Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

O problema não é só o cadastramento dos produtores de orgânicos, que chegam a 90 mil em to­­do o país, conforme o último Censo Agropecuário. Os insumos usados na produção também precisam estar devidamente registrados. Certificadoras, por sua vez, têm de enfrentar o crivo do Mi­­nis­­tério da Agricultura, Pe­­cuária e Abastecimento (Mapa) e do Ins­tituto Nacional de Me­­trologia, Nor­­malização e Qua­­lidade In­­dus­trial (Inmetro). Até um ano atrás, o setor cobrava agilidade do go­­ver­­no na regulamentação da le­­gislação dos orgânicos, aprovada em 2005.

As novas regras devem servir pa­­ra que o consumidor saiba o que é orgânico e o que é convencional nos supermercados e feiras. Nos estabelecimentos comerciais, quando os produtos vêm com a inscrição "contêm ingredientes orgânicos", devem ter entre 70% e 95% de matéria-prima sem agrotóxicos nem transgênicos. Os in­­gredientes orgâncios, neste caso, devem ser indicados na embalagem. A inscrição "orgânico", ou "produto orgânico", só pode ser usada para produtos com 95% ou mais de ingredientes orgânicos. Nesse caso, devem ser informados quais são os ingredientes convencionais. Muitos temperos, sabores e mesmo óleo para fritura ainda são considerados raros nas feiras livres de agrotóxico. Nas feiras, para anunciar alimentos orgânicos sem uso de selo, o produtor precisa estar devidamente cadastrado e passar por uma espécie de auditoria federal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]