Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Segundo o presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Afonso Kroetz, o uso da cabeça suína até pode ser uma fraude econômica, mas não é uma questão sanitária. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Segundo o presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Afonso Kroetz, o uso da cabeça suína até pode ser uma fraude econômica, mas não é uma questão sanitária.| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

O uso de cabeça de suínos na composição da linguiça chocou muita gente. No entanto, isso não representa nenhum problema sanitário. Na verdade, o consumo da peça é bastante comum por aqui. “Há até quem come só a cabeça durante o Natal e o Ano Novo”, afirma o diretor-executivo da Suinosul, Luiz Bisewski.

O uso de carne de cabeça de porco em embutidos é permitida por lei, desde que essa carne seja congelada após sua retirada e usada apenas em produtos previamente cozidos, como mortadela e salsicha. Em linguiça de churrasco, a chamada linguiça frecal, o uso não é permitido justamente porque ela não passa por cozimento.

Para Bisewski, o uso da cabeça na linguiça vai apenas aumentar o nível de gordura no alimento, mas sem oferecer qualquer risco à saúde. “Não faz nem mesmo uma linguiça de baixa qualidade. Apenas altera o sabor da carne, mas não faz dela um produto inferior”, explica.

Segundo o presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Afonso Kroetz, o uso da cabeça suína até pode ser uma fraude econômica, mas não é uma questão sanitária. “Você não pode vender uma linguiça de pernil usando apenas a cabeça. Só que isso não afeta em nada a saúde de ninguém. Você só está pagando mais caro por algo barato”.

Outras lendas e mitos

Desde a deflagração da Operação Carne Fraca na última sexta-feira (17), o brasileiro ficou mais preocupado com aquilo que põe no prato. As denúncias apresentadas pela Polícia Federal (PF) sobre a qualidade e a procedência da carne assustaram. No entanto, com o pânico vieram também as lendas, os exageros e até mesmo alguns erros.

De acordo com as denúncias da PF, empresas usaram o ácido ascórbico para maquiar um produto com o prazo de validade vencido, disfarçando o cheiro e a aparência da carne. Mas, na verdade, o uso dessa substância é permitido não apenas no Brasil, mas também em vários outros países por ser um conservante comum em alimentos processados. “O ácido ascórbico é, na verdade, vitamina C. É um antioxidante que ajuda a manter a cor da carne”, explica o professor de alimentos no curso de Agronomia da PUCPR, Antônio Juglair Pereira. Segundo ele, trata-se de um coadjuvante em todo o processo, usado na salsicha e na mortadela — mas nunca na carne in natura.

Segundo o professor, há uma dosagem que deve ser respeitada, mas que não há indícios que o categorizem como cancerígeno. “O que pode ser nocivo são os nitritos e nitratos, que dão cor aos alimentos processados. Na Alemanha, por exemplo, é proibido tê-los em produtos que recebem calor, pois se transformam em nitrosaminas, que podem causar câncer. No Brasil, essas substâncias são permitidas, mas dentro de um limite”.

Ainda assim, como aponta a engenheira de alimentos Carmen Castillo, da ESALQ - USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), até essa característica patogênica é questionada pela comunidade internacional. “Eles são usados em quantidades ínfimas e ainda têm um lado benéfico. O nitrito vai combater a toxina botulínica, que causa botulismo. E o ácido reduz os índices de nitrito”, afirma. E, para causarem qualquer mal, teriam de ser ingeridas em grandes quantidades.

Outra lenda é o uso do papelão em carnes. Para Carmen, essa é uma ideia absurda e que deve ter surgido de uma interpretação equivocada. “Qualquer pessoa sentiria o gosto caso estivesse comendo papel”, diz a especialista. Segundo o governo federal, o áudio que citava o papelão se referia à embalagem e não à mistura.

O uso de outras substâncias na linguiça e na salsicha também gerou aflição, mas a maioria é permitida. “O mais comum em embutidos é o amido”, revela o diretor executivo da Associação Paranaense de Suinocultores (Suinosul), Luiz Bisewski. “É algo bastante comum, mas em baixa quantidade. E, de novo, nada que cause algum mal”, explica.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]