Francisco Signor tinha R$ 145 mil em casa, segundo a PF. Ele perde cargo sob suspeita de dosar multas e prazos e de avisar quem seria fiscalizado. | Foto: Assembleia Legislativa Do Rs/divulgaa§a£o
Francisco Signor tinha R$ 145 mil em casa, segundo a PF. Ele perde cargo sob suspeita de dosar multas e prazos e de avisar quem seria fiscalizado.| Foto: Foto: Assembleia Legislativa Do Rs/divulgaa§a£o

Suspeito de corrupção, o superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Rio Grande do Sul foi afastado do cargo nesta quarta-feira (13). Francisco Signor perdeu o posto após investigações da Polícia Federal correlacionadas à adulteração de leite e ao favorecimento de empresas irregulares com manipulação de prazos, multas e avisos prévios de operações fiscais.A Polícia Federal não aponta ligação direta de Signor com o esquema de adulteração de leite investigado na operação Leite Compen$ado. Neste caso, ele é acusado de interferir nas investigações tentando saber antecipadamente as regiões que seriam fiscalizadas.

Além disso, conforme as investigações, tem ligações com o setor privado incompatíveis com o cargo que ocupava há 12 anos. Signor teria entrado em conflito com os interesses públicos enquanto proprietário da Sinzelar, no município de Planalto. A empresa transporta animais vivos, leite e soro de queijo e está sujeita a fiscalização sanitária.

O Ministério Público Federal gaúcho avaliou que a fiscalização do esquema de adulteração de leite estava sendo prejudicada por questões políticas, segundo o jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Signor pode não ter repassado informações a suspeitos, mas teria usado sua posição privilegiada para ganhar influência.

A corrupção na Superintendência é relacionada a processos internos. A Polícia Federal informou que, sob o comando de Signor, funcionários da superintendência beneficiavam empresas dos setores agropecuário e agroindustrial dosando multas e prazos em processos, bem como lançando aviso prévio de fiscalizações.

Além de Signor, outras quatro pessoas (duas ligadas à superintendência) foram levadas à PF para prestar esclarecimentos. Os nomes delas não foram divulgados. Apesar de ainda não ter sido descrita a forma como os acusados levavam vantagem, teriam sido encontrados R$ 145 mil em espécie na casa de Signor.

Leia sobre a nova fase da Operação Leite Compensado, que efetuou mais prisões nesta quarta-feira, em www.gazetadopovo.com.br.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]