Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foie gras criado em laboratório. Foto: Bigstock.
Foie gras criado em laboratório. Foto: Bigstock.| Foto:

Depois dos hambúrgueres totalmente vegetais com uma molécula que imita a proteína animal, agora é a vez do polêmico foie gras ganhar uma versão desenvolvida em laboratório. A startup francesa Suprême anunciou que conseguiu criar o controverso patê de fígado de ganso utilizando apenas as células-tronco da ave, sem precisar confinar ou abater qualquer animal.

Apesar de ser uma iguaria clássica da culinária francesa, o foie gras passou a ser questionado por defensores dos direitos dos animais. Foto: Bigstock.
Apesar de ser uma iguaria clássica da culinária francesa, o foie gras passou a ser questionado por defensores dos direitos dos animais. Foto: Bigstock.

A tecnologia utilizada para isso começou a ser estudada em meados do ano passado por Nicolas Morin-Forest, um dos três sócios da companhia, com o objetivo de “reinventar a mais tradicional iguaria francesa” de um jeito ambientalmente sustentável, segundo uma entrevista ao jornal francês Libération.

A façanha utiliza células-tronco de apenas um ovo de ganso criado livremente e recém-botado. A partir disso, a startup ‘alimenta’ as células com os mesmos nutrientes básicos encontrados na dieta natural da ave, como aveia, milho ou grama. Depois, a dieta das células é ajustada para se obter um nível de gordura suficiente que possibilite ao foie gras ser cozido e temperado sem o risco de desmanchar durante o preparo.

“Vamos produzir o primeiro foie gras vindo da agricultura celular. Precisamos de apenas três semanas para produzi-lo em laboratório, quando a forma tradicional leva três meses”, explicou Morin-Forest ao Libération. O foie gras também pode ser feito de fígado de pato ou de marreco, mas o mais comum é o de ganso.

Será que pega?

O foie gras da Suprême deve começar a ser vendido em meados de 2022 ou 2023, dependendo do aval das agências reguladoras francesas. Foto: Divulgação
O foie gras da Suprême deve começar a ser vendido em meados de 2022 ou 2023, dependendo do aval das agências reguladoras francesas. Foto: Divulgação

Apesar do foie gras de laboratório ainda ser um protótipo, a Suprême afirma que a aparência e o sabor são exatamente os mesmos da versão tradicional. Ainda não há provas disponíveis para avaliação, mas o chef Laurent Suaudeau acredita que, se isso for mesmo verdade, vai ser uma revolução na forma como consumimos os alimentos.

“Eu já tinha ouvido falar de reproduzir a proteína animal em laboratório, sempre acreditei que a pesquisa e a ciência vão caminhar juntas com uma alimentação mais saudável. Se isso significa proteger o mundo animal da forma como ele é tratado atualmente, da alimentação até o abate, eu aprovo”, esclarece o chef francês radicado no Brasil.

Para ele, a aceitação deste novo foie gras não será nenhum tabu se tiver a mesma qualidade de um proveniente de um animal – principalmente para os franceses que o consomem há séculos.

Um dos pratos criados por Ivo Lopes é o mignon com foie gras. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.
Um dos pratos criados por Ivo Lopes é o mignon com foie gras. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.| Gazeta do Povo

O chef Ivo Lopes, premiado em Curitiba por diversos pratos utilizando o foie gras como ingrediente principal, concorda. Para ele, a iguaria criada em laboratório é uma evolução necessária.

“Em tese, não há nada melhor do que um produto natural, já estamos acostumados com o foie gras proveniente do ganso há gerações. No entanto, pensando no bem estar dos animais, eu sou a favor. A gente está no século 21, temos que procurar amenizar ao máximo o sofrimento deles”, explica o chef.

Segundo a Suprême, ainda há muitos desafios pela frente antes de lançar a iguaria em versão comercial. A marca afirma que o foie gras de laboratório deve chegar aos supermercados até 2022 ou 2023. Sem cravar uma data específica, já que dependerá ainda de licenças das agências reguladoras antes de ir à venda.

É como ocorreu recentemente com o hambúrguer vegetal da Impossible Foods, nos Estados Unidos – a aprovação da venda pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) só saiu nesta semana, após três anos de lançamento.

Mais saudável

Além de se evitar o sofrimento dos animais, Nicolas Morin-Forest explica que a fabricação tanto do foie gras como de outras proteínas animais em laboratório ajuda a evitar a contaminação dos alimentos.

“Os produtos são fabricados em um ambiente controlado, longe de abatedouros onde os riscos de contaminação, por exemplo, pela salmonela, são grandes”, completa o empresário lembrando que a carne artificial tem as mesmas propriedades nutricionais que a versão tradicional, sem a presença de hormônios ou antibióticos.

A Suprême afirma, ainda, que a produção do foie gras em laboratório consome até 70% menos recursos naturais de água e nutrientes do que uma criação comum. E que os franceses já estão atentos a isso.

“75% dos consumidores franceses estão agora desconfortáveis com a maneira como o foie gras é produzido e adorariam uma alternativa livre de crueldade”, conclui Morin-Forest.

Aqui não tem

A polêmica do foie gras, por conta dos seus métodos de produção, é tão grande que a iguaria é proibida por lei em algumas capitais brasileiras, como Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS) e Belo Horizonte (MG), com multas que podem chegar a R$ 500 mil. São Paulo chegou a ter uma legislação semelhante aprovada em 2015, mas foi declarada inconstitucional dois anos depois.

A Assembleia Legislativa do Paraná também chegou a analisar um projeto de lei proibindo a produção e a venda de foie gras em todo o estado em 2015, mas a proposição foi arquivada após análise da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

Já nos Estados Unidos, o estado da Califórnia proibiu neste ano a produção e a venda de foie gras em todo o território. A atitude gerou críticas fervorosas de chefs e associações de produtores locais, de Nova York e até mesmo do Canadá. Em entrevistas a jornais norte-americanos, muitos disseram que continuarão a vender a iguaria à margem da lei.

Veja também

Iguaria francesa proibida volta ao centro das atenções com seriado de bilionários

Chef britânico faz prato com uma espécie invasora de crustáceo

Já comeu ouriço do mar? Em Floripa, restaurantes têm pratos com a iguaria

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]