Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Blog da Veja

Só resta ao desonesto Francisco Bosco me rotular de desonesto e monopolizar as boas intenções…

Francisco Bosco é daqueles que representam a esquerda jurássica, uma pessoa que prega o socialismo em pleno século 21, que defende os “black blocs”, que acha que piadas podem ser ofensivas apenas aos homens, brancos, heterossexuais e cristãos, enfim, um ícone da esquerda caviar que condeno. Costumo expor, com argumentos, suas falácias aqui no blog.

Incapaz de rebater minhas críticas com argumentos, Bosco usou sua coluna hoje no GLOBO (aquela imprensa “golpista” da elite capitalista, não custa lembrar) para me rotular de desonesto e tentar monopolizar as boas intenções. É o que lhe resta, na falta de bons argumentos: fingir-se de moderado enquanto prega o radicalismo de esquerda. Vamos lá, ao ping-pong (ele em vermelho e eu em azul, claro):

O mundo já é muito complexo e turvo para os que se propõem a compreendê-lo honestamente. Por compreensão honesta designo fundamentalmente a atitude intelectual que tem como princípio examinar quaisquer argumentos sem o preconceito ideológico que costuma obscurecer a construção coletiva do diagnóstico da realidade.

Percebam que Bosco já assume ser alguém totalmente desprovido de preconceitos ideológicos, como se apenas o seu oponente, de quem discorda, os tivesse. No mais, “construção coletiva” é daqueles termos bonitos, mas que não dizem nada. O raciocínio é sempre individual, assim como o pensamento. 

Todos têm, de modo consciente ou não, posições ideológicas prévias, mas essas devem ser sempre submetidas ao teste da realidade; são pontos de partida, não pontos de chegada. Infelizmente, a atitude intelectual de Rodrigo Constantino — como demonstrou Jean Wyllys, com a clareza devida, em artigo recente — é desonesta, procedendo por reduções, simplificações grosseiras, maniqueísmos sistemáticos, diversos procedimentos que agem no sentido de obscurecer o trabalho público e coletivo da compreensão da realidade (sem falar no abuso da dimensão imaginária das polêmicas — recorrendo sempre a argumentos ad hominem e ridicularizando pessoas famosas, a fim de produzir uma espécie de sensacionalismo intelectual).

Só posso presumir que Bosco não leu meu livro, tampouco acompanha meus artigos no GLOBO, na VEJA e no blog. Eu uso os famosos como ícones do fenômeno para ilustrar meus pontos, todos eles devidamente embasados em teoria e argumentos. Jean Wyllys não provou nada além da própria desonestidade e incapacidade de argumentar, como faz Bosco agora. Caiu em contradição o tempo todo, como mostrei aqui e aqui. Eu não ridicularizo essas pessoas; basta expor suas contradições e hipocrisias que elas fazem isso muito bem sozinhas…

Ao contrário, vou propor aqui uma leitura honesta do que considero, até onde li, seus argumentos principais na defesa da pertinência da expressão “esquerda caviar”, com tudo o que ela carrega de desqualificação. Vou fazê-lo porque julgo que por meio dessa expressão pode-se compreender melhor quais os sentidos e as possibilidades efetivas da esquerda no mundo atual.

Como eu disse, acho que leu pouco, e o que leu, não entendeu. Devem ser aqueles preconceitos citados acima, que Bosco tem apesar de acreditar que não.

O argumento principal de Constantino é o que a expressão sugere de cara: haveria uma contradição entre ser de esquerda e usufruir das benesses propiciadas pelo capitalismo às classes sociais mais altas. Admitida essa contradição, segue-se logicamente que os ricos autodeclarados de esquerda são hipócritas, apenas adotando o semblant de uma retórica socialmente valorizada — e que a sua diferença para os ricos de direita está tão somente em que esses últimos não capitulam a coerção social da hipocrisia.

É muito mais do que isso! A esquerda caviar age de forma diametralmente oposta ao que prega. Condena a ganância alheia e se mostra a mais gananciosa de todas. Cospe no capitalismo e no lucro, mas só quer viver sob o capitalismo, acumulando muito capital, e focando bastante no próprio lucro. Seus ícones são capazes de pregar a mudança radical no estilo de vida – dos outros – para “salvar o planeta”, enquanto circulam por aí em jatinhos particulares. E por aí vai… 

Comecemos então por nos perguntar: o que é ser de esquerda? Sem dúvida, ser de esquerda significa primordialmente considerar a redução das desigualdades econômicas e sociais um objetivo fundamental.

Pausa para mostrar a falácia mais importante do discurso de Bosco: a esquerda, sem argumentos, tenta sempre monopolizar as virtudes. Quem foi que disse que esquerda é desejar reduzir desigualdades sociais? Pergunto ao Bosco: onde há menos desigualdade social: na Austrália ou em Cuba? Na Suíça ou na Venezuela? Nos países mais esquerdistas, ainda mais na linha jurássica que Bosco prega, há enorme desigualdade, pois muitos continuam pobres e uma elite segue detentora de todo o poder e recursos. 

Isso, entretanto, não implica necessariamente adotar uma perspectiva anticapitalista utópica, seja nos moldes da experiência efetiva da esquerda no século XX ou de algum modelo a se inventar. Concordo com T. J. Clark, para quem, em vez disso, é preciso que a esquerda contemporânea faça profundamente a experiência da sua derrota, das catástrofes intoleráveis por ela produzidas, e se esvazie de sua dimensão utópica, engajando-se antes numa política moderada, operando no interior do capitalismo, “por pequenos passos”, “propostas concretas” agindo no sentido de produzir igualdade em diversos âmbitos.

Onde foi que tais experiências deram certo? Qual modelo Bosco defende? Por que elogia o PSOL e Marcelo Freixo? A Venezuela, adorada por essa esquerda caviar, seria um bom exemplo? E Cuba, até hoje elogiada por essa turma, é um bom exemplo desse modelo? Discursos vazios…

Provavelmente a experiência de esquerda mais bem-sucedida no mundo hoje é a dos países nórdicos, capazes de dirigir o capitalismo por meio de um Estado pequeno, porém eficaz no sentido de promover equilíbrio social, conciliando assim os princípios do mercado e da seguridade social, da individualidade e do coletivo, em suma, da liberdade e da igualdade (como mostrou ampla matéria da revista “The Economist”, recentemente).

E eu sabia que chegaríamos aqui, claro. A Escandinávia se tornou o refúgio dos socialistas. Será que Bosco sabe que a região ficou rica antes, com mais liberalismo, e só depois conseguiu bancar esse estado de bem-estar social enorme? Será que ele sabe que isso tem custado caro demais, e levado a vários problemas? Será que sabe que, mesmo assim, tais países ainda são bem mais liberais e capitalistas do que o Brasil (vide o Índice de Liberdade Econômica do Heritage). A Suécia e a Dinamarca sequer possuem salário mínimo! A abertura comercial é muito maior nesses países. O império das leis também. Enfim, tais países seriam vistos, por nossa esquerda caviar que ainda defende Cuba e Venezuela, como “neoliberais” ao extremo! Bosco não sabe disso ou finge não saber?

Ser de esquerda não implica portanto um anticapitalismo sistêmico e revolucionário — concordo ainda com T. J. Clark quando escreve que, nas condições atuais, a esquerda moderada é que é revolucionária —, cuja prova pessoal de coerência seria uma espécie de franciscanismo, de resto inútil. Mas sim engajar-se, seja por qual via for, na luta pela promoção da igualdade de direitos (conforme fazem, cada um a seu modo, as pessoas desqualificadas por Constantino como símbolos da “esquerda caviar”: Wagner Moura, Regina Casé e Gregorio Duvivier, entre outros).

E Bosco pretende se vender como esquerda moderada? Defensor do PSOL e dos black blocs? Que piada foi essa? Wagner Moura, defensor do terrorista comunista Marighella, é um moderado? Letícia Spiller, fã de Fidel Castro, virou defensora da Suécia agora? Igualdade de direitos? Isso é uma bandeira liberal, Bosco! Igualdade de direitos é colocar todos iguais sob as mesmas leis, o oposto do que vocês querem, com todas essas bandeiras de privilégios para as “minorias” (que, como você mesmo já disse, não precisam ser minoria numérica de fato). 

É oportuno desconstruir outra suposta contradição. Segundo Constantino, os membros da “esquerda caviar” costumam criticar instituições, notadamente a polícia, mas recorrer a elas quando necessário. Deveria ser escusado lembrar que a crítica é um princípio democrático de aperfeiçoamento, e não um instrumento de negação absoluta. Quando pessoas de esquerda criticam a polícia, não estão a defender sua extinção, ingênua ou irresponsavelmente; antes repudiam a sua ação hierarquizante, logo antidemocrática.

Aperfeiçoamento? Essa gente chama a polícia de “fascista”! Bosco, você consome muito óleo de peroba? Mais do que Lula e Dilma? A quem você quer enganar? Aperfeiçoar a polícia queremos todos nós, liberais e conservadores. Vocês querem jogar pedras e coquetéis Molotov nela, acusá-la de “fascista”, desarmar os policiais e enaltecer os bandidos, como se fossem “vítimas da sociedade”. Não querem sua extinção, “ingênua e irresponsavelmente”? Ou seja, querem, mas de forma gradual? Ação hierarquizante, logo antidemocrática? Que diabos é isso? A polícia precisa aplicar as leis, punir os crimes, essa é sua função. Antidemocrático é defender vândalos mascarados que não foram eleitos por ninguém e que atacam os representantes da lei. Como você é cara de pau, Bosco! Não tem vergonha? Papai não lhe deu educação, não disse que é feio mentir? 

O que nos leva a um último aspecto da expressão. Ao negar a possibilidade de cidadãos de classe média e alta serem de esquerda, é nada menos que a mediação social da solidariedade o que se está anulando. Parece ser impossível para Constantino assimilar a ideia de que há pessoas dispostas a defender causas igualitárias mesmo em detrimento de suas vantagens pessoais. Mas, pasme, é precisamente isso o que, como princípio, define a esquerda.

Novamente o monopólio dos fins nobres, o que lhe resta. Solidariedade não tem nada a ver com ser de esquerda! Aliás, as pessoas mais solidárias que conheci não eram de esquerda, mas liberais e conservadores. Os esquerdistas que conheci, muitos deles, eram insensíveis e egoístas, apesar do discurso contrário. Hipocrisia. No mais, se quer mesmo defender as “causas igualitárias”, igualdade aqui como resultado, por que não começar, então, reduzindo essa desigualdade doando a própria fortuna? Quer dizer que vai ficar apenas na retórica contra a desigualdade, enquanto o sujeito acumula mais e mais capital e lucro de forma bem desigual? E Bosco não vê hipocrisia e contradição nisso? Sério mesmo? O que define a esquerda, ou boa parte dela, é esse abismo intransponível entre discurso e prática.

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito