Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O crepe francês é o carro-chefe do Vedette.
O crepe francês é o carro-chefe do Vedette.| Foto: Divulgação?Vedette

Quem já teve a oportunidade de visitar Paris sabe bem que os crepes são parte fundamental da cultura gastronômica local. Há, até mesmo, uma quadra na rua Montparnasse que reúne uma dezena de estabelecimentos com foco exclusivo na iguaria, mas o grande destaque são os espaços que preparam o crepe à vista do cliente, como uma autêntica comida de rua. É daí que vem a inspiração do Vedette, instalado na rua Riachuelo, anexo ao espaço cultural Alfaiataria e pertinho do Cine Passeio. O local pode ser tanto uma opção para o café da manhã mais tardio, já que abre ás 10h, como para o happy hour, já que também aposta em bebidinhas.

Dado o momento da pandemia, é claro, a ideia de colocar o equipamento onde os crepes são preparados na área frontal do Vedette foi adiada, mas o conceito de descomplicar o serviço está valendo. "A gente queria trazer uma experiência bem próxima de como é comer um crepe na França, que é chegar em um lugar pequeninho, mais intimista, e ter um produto de qualidade com preço acessível. Aqui, a pessoa pode pegar o crepe e sair andando. Mas, se preferir, pode pedir no prato e comer em uma das mesas altas do salão", explica Milena Costa, idealizadora da casa e que também está à frente do Ginger Bar.

A versão clássica do crepe é servida em uma embalagem própria para sair comendo. Foto: Gisele Rech
A versão clássica do crepe é servida em uma embalagem própria para sair comendo. Foto: Gisele Rech

A inspiração francesa, como é possível perceber, está também no nome da casa, que se refere às grandes estrelas dos cabarés como o icônico Moulin Rouge, que virou cenário de filme pelas mãos do diretor Baz Luhrman. "A gente quis fazer uma homenagem a essas mulheres, mas na sua versão nacional", explica Milena. Por isso, os crepes e os drinks foram batizados com nomes como Dercy Gonçalves, Marli Marley e Berta Loran.

O desenho do menu, como não poderia deixar de ser, ficou a cargo de Pedro Vieira, um dos sócios - ele construiu um sólido repertório de creperia durante a passagem pelo Le Réchaud. Não à toa, a massa é fininha, bem do jeitinho francês.

Entre os crepes salgados, que custam de R$ 12,50 a R$ 16, uma das atrações é o Aracy, que leva queijo, tomate, pepino azedo e linguiça Blumenau (R$ 15,50). Tem também o Elvira, feito com cream cheese, frango e um toque de licor de laranja Grand Marnier, que remete ao tradicional crepe Suzette (R$ 16).

Entre os doces, cujos preços variam de R$ 9,90 a R$ 14, há opções com Nutella, como o Madame Violet, que também leva morango (R$ 14,50) e versões de inspiração nacional, como o Angelita, com doce de leite e banana (R$ 13) e o Virgínia Lane, que aposta da dobradinha goiabada e queijo para o recheio (R$ 13,50).

Bebidas

Para acompanhar o crepes, o menu é versátil e também tem um quê da cultura europeia, já que há possibilidade de consumo de bebidas alcoólicas no período da manhã. Tem desde opções tradicionais de cafés, como o capuccino ( R$ 5,95), a versões geladas como o Iced Caramelo Latte, com espresso simples, leite e caramelo salgado (R$ 7,80).

Iced Caramel é uma das opções de cafés gelados do Vedette. Foto: Gisele Rech
Iced Caramel é uma das opções de cafés gelados do Vedette. Foto: Gisele Rech

Na linha dos cafés etílicos, a inspiração europeia tem sotaque espanhol . "Na Espanha é muito comum misturar café e bebidas alcóolicas e foi daí que veio as opções Coffee and Spirits", explica o chef Pedro Vieira, que morou em Madrid por um ano. Nesta linha, há, por exemplo, o Carajillo, feito com espresso e licor 43 (R$19) e o Café Vedette, que leva espresso, sorvete de creme, calda de frutas, rum e suspiro (R$ 16).

A carta de drinks, que tem a veia do Ginger Bar, incluí clássicos, como o Negroni (R$18) e o Old Fashioned (R$ 22), mas também apresenta versões autorais, com um teor alcoólico mais baixo, também batizadas com nomes de vedetes, como Alô Terezinha, que leva gim infusionado em chá verde, gengibre, soda e espuma de gengibre (R$ 22) ou o Gracinha Copacabana, que mescla a dupla suco de beterraba e laranja com Lillet e vodka ( 22,50). Por fim, há ainda opções de cervejas para quem preferir.

Gracinha Copacabana leva suco de beterraba, laranja e Lillet e vodca. Foto: Divulgação/Vedette
Gracinha Copacabana leva suco de beterraba, laranja e Lillet e vodca. Foto: Divulgação/Vedette

"A ideia é trazer um pouco da cultura europeia também no hábito de, eventualmente, tomar uma bebida durante o dia. Mas, quem preferir, pode aproveitar para beber no happy hour, já que ficamos abertos até às 19h, durante a semana, e até 21h, de quinta a sábado", finaliza Milena.

Serviço

Vedette
Onde:
Rua Riachuelo, 274 - Centro
Quando: De segunda à quarta-feira, das 10h às 19h e de quinta a sábado das 10h às 21h
Mais informações: @vedettebrasil

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]