PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Mercado de 1,3 bilhão de habitantes se abre para carne suína brasileira
novos clientes

Mercado de 1,3 bilhão de habitantes se abre para carne suína brasileira

A abertura do mercado da Índia foi confirmada pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e é esperança de alívio econômico ao setor, que acumula prejuízos durante todo este ano

 |
  • Da Redação

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciou a abertura do mercado da Índia para a carne suína brasileira. A informação foi divulgada via WhatsApp nesta terça-feira (25) e publicada hoje à tarde no site do Ministério. “Agora, compete ao setor privado brasileiro atuar para que as exportações aconteçam e que o produto seja bem recebido pelos consumidores indianos”, comentou o ministro.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa o setor de aves e suínos no País, comemorou a possibilidade de exportar a carne e derivados suínos para o mercado indiano, de 1,3 bilhão de habitantes e que tem restrições ao consumo de proteína bovina por motivos culturais e religiosos. O Brasil vai concorrer com a Bélgica, principal fornecedor de carne suína à Índia.

Segundo o presidente da Associação, Francisco Turra, as negociações com a Índia se iniciaram há quatro anos a partir de um pedido da própria ABPA ao ministério. “Se por um lado é uma vitória para o Brasil, por outro é o reconhecimento da capacidade brasileira de ofertar produtos com excelência acerca da qualidade dos produtos e do preservado status sanitário, especialmente neste momento em que diversas nações produtoras sofrem com incontáveis focos de peste suína africana”, afirmou Turra em comunicado divulgado à imprensa.

Segundo país mais populoso do mundo, atrás apenas da China, a Índia passa por um processo de desenvolvimento e urbanização, com potencial para aumentar o consumo de carne, de acordo com a ABPA. Para Ricardo Santin, diretor-executivo da associação, a carne suína brasileira pode ocupar espaços em que os produtores indianos não estão presentes, com o mercado de food service para hotéis, por exemplo.

De modo geral, a notícia foi avaliada como “excelente” pelo setor, que agora começa a negociar os acordos entre as empresas brasileiras e indianas para viabilizar as exportações. Para o presidente da ACAV/Sindicarne, de Santa Catarina, José Antonio de Ribas Junior, o comércio com a Índia e outros países asiáticos é a saída para a suinocultura brasileira expandir e diversificar mercados. “Não é só pelo volume de carne que pode ser exportada, mas também porque estamos mostrando que produzimos um produto de excelente qualidade”, diz.

Alíquota

A alíquota do imposto de importação para esse tipo de produto na Índia é de 30%, segundo o Ministério da Agricultura. No último mês, o governo indiano já havia autorizado a importação do Brasil de embriões bovinos “in vitro”. O governo destacou que isso foi uma conquista do mercado nacional, já que a Índia historicamente sempre foi fornecedora de material genético zebuíno ao Brasil.

Em nota, o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Odilson Ribeiro e Silva, destacou o crescimento das exportações brasileiras do setor do agronegócio para o país oriental, que mais que dobraram (113,9%) entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com igual período do ano passado.

Rússia

A notícia da abertura do mercado indiano veio em boa hora, já que a suinocultura brasileira sofreu alguns percalços ao longo deste ano, com o fechamento do mercado russo e com operações como a “Carne Fraca” e “Trapaça”, da Polícia Federal, que abalaram a credibilidade do setor de carnes brasileiro, além do aumento do custo do frete após a greve dos caminhoneiros e a alta do dólar, que inflacionou o preço do milho e da soja, principais insumos da suinocultura.

Para 2019, com os novos mercados do oriente – que incluem Coreia do Sul e Japão – espera-se que o país fique menos dependente das exportações para a Rússia. “Estamos otimistas de que num prazo médio os primeiros embarques comecem a acontecer. Hoje a participação do suíno brasileiro no mercado mundial é de apenas 2%. Temos muito potencial para crescer”, diz Ribas.

Apesar de ser difícil estimar uma data para o início das exportações, ele acredita que, por experiência, entre 90 e 120 dias os primeiros embarques de carne suína brasileira estejam partindo rumo à Índia.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA