número de estudantes na licenciatura (ou seja, universitários que no futuro serão professores) com o que eles chamam de “visão fundamentalista”, e logo os dedos são apontados para a comunidade evangélica. Não fica muito claro o que eles chamam de “fundamentalismo”, com uma exceção: o caso dos licenciandos em Biologia que rejeitam a teoria da evolução, ainda que respondam tudo direitinho nas provas.

Mas percebi, ao longo do texto, que parte dos integrantes daquela mesa redonda parece ter uma visão que corresponde menos à sadia laicidade e mais a um problemático laicismo que nega à religião qualquer espaço no debate público. Essas pessoas parecem achar absurdo que os estudantes, ao ingressar no ensino superior, não deixem de lado suas crenças “como quem deixa o chapéu à porta”, na expressão de São Josemaría Escrivá quando criticava “velhos mitos que tentam sempre remoçar”, como o do “aconfessionalismo”. A universidade não é lugar de dogma, diz um dos professores. Diante disso, pelo jeito, as únicas opções lícitas seriam ignorar ou combater. Lamento, mas isso não vai dar em nada.

Quem me parece ter uma abordagem mais sensata é a antropóloga Lygia Segala, que admite uma fluidez nas fronteiras entre laicidade e confessionalismo. Aqui cabe muito bem o papel do diálogo entre ciência e fé dentro do ambiente universitário. Algumas das principais universidades do mundo, como Cambridge e Oxford, têm seus institutos dedicados a essa interação e nem por isso há alguma ameaça ao caráter laico das instituições. Eu me pergunto o que os participantes da mesa redonda da SBPC diriam disso. O biólogo Luís Dorvillé acha que pode quebrar a resistência dos estudantes evangélicos à evolução mostrando “a atividade científica como uma atividade sistemática de problematização e descobertas, sempre parciais”. Pode ser. Mas por que não mostrar o trabalho de tantos cristãos convictos em sua fé e ao mesmo tempo promotores da teoria da evolução? Estão aí a BioLogos e a Associação Brasileira de Cristãos na Ciência que não me deixam mentir.

A religião é parte importante da sociedade e algo muito caro a milhões e milhões de brasileiros. Não é querendo “neutralizá-la” que formaremos bons professores de ciência, como se eles tivessem dupla personalidade, uma em sala de aula e outra fora dela. O caminho é mostrar aos estudantes de licenciatura (e também de bacharelado, de pós-graduação, o que for) que eles podem muito bem conciliar sua religiosidade e tudo o que a ciência nos diz sobre o universo e a vida. Resta saber se uma comunidade acadêmica permeada de laicismo, em vez de laicidade, está disposta a isso.

Pequeno merchan

Além de editor e blogueiro na Gazeta do Povo, também sou colunista de ciência e fé na revista católica O Mensageiro de Santo Antônio desde 2010. A editora vinculada à revista lançou o livro Bíblia e Natureza: os dois livros de Deus – reflexões sobre ciência e fé, uma compilação que reúne boa parte das colunas escritas por mim e por meus colegas Alexandre Zabot, Daniel Marques e Luan Galani ao longo de seis anos, tratando de temas como evolução, história, bioética, física e astronomia. O livro está disponível na loja on-line do Mensageiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.