Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Indústria bebidas
Tecnologia pode ser usada por indústrias de envase de líquidos e alimentos pastosos.| Foto: Bigstock

Uma ferramenta que permite às indústrias de bebidas reduzirem em até 80% as perdas na hora do envase chegou ao Brasil recentemente e já começou a ser testada em negócios por aqui. Chamada internamente de Plug & Diaphragm, a tecnologia nada mais é do que um controle certeiro da quantidade de líquido ou pasta que é despejada em uma garrafa ou pote.

Isso porque as bebidas vendidas atualmente no mercado não tem exatamente a quantidade anunciada no rótulo – geralmente há alguns mililitros a mais, em torno de 5 a 10ml. É uma diferença pouco perceptível para o consumidor final, mas uma grande perda para as indústrias que, no fim da produção, acabam envasando mais sem poder rentabilizar.

A tecnologia foi criada na Alemanha em 2018 após três anos de pesquisa e desenvolvimento, e já é usada na Europa por indústrias de queijos e de água mineral. Por aqui, uma fábrica de extrato de tomate já a utiliza em caráter de testes, substituindo uma peça semelhante já obsoleta.

Hans Paul Mösl, gerente-geral de vendas da área farmacêutica, alimentícia e de biotecnologia da Gemü do Brasil, fabricante da peça, explica que a tecnologia tem, ainda, a vantagem de ter uma vida útil maior do que as utilizadas até agora.

“O problema não é apenas o envase, mas também a manutenção do processo. A tecnologia anterior tem um ciclo de operação de apenas três a quatro milhões, o que para uma grande indústria se esgota rapidamente. Com esta nova peça, a vida útil passa dos 10 milhões de ciclos, ou seja, 10 milhões de recipientes envasados”, conta.

A peça, que é utilizada em máquinas para a fabricação de alimentos e medicamentos, precisou passar por validação de agências reguladoras e foi aprovada pela FDA (Administração de Comidas e Remédios dos Estados Unidos, em tradução livre) e pela 3A e HEDGE, na União Europeia.

Como funciona

De acordo com Mösl, a peça é instalada na ponta de qualquer maquinário já usado para o envase de produtos líquidos e pastosos, apenas com uma adaptação do modelo. Depois, a válvula abre e identifica exatamente a quantidade necessária do produto a ser acondicionado no vasilhame.

Assim, se uma garrafa de refrigerante tem o equivalente a 250ml, a quantidade despejada será de apenas este volume, em vez de 255, 258 ou até 260ml. O mesmo vale para qualquer tipo de alimento que necessite de um controle que evite perdas.

“A Plug & Diaphragm oferece o controle de forma linear, ou seja, se 1% da válvula for aberta, passará apenas 1% de fluido, e assim por diante”, explica.

Segundo a marca, a válvula utiliza um processo pneumático que faz o envase do líquido de forma hermética, completamente vedado e sem contato com o ar. A manutenção também é feita rapidamente, em apenas alguns minutos, evitando a paralisação completa da produção por um longo período.

Indústria bebidas
Peça tem vida útil três vezes maior do que a utilizada atualmente.| divulgação/Gemü

A peça permite, ainda, o envase de líquidos e pastas em diferentes temperaturas, de -10°c a até 140°c, com uma pressão de até 7 bar.

Fabricada na planta da Gemü na Europa, a válvula é importada e vendida em diferentes tamanhos e configurações, com custos variados de acordo com a necessidade de cada fabricante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]