| Electra Meccanica /Divulgação
| Foto: Electra Meccanica /Divulgação

O futuro para desafogar o trânsito dos grandes centros urbanos e, de quebra, contribuir com emissão zero de poluentes pode estar no projeto Solo 2017. O veículo elétrico que mais parece um carro cortado ao meio é a versão final do modelo urbano de três rodas lançado pela canadense Electra Meccanica.

A novidade já pode ser encomendada no mercado local por US$ 15 mil (cerca de R$ 50 mil), com as entregas ocorrendo somente em 2017.

LEIA TAMBÉM: Tesla Model S ganha superbateria e vira o carro ‘de série’ mais rápido do mundo

A intenção do projeto é ocupar o menor espaço possível nas ruas, levando somente o motorista (daí a origem do nome). A empresa se baseou em um levantamento que mostra que 80% das viagens são feitas por apenas uma pessoa, de casa para o trabalho.

Ou seja, nada de carona compartilhada como apontam alguns como solução para a diminuição dos congestionamentos.

O Solo possui 3,04 metros de comprimento, ou meio metro mais curto que o Fiat Mobi (3,57 m), por exemplo, 1,21 m de largura (medida pelas rodas da frente), 2,04 m de distância entre-eixos e 1,21 m de altura.

O único banco disponível fica centralizado na cabine, de frente a um painel de instrumentos em LCD e rádio com bluetooth. Para manter o preço inicial acessível, ar-condicionado, vidros elétricos, câmera traseira e chave com sensor de presença são opcionais. Mas a luz diurna em led é de série.

As rodas são de liga leve aro 15 e a capacidade do porta-malas é de 285 litros, idêntica ao do Volkswagen Gol.

O motor elétrico gera o equivalente a 83 cavalos de potência e 19,0 kgfm de torque, números que o fazem acelerar até 100 km/h em menos de 8 segundos, segundo a fabricante.

A autonomia estimada da bateria é de 160 quilômetros com uma carga, que pode ser recarregada em 3 horas numa tomada de 220 volts ou em 6 horas numa de 100V.

“Acreditamos que o Solo será o minicarro urbano preferido em todo o mundo. O veículo não polui, é muito econômico e as pessoas terão prazer ao dirigir também”, afirmou Henry Reisner, diretor de operações da Electra Meccanica.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]