Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Porto de Paranaguá prepara leilão de novas áreas para este ano
Porto de Paranaguá prepara leilão de novas áreas para este ano| Foto: Divulgação

O Porto de Paranaguá iniciou o ano de 2021 a todo vapor e superando números comparando com o ano passado. A movimentação mensal de janeiro fechou com alta de 4%, nos portos de Paranaguá e Antonina. No mês, as importações e exportações chegaram a 3.599.435 toneladas de cargas, frente às 3.446.228 toneladas de 2020.

Outra novidade foi a audiência sobre o leilão de arrendamento da área PAR32, voltada para movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado, no Porto de Paranaguá.  Em 2020, o terminal paranaense teve o melhor índice de produtividade para este tipo de carga no Brasil. A prancha média operacional chegou a 137 toneladas por hora. A área tem aproximadamente 6,6 mil metros quadrados. O espaço já conta com estrutura de armazéns denominados 6A e 6B. O prazo de arrendamento é de 10 anos, prorrogáveis a critério do poder concedente.

Crescimento apesar da chuva

“Apesar de toda a chuva que tivemos em janeiro, o que acaba impactando em algumas operações, nos períodos de estiagem os operadores conseguiram aumentar a produtividade, gerando bons resultados, principalmente nos segmentos de carga geral e granéis líquidos, que sustentaram a alta”, afirmou sobre a melhora de janeiro de 2021 em comparação com 2020 o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

De carga geral, 1.027.598 de toneladas de cargas foram movimentadas no último mês de janeiro. O volume é 12% maior que as 915.861 toneladas de janeiro de 2020. Já de graneis líquidos, este ano, foram 664.225 toneladas, entre importação e exportação. No mesmo período, no ano passado, foram 610.370 toneladas. A alta registrada, no segmento, é de 9%.

A força do açúcar

A alta na movimentação do açúcar também se apresenta no fechamento do Porto de Paranaguá. Pelos terminais de Paranaguá 329.372 toneladas de açúcar, em saca e a granel, foram exportadas em janeiro deste ano. O volume é 198% maior que as 110.477 toneladas registradas em janeiro de 2020.

Outros produtos que se destacam nas exportações pelo Porto de Paranaguá, no último mês de janeiro, estão o óleo vegetal (soja), que registra aumento de 65%; o milho que teve alta de 40%; e o farelo de soja, cujo volume movimentado este ano é 24% maior que o registrado em janeiro de 2020.

De óleo vegetal foram exportadas 45.349 toneladas, este ano, e 27.548 toneladas em janeiro de 2020. De milho, 417.487 toneladas, no último mês de janeiro, e 297.802 toneladas, no ano passado. De farelo de soja, 396.969 de toneladas foram exportadas este ano, e 321.315 toneladas, nos mesmos 31 dias de janeiro de 2020.

Entre as cargas de importação, destacam-se as movimentações de carga geral, 469.378 este ano, 15 % a mais que as 408.176 registradas em 2020. Entre os graneis sólidos, o sal com 13.919 toneladas movimentadas no último mês de janeiro. No mesmo mês, no ano passado, não teve importação do produto.

Entre os graneis líquidos, se destacam as importações de metanol, com alta de 18% - 97.818 toneladas este ano, contra 82.798 toneladas no ano passado; e de óleos vegetais, com alta de 4451% - 170.174 toneladas este ano, contra 3.739 no ano passado.

As importações totais, de janeiro, somaram 1.841.804 de toneladas, 3,3% a mais que em janeiro de 2020, com 1.782.767 de toneladas. AS exportações, 1.757.631 de toneladas, 6% a mais que no ano passado, com 1.663.461 de toneladas.

Exportações x importações

As exportações pelos portos do Paraná em 2020 superaram as importações em 60,65%. O saldo positivo na balança comercial foi de US$ 6,52 bilhões. A receita gerada pelos produtos embarcados pelos terminais paranaenses somou US$ 17,27 bilhões. Em mercadorias que chegaram ao país por Paranaguá e Antonina, foram US$ 10,75 bilhões.

“Esse superávit pelo comércio gerado através dos portos de Paranaguá e Antonina é fundamental para o equilíbrio da economia nacional e gera lucros, não apenas para o país, mas também para o Estado e as cidades do Litoral”, disse Luiz Fernando Garcia. Mais de 90% das exportações foram de produtos do agronegócio. “A atividade sustentou a economia do país e impediu que os impactos da pandemia fossem ainda maiores. O agro cria um ciclo virtuoso, gerando empregos no campo, no transporte, na armazenagem e na atividade portuária.”

Paraná se destaca 

Segundo os dados do Ministério da Economia, as exportações brasileiras geraram receita de quase US$ 209,82 bilhões. A receita gerada pelas exportações pelos portos paranaenses é a terceira maior do país, entre 74 portos e aeroportos, e responde por 8,23% do total.

Já as importações brasileiras somaram US $158,93 bilhões. Também nesse sentido, os portos do Paraná estão na terceira posição, entre 94 portos e aeroportos de entrada, e respondem por 6,76% do total.

Confira os dez produtos que mais geraram receita, entre as exportações pelos portos do Paraná:

Soja - US$ 5.118.068.216

Frango - US$ 2.349.099.340

Farelo de Soja - US$ 1.934.199.450

Açúcar - US$ 1.346.885.271

Carne bovina - US$ 1.297.583.446

Óleo de soja - US$ 507.561.715

Automóveis - US$ 482.292.092

Milho - US$ 453.140.321

Celulose - US$ 433.468.278

Papel - US$ 210.746.879

Leilão de terminal

O arrendamento da área PAR32, voltada para movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado, é considerado um marco na história da empresa pública.

“Graças à autonomia que nos foi concedida, por conta da delegação de competência que conquistamos em 2019, somos os primeiros portos do Brasil a comandar de forma soberana audiências públicas que darão sequência ao processo de licitação de áreas disponíveis para novos arrendamentos”, destacou o diretor de desenvolvimento empresarial da Portos do Paraná, André Luiz Piolli.

O diretor jurídico e presidente da Comissão de Licitação de Áreas Portuárias, Marcus Freitas, explicou que esse é o primeiro procedimento licitatório que a Portos do Paraná realiza sendo iniciado desde a fase de consulta pública. “Esta é uma área que já é ocupada por uma empresa, com um contrato de transição. Agora os estudos preveem um cenário de mercado para os próximos dez anos. Isso permite que o porto arrecade mais, com valores atualizados de movimentação por tonelagem de carga.”

O leilão da área PAR32 será realizado pela autoridade portuária paranaense e os procedimentos prévios são realizados com apoio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), vinculada ao Ministério da Infraestrutura.

O prazo para consulta pública ficará aberto até o dia 24 de fevereiro e é possível incluir as manifestações no site www.portosdoparana.pr.gov.br, no campo disponível na página inicial.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]