i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
7º Fórum de Agricultura

Ligar agronegócio à Amazônia mostra incompreensão europeia das dimensões do Brasil

  • PorJoão Rodrigo Maroni, especial para a Gazeta do Povo
  • 03/09/2019 12:00
Ligar agronegócio à Amazônia mostra incompreensão europeia das dimensões do Brasil
| Foto: Divulgação

“Os europeus têm dificuldade de imaginar, de forma tangível, o tamanho do Brasil, já que os 28 Estados-membros da União Europeia, juntos, dão mais ou menos a mesma dimensão geográfica da Amazônia Legal. Ainda falta um entendimento, por exemplo, sobre os biomas naturais do Brasil. A associação em termos de imagem do agronegócio ao bioma amazônico é em decorrência dessa incompreensão geográfica”. A análise é da economista franco-britânica Emily Rees, ex-adida da França no Brasil e especialista em negociações comerciais, política internacional e processos reguladores da UE, palestrante convidada, nesta semana, do 7.° Fórum de Agricultura da América do Sul, que ocorre em Curitiba.

Fundadora da Trade Strategies, com sede em Bruxelas, Bélgica, Emily destaca que o acordo é uma oportunidade de o país apresentar o seu agronegócio, profissional e sustentável, ao mundo. Confira os principais trechos da entrevista:

De modo geral, o acordo firmado entre Mercosul e União Europeia será vantajoso para o Brasil? Se sim, em que aspectos?

O acordo abre muitas oportunidades para setores agrícolas, em particular, acessarem o mercado europeu com condições favoráveis, seja por meio de uma eliminação tarifária, como será o caso para suco de laranja, cachaça ou café solúvel, pela expansão de cotas ou pela diminuição de tarifas intracotas para os commodities agrícolas. Por outro lado, a importação de insumos e produtos europeus deveria permitir melhorar a competitividade das empresas brasileiras, seja no mercado doméstico ou na competição internacional. Mas o comércio entre os dois blocos significa também oportunidades de economia de escala em termos de logística comercial e em particular, portuária.

O acordo deve projetar mais o Brasil no comércio exterior?

O acordo entre União Europeia e Mercosul também permite um alinhamento do Brasil com seus maiores competidores, que já possuem acordos comerciais com a União Europeia. É importante lembrar que a EU já possui 44 acordos comerciais em vigor, então será um ganho significativo também em relação a competidores como os Estados Unidos, que não possuem acordo preferencial com este bloco. O Brasil, apesar de ser uma das maiores economias do mundo, ainda é relativamente fechado ao comércio quando fazemos a comparação de exportações e importações relativas ao PIB. Desta forma, os europeus desconhecem bastante o país e será importantíssimo fazer um trabalho de divulgação para desmistificar algumas crenças que os europeus possuem em relação ao Brasil.

Esse tratado entre o bloco da América do Sul e o Europeu vem em que momento dentro do contexto mundial?

Hoje o quadro de comércio exterior é bem diferente do que era há 20 anos. Estamos vivendo um período de políticas protecionistas crescentes pelo mundo, assim, acredito que os dois blocos estão ansiosos para finalmente fechar as negociações e ver o acordo político sair enquanto temos essa janela de oportunidade política. Em termos da ratificação do acordo, eu sou uma grande otimista, o que não quer dizer que não teremos algumas complexidades nesse processo pela frente.

Quais as etapas que ainda precisarão ser vencidas para que o acordo entre em vigor?

Do lado da União Europeia são várias etapas que temos pela frente nos próximos anos. Primeiramente, nos próximos meses, terá uma verificação jurídica dos textos que foram acordados entre os dois blocos, com negociadores dos dois lados fazendo esse trabalho. Uma vez que essa verificação jurídica seja feita, o texto final, com todos os capítulos, será traduzido nas 24 línguas oficiais da União Europeia. Nesta base, poderá ser enviado para o Conselho da União Europeia, que representa os interesses dos Estados-membros, para votação. Cada Estado-membro deverá se posicionar, lembrando que nessa época é bem possível que estejamos com 27 membros, por causa da saída do Reino Unido prevista para o final do ano. Uma vez aprovado o acordo pelo Conselho Europeu, o texto será mandado para votação no Parlamento Europeu, o que não quer dizer que o debate não começará desde já no Parlamento, com os deputados querendo se posicionar e saber mais detalhes para preparar a grande votação que ocorrerá em Estrasburgo, na França, sede do Parlamento Europeu. Uma vez que o acordo tenha votação positiva no Conselho e no Parlamento, ele pode entrar em vigor provisoriamente por parte da União Europeia e ser mandado posteriormente para a ratificação em nível nacional pelos parlamentos dos países europeus.

Qual a principal barreira que o agronegócio brasileiro ainda precisa romper em relação à Europa?

Os europeus têm dificuldade de imaginar, de forma tangível, o tamanho do Brasil, já que os 28 estados membros da União Europeia, juntos, dão mais ou menos a mesma dimensão geográfica da Amazônia Legal. Ainda falta um entendimento, por exemplo, sobre os biomas naturais do Brasil (Pampa, Mata Atlântica, Caatinga, Pantanal e o Cerrado). A associação em termos de imagem do agronegócio ao bioma amazônico é em decorrência dessa incompreensão geográfica. Assim, um debate em torno da ratificação do acordo apresentará uma oportunidade de demonstrar a sustentabilidade da produção agrícola brasileira para a Europa, mas também para o mundo inteiro.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Pedro Piarini

    ± 2 horas

    Convenhamos, o Brasil jamais fez qualquer esforço para que qualquer nação do mundo conheça melhor a nossa. Aqui por anos foi conhecido pelo carnaval, Rio de Janeiro, cafe, caipirinha (acham que eh uma bebida e não um drink), sexo fácil, futebol e floresta com índio. Nossas embaixadas, que tanto a mídia defendem ultimamente jamais se esforçaram para mudar e, para piorar, o que exportamos culturalmente vai de encontro a isso. Nem os brasileiros quando viajam para fora tentam mudar isso, pior, são os que mais reforçam tais esteriótipos, como na Copa da Russia vimos. Nao eh motivo para quem eh de fora usar de ma fe (como o "Micon" fez), mas cabe unicamente aos brasileiros mudar isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Deocy França

      ± 2 horas

      A pergunta é como negociar com algo que não conhecemos As desculpas e as barreira técnicas mudam conforme avançamos na direção de fechar negócios.A Europa sabe como prejudicar o Brasil neste acordos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        CLEUSA

        ± 3 horas

        Se até os brasileiros tem dificuldade em entender o "tamanho" do Brasil, imagine os europeus e demais cidadãos do mundo!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.