Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Basta ver quem está pedindo “diretas já” para ter calafrios e entender que é golpe

0

Eles querem voltar às tetas da Petrobras

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), marcou para a próxima terça-feira (23) a votação da admissibilidade da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que estabelece eleições diretas em caso de vacância do cargo de presidente em até seis meses do fim do mandato.

O texto é uma proposta de mudança à Constituição, que atualmente diz que, em caso de queda do presidente tendo decorrido pelo menos dois anos do início do mandato original e na ausência do vice, o próximo ocupante deve ser escolhido por eleições indiretas, ou seja, pelo Parlamento.

A PEC 227/2016 apresentada em junho do ano passado pelo deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) ainda não havia sido apreciada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.

Casuísmo, oportunismo, golpe: apelar para “eleições diretas” nesse momento, ao contrário do que alegam os interessados, não é transferir para o povo a decisão e resgatar a credibilidade, aquela que o Congresso não tem, e sim brincar com fósforo num paiol de pólvora.

Democracia direta, não vamos esquecer, foi o que levou a Venezuela a tal destino. Se manipulada, com recursos, mídia e até mesmo urnas eletrônicas, pode ser a chancela dos golpistas. “Você tem medo da escolha popular, Rodrigo?” Nem preciso dizer que tenho, ao lado de Aristoteles, dos “pais fundadores” da América, de Tocqueville, de Churchill e tantos outros ilustres pensadores.

Mas esse não é o ponto: as circunstâncias não permitem tamanha manobra para dar chance de sobrevida a alguém como Lula, réu em cinco processos e que acabou de destruir o Brasil. Nem acho que ele venceria, para ser sincero, mas não podemos correr esse risco. Lula tem que acertar contas com a Justiça, não com as urnas. Seu julgamento é objetivo e legal, não político.

Se a maioria dos eleitores, sob influência de quadrilhas endinheiradas e uma narrativa canalha, optar pela desgraça venezuelana, vamos simplesmente celebrar a “vontade geral”? Por conta desse receio tanta gente séria criou mecanismos de pesos e contrapesos na democracia, com pitadas elitistas, como o Senado mesmo, para impedir arroubos pontuais das massas.

Não é por acaso que tanta gente podre tem defendido essa “solução”. Vislumbram uma oportunidade para um golpe que coloque novamente no poder a quadrilha que assaltou o estado brasileiro e afundou nossa economia. Vejam algumas figuras que pedem esse caminho:

“Exigimos eleições diretas já. Exigimos democracia já. Só um presidente legitimamente eleito pelo voto popular terá as condições de tirar o Brasil deste lamaçal em que está mergulhado”, afirmou em plenário o deputado Wadih Damous (PT-RJ). Legitimamente? E a vitória de Dilma em 2014 por acaso foi legítima? É muita cara de pau dessa turma mesmo. Eis, na mídia, quem tem endossado essa alternativa:

Em entrevista a CartaCapital, Chico Alencar avalia que o governo Temer já não existe mais e promete lutar para que sua substituição seja feita por meio de eleições diretas. “Só a cidadania tem o condão de começar a superar” a crise atual, diz. Cidadania, diz o socialista defensor de Maduro! Cidadania?! É muita cara de pau mesmo.

A Carta Capital, enrolada na Lava Jato e que recebeu grana suja da quadrilha, está defendendo histericamente as tais “diretas já”: Há apenas uma solução: convocar a fonte do poder legítimo para declarar sua vontade em um pleito direto para presidente ou até mesmo eleições gerais. São várias reportagens e artigos com o mesmo tom.

A Caros Amigos, panfleto comunista, segue na mesma linha articulada e orquestrada no pântano da política brasileira. Ninguém menos do que Stédile, o líder do criminoso MST, que em qualquer país sério estaria preso faz tempo, grita por “diretas já” no jornaleco vermelho: “Precisamos de diretas já e de um plano popular de emergência”. Quem diz é aquele que mobiliza um exército paralelo movido a mortadela para intimidar o povo, mantido refém, e desestabilizar a lei e a ordem.

Enfim, temos muitos outros da mesma laia defendendo esse caminho, além dos oportunistas de sempre, como Marina Silva, que mais parece a “herpes da política”, como dizem nas redes sociais, pois só reaparece em momento de baixa imunidade do organismo. Que Ronaldo Caiado tenha entrado nessa apenas expõe seu oportunismo e é uma decepção para muita gente do lado de cá. Postura lamentável.

Cheguei a desabafar nesta quinta no meu Facebook:

Deixemos bem claro uma coisa: quem pede “diretas já” é um GOLPISTA. Tanto que vemos Stédile (MST), Caros Amigos e Carta Capital espalhando essa bandeira por aí. Coisa de safado golpista, ponto.

Diga-me com quem andas… Basta observar quem tem sido mais estridente na defesa das “diretas já” para ter calafrios, para sentir de longe o cheiro podre de golpe venezuelano no ar. Temos que ser radicalmente contra essa medida oportunista. Diretas já uma ova! Direita já!

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito