Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
vinhos
Embora exista uma taça padrão para quem está começando a entender de vinhos, o ideal é ter as ideias para cada variedade da bebida.| Foto: Bigstock

A pandemia do coronavírus, que trancou o mundo em casa por mais de um ano, fez com que as pessoas se permitissem conhecer novas variedades de bebidas além daquelas que já estavam acostumadas no seu dia a dia – e o vinho foi o que mais se destacou nos novos hábitos. Isso trouxe à tona diversas dúvidas de quem não tinha o hábito de sacar a rolha para alguns momentos de descontração em casa na hora do jantar. Como armazenar vinho? Qual a taça ideal para cada tipo de vinho? E espumante, pode usar a mesma? E, ainda, como armazenar as garrafas para não perderem qualidade?

Segundo Augusto Alves, sommelier da Evino, não é preciso ter uma adega climatizada igual a de restaurantes para armazenar vinhos em casa. Basta um espaço com pouca iluminação bem ventilado.

“O ideal é apostar em lugares frescos que não tenham muita variação de temperatura, para que o vinho não desenvolva aromas e sabores desagradáveis. Mas não precisa construir um porão só para armazenar suas bebidas, basta encontrar um lugar mais escuro e mais fresco”, conta o especialista.

Ele também recomenda manter as garrafas longe de fontes de calor, como armários fechados ou perto do fogão. Aliás, o fogão muito quente e a geladeira fria também podem influenciar na perda de qualidade da bebida, principalmente com alimentos não embalados e temperos por perto – o vinho é uma bebida sensível e pode absorver estes aromas.

Cada rolha, um cuidado

Se o ideal é manter os vinhos em locais frescos e sem a incidência de iluminação, há ainda a questão da posição das garrafas. E isso vai depender do tipo de rolha usada para vedar o envase.

A indústria de vinhos evoluiu muito ao longo dos anos, com a adição de rolhas sintéticas ou tampa de rosca em determinados rótulos – esta última, inclusive, não significa uma qualidade mais baixa da bebida. Segundo Alves, cada garrafa tem uma posição específica de armazenamento.

“Se os rótulos são fechados com uma rolha de cortiça, é importante guardá-los deitados para que a rolha se mantenha úmida e não resseque, afinal isso pode comprometer a vedação. Já os vinhos que com tampa de rosca ou rolha sintética são diferentes e podem ser armazenados em pé", afirma.

Já os espumantes, embora também sejam como vinhos, têm alguns cuidados adicionais – a começar pelo tempo de guarda. O ideal é não estocar por muito tempo, para não perder a qualidade, e armazenar a garrafa deitada para manter a rolha sempre úmida e inchada.

Na hora de consumir, leve à geladeira por três a quatro horas antes de servir. Jamais coloque no congelador, para não correr o risco de esquecer e ela estourar.

A taça ideal

vinhos
Tipos de taças, da esquerda para a direita: Bordeaux (a mais padrão), Borgonha, Flute e Porto.| Bigstock

Embora exista uma taça padrão para quem está começando a beber vinho, como as mais comumente encontradas no comércio, o ideal é ter algumas específicas para cada tipo da bebida. A altura, a espessura e a abertura do aro influenciam a experiência entre os mais avançados na degustação.

"Por ter bojo grande e aro fechado, a taça Bordeaux é uma das mais utilizadas e perfeita para os vinhos encorpados e com maior concentração de taninos como o Cabernet, Tannat e Merlot", explica Augusto Alves.

Por outro lado, a taça Borgonha, que lembra um balão, tem uma área de oxigenação maior, o que permite à bebida respirar mais e oferecer outras possibilidades de aroma. Segundo o sommelier, essa taça diminui a acidez e acentua algumas características de vinhos maduros, “sendo ideal para vinhos brancos com passagens em barricas e tintos aromáticos com diversidades de sensações, como o Amarone, Nebbiolo e Pinot Noir".

Espumantes

Para os espumantes, o ideal é usar uma taça que represente as características sofisticadas da bebida, como a Flute.

"O bojo fino e alongado mantém o perlage, a famosa borbulha, por mais tempo. O seu formato elegante também limpa o paladar, equilibra os sabores e intensifica a experiência levando o aroma diretamente para o nariz", conclui.

E há, ainda, as taças ideais para os vinhos doces e fortificados – como o do Porto, utilizado normalmente para acompanhar a sobremesa. Como ele é consumido em quantidades muito menores que seus semelhantes secos, o ideal é degusta-lo em taças menores de bojo pequeno, com um aro mais estreito na parte superior.

Seja de vidro ou de cristal, é possível encontrar jogos e conjuntos de taças de vinhos a partir de R$ 54,90 nos principais magazines e e-commerces. Aproveite e conheça também bons vinhos indicados por Guilherme Rodrigues, colunista do Bom Gourmet.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]