i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Arquivo

Precoce rende menos no Sul de MT

  • 31/01/2012 22:22

A falta de chuvas durante o plantio e o excesso de umidade no período colheita estão reduzindo a produtividade da soja precoce na região Sul de Mato Grosso. Agricultores ouvidos pela Expedição Safra Gazeta do Povo relatam estarem obtendo médias até 10% menores que o esperado nas colheitas iniciais. "Me arrependi de ter plantado soja de ciclo curto. Podia entrar com o milho safrinha até uns dez dias mais tarde. Se tivesse feito isso, estaria colhendo 5 a 10 sacas ( 300 a 600 quilos) de soja por hectare a mais", calcula o produtor Marcelo Zilli. Nos 1,7 mil hectares que cultiva em Rondonópolis e Primavera do Leste, está obtendo média de 3,3 mil quilos (55 sacas) por hectare nas colheitas precoces.

Com lavouras prontas para receber as máquinas, Julio Teis, de Rondonópolis, faz os ajuste finais nas três colheitadeiras que possui. Nessas plantações, a contagem de vagens indica que o rendimento deve ficar próximo a 3 mil quilos (50 sacas) por hectare, bem abaixo dos 3,7 mil quilos (61,5 sacas) obtidos na temporada anterior. "Ano passado foi excelente, difícil de repetir", pondera. Neste ano, considerando as áreas precoces, que sofreram com a seca, e as lavouras mais tardias, que recuperaram bem, Teis acredita que conseguirá fechar com média de 3,3 mil quilos (55 sacas) por hectare.

Conforme os produtores, algumas lavouras chegaram a ficar mais de 20 dias sem receber chuvas durante o mês de dezembro em Itiquira, município vizinho a Rondonópolis. Segundo eles, essa foi a região mais afetada pela seca em Mato Grosso. A safra de Pedra Preta, na Serra da Petrovina, maior polo sementeiro do estado, também foi afetada pela falta de umidade, mas os danos teriam sido menos severos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.