i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Porto do Pecém

Ceará se destaca como produtor e exportador de frutas

  • PorCaio Castro Lima, especial para Expedição Logística
  • 14/12/2020 09:37
O melão está entre as frutas líderes em exportação pelo Porto de Pecém (CE)
O melão está entre as frutas líderes em exportação pelo Porto de Pecém (CE)| Foto:

O estado do Ceará, por meio dos Porto do Pecém e Mucuripe, tem se fortalecido nacionalmente como força na agricultura irrigada de alta tecnologia, na produção de frutas, hortaliças e flores para o mercado interno e exportação. São as vantagens competitivas do local, que tem contribuído em emprego e renda no campo e melhorado o desempenho da balança comercial.

De acordo com Sergio Baima, da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado do Ceará, o resultado esperado nesse tema estratégico é uma economia rural fortalecida, sustentável e solidária.

Para se ter uma ideia da força das frutas para a economia local, por exemplo, enquanto as exportações do Ceará tiveram queda de 18% de janeiro a outubro deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado (US$ 1,5 bilhão frente US$ 1,9 bilhão), a fruticultura segurou a onda e cresceu.

Nos dez primeiros meses de 2020, o Ceará exportou 17,2% a mais de frutas, comprando com o mesmo período do ano passado (US$ 50,2 milhões contra US$ 42,8 milhões). São destaques na exportação frutas como os melões, bananas, melancias, mangas, mamões, caju, coco, maracujá e acerola.

“Atualmente, o Ceará é o quinto estado brasileiro em produção e exportação de frutas. Fica atrás apenas da Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e São Paulo. Mesmo, com exceção da Bahia, nenhum dos outros três obteve crescimento este ano. E mesmo os baianos cresceram apenas 7,9%, diante dos 17,2% dos cearenses”, afirmou o engenheiro agrônomo Sergio Baima, que é o coordenador de Atração de Investimento do Agronegócio da Secretaria Executiva do governo local.

Os principais destinos das frutas cearenses são Estados Unidos, Holanda, Alemanha e Reino Unido. As negociações com a China e outros países asiáticos estão começando e devem se fortalecer em 2021. “Temos as melhores perspectivas para o ano que vem. A produção está crescendo, o nível de água dos reservatórios está voltando ao normal, após seis anos de severa seca, e estamos abrindo negociações com muitos novos países”, previu Baima.

Clima e solo

Para manter uma produção em alta, o Ceará conta com fatores como as condições naturais de clima e solo propícias ao seu cultivo.  Para a exportação, além das condições naturais de produção, a localização do estado no hemisfério sul lhe dá a condição única de logística internacional, como o menor “transit time” para o hemisfério norte, além de grandes investimentos em dois portos internacionais, o do Mucuripe em Fortaleza, e o Porto do Pecém em São Gonçalo do Amarante.

“A fruticultura irrigada cearense é produzida com alta qualidade, produtividade e tecnologia pós-colheita e está organizada espacialmente em seis polos de produção: Ibiapaba, Baixo Acaraú, Curu/Metropolitano, Baixo Jaguaribe, Centro Sul e Cariri; com cerca de 45 mil hectares em produção, abrangendo 64 municípios, dos 184 existentes (35%)”, explicou Baima.

Hortaliças e flores

Com menos força do que as frutas, mas não menos importante para a economia cearense, as hortaliças e as flores também apresentaram crescimento este ano, de janeiro a outubro, comparado com os mesmos meses de 2019.

O aumento da produção e exportação de hortaliças, por exemplo, foi de 99,2% (US$ 2,1 milhões contra US$ 1 milhão). E o de flores foi de 29,9% (US$ 102,2 mil frente US$ 78,7 mil).

A produção de flores está distribuída em cinco polos de produção no estado, abrangendo 28 municípios dos 184 existentes, estabelecidos e organizados em função do desenvolvimento regional e de seus diversos microclimas. O principal polo de flores do Ceará é o Polo de Flores da Ibiapaba.

Em função das dificuldades no uso do modal aéreo, a produção forte e demandante tem nova oportunidade no mercado interno, pois os produtos de maior valor agregado como as flores (rosas, principalmente) somente podem ser exportadas convenientemente por via aérea. No entanto, a situação para 2021 deve melhorar no quesito exportação, uma vez que há articulações internacionais com a implantação de um novo HUB (centro de conexões) aéreo e novos voos internacionais a partir de Fortaleza.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.