Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Atração

Pedreira desativada vira ponto turístico

Apesar de atrair moradores da região de Campo Magro, local pertence à iniciativa privada e não oferece segurança

  • Rodrigo Batista
Lençol freático inundou uma cratera aberta pelas explosões, transformando-a em lago |
Lençol freático inundou uma cratera aberta pelas explosões, transformando-a em lago
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Uma pedreira inutiliza­­da na zona rural de Cam­po Magro, na Região Me­tropolitana de Curitiba, tornou-se um atrativo turístico bastante procurado pelos moradores das cidades próximas. Por causa da explosão de dinamites para a retirada das pedras, o solo foi perfurado e chegou até o lençol freático, que inundou uma cratera, transformando-a em um lago. Apesar da beleza, o local provoca discussões no município. A pedreira pertence a uma empresa privada, o que impede o poder público de investir em infraestrutura e segurança. A empresa também não incentiva a visitação.

Desativada há cerca de uma década, a pedreira pertence à Indústria de Cal Bateias. Desde a retirada das máquinas, os visitantes foram em peso para conhecer o local. Os problemas, entretanto, começam pelo acesso ao local. Chegar até lá é difícil por causa da falta de sinalização. As estradas não têm pavimentação ou placas. O tecnólogo em Gastronomia Fábio Wolf, 21 anos, revela que é arriscado visitar o local sozinho e em dias de chuva. “É um lugar muito isolado. Em dias de chuva o carro pode atolar e estragar”, alerta.

Perigo

A empresa proprietária da pedreira tenta, em vão, barrar a entrada de visitantes. “As pessoas às vezes bebem demais e se jogam no lago, que é muito fundo”, comenta João Antônio Lemos, contador da empresa. No local não há postos de guarda-vidas.

O Departamento de Tu­rismo de Campo Magro informou que, por causa da visibilidade que o lago conquistou, o município já teve interesse em adquirir a pedreira para torná-la, oficialmente, um ponto turístico da cidade. A aquisição, porém, esbarra na falta de verbas do município.

A Indústria de Cal Bateias afirma que a intenção é retomar os trabalhos no local. A volta das máquinas e de dinamites depende, entretanto, do aval do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e da Mineropar.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE