i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Luto

A despedida de Cleyde Yáconis

Atriz teve uma carreira gloriosa, marcada por interpretações antológicas, e se dedicava a todas as atividades ligadas ao ofício

  • PorAgência Estado
  • 16/04/2013 21:01
Cleyde Yáconis era sinônimo de elegância e excelência dentro e fora dos palcos | Antonio Milena/Agência Estado
Cleyde Yáconis era sinônimo de elegância e excelência dentro e fora dos palcos| Foto: Antonio Milena/Agência Estado

Memória

"Uma atriz estonteante em cena"

Helena Carnieri e Isadora Rupp

Em suas duas passagens pelo Festival de Teatro de Curitiba, Cleyde Yáconis veio com espetáculos de peso. A Cerimônia do Adeus, premiada peça em que interpretava Simone de Beauvoir, com direção de Mauro Rasi e encenação de Ulysses Cruz, foi apresentada nos primeiros anos do evento.

Mais recentemente, já com 79 anos, veio com Longa Jornada de Um Dia Noite Adentro (2003), adaptação de Naum Alves de Souza para o drama de Eugene O´Neill. "Assisti no Guairão e ela era absolutamente estonteante em cena. Com toda aquela idade, tinha uma potência incrível. Ela fazia o espetáculo ao lado de Sergio Britto (1923-2011) e era uma aula de teatro com dois monstros, um banho de interpretação", relembra o ator e diretor Áldice Lopes.

Além da qualidade do trabalho da atriz, ele destaca a atitude aberta a novidades. "Era absolutamente moderna, uma mulher que sempre se envolveu com produções jovens. Me lembra muito a Lala Schneider (1926-2007), que dizia: Não quero trabalhar com gente da minha idade, quero esses conceitos novos."

"Ela representa toda uma era que está acabando. Uma atriz no nível das grandes estrelas do teatro mundial, como Mariangela Melato que deixou o teatro italiano órfão no ano passado", pondera o ator e diretor Marino Júnior.

Da infância muito pobre ao lado da irmã Cacilda Becker, que seria a maior atriz brasileira dos anos 50 e 60, Cleyde passou a ser sinônimo de elegância no teatro, conforme atestam comentários de colegas de profissão postados nas redes sociais.

As duas irmãs viveram as soberanas antagonistas de Maria Stuart, de Schiller, em 1955.

Cleyde foi a primeira a interpretar a prostituta Geni de Toda Nudez Será Castigada, peça de Nelson Rodrigues estreada em 1965 e dirigida pelo polonês Ziembinski – mesmo encenador da histórica Vestido de Noiva (1943).

Televisão

Na televisão, participou de 33 novelas. Em Passione (2010), Cleyde Yáconis foi um dos grandes destaques, com a interpretação impagável de Dona Brígida. Casada com o rabugento Antero (Leonardo Villar), a personagem vivia um relacionamento misterioso com o motorista da família, interpretado por Elias Gleiser. Além dele, Brígida também tinha um segundo pretendente, Benedetto (Emiliano Queiroz).

A trajetória do triângulo amoroso foi uma das tramas mais divertidas da novela. No YouTube, várias cenas da personagem foram compiladas por fãs, que deixaram mensagens em homenagem à atriz.

Interatividade

Você viu Cleyde Yáconis no palco e na tevê? Compartilhe conosco suas lembranças desta grande atriz.

Deixe sua opinião abaixo.

Leia as regras para a participação nas interatividades da Gazeta do Povo.

A atriz Cleyde Yáconis, que morreu na noite de segunda-feira, aos 89 anos, de isquemia, era uma mulher de gestos simples, com pleno domínio de seus atos e palavras. Em uma de suas últimas entrevistas à imprensa, publicada no jornal O Estado de S.Paulo, em uma tarde chuvosa de julho de 2012, ela parecia incomodada pela fama conquistada – ao lado da também atriz Denise Fraga e do diretor Marco Antônio Brás, ela se preparava para o recital Elas Não Gostam de Apanhar, homenagem às personagens femininas de Nelson Rodrigues e que foi encenada apenas duas vezes, apesar da previsão de três espetáculos.

Cleyde exibia um corpo franzino demais (apenas 49 quilos), o que alongava seus braços e dedos. Curiosamente, também ressaltava seu perfil de dama do teatro, valorizada pelos que ali estavam, no escritório de produção da montagem, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo. A atriz era homenageada por todos os presentes, o que ela retribuía com um gesto zombeteiro, autodepreciativo, ao mesmo tempo agradecido.

Sua fala era mansa, exigia uma aproximação do ouvido, mas as frases saíam articuladas. Certamente, por conta de tantos anos de preparação para viver inúmeros personagens. Em 2003, quando ofereceu uma antológica interpretação de Mary, a morfinômana de Longa Jornada de Um Dia Noite Adentro, de Eugene O’Neill, Cleyde confidenciou ao repórter: "Trata-se de um personagem que exige uma composição sistemática e preocupada com detalhes".

Bastava ter o privilégio de vê-la em cena para se constatar. Desde o infantilismo de Mary até seus silêncios de mágoa e semifúria, inevitáveis aos dependentes de morfina, Cleyde exibia um conjunto de expressões faciais que, junto da atitude corporal e das inflexões de voz, revelavam um progressivo estado de decadência mental. "Tive muito cuidado em não apresentar todos os sintomas de uma só vez, pois poderia correr o risco de tornar a atuação repetitiva, algo perigoso em um espetáculo longo", comentou.

Minúcias

Naquela tarde de julho do ano passado, a atriz voltava a se preocupar com minúcias quando falava de Nelson Rodrigues, autor vital em sua carreira, pois foi a primeira a interpretar Geni, de Toda Nudez Será Castigada, em 1965. "Não podemos deixar de fora a cena em que ela diz que lava o sexo em uma bacia. É essencial", enfatizava, na mesa de leitura.

Com alimentação balanceada (comia pouco e sempre a cada três horas), exibia uma agilidade que só não era mais elástica por conta de um acidente sofrido dois anos antes, quando fraturou o fêmur. Preservava ainda uma rotina monástica, na chácara onde viveu por anos em Jordanésia, cidade perto de Jundiaí (SP). "Não frequento rodas sociais e acho que, no máximo, só sete pessoas já me visitaram em casa. Mesmo por telefone, não sou tão acessível."

O teatro era sua porta de contato com o mundo. No entanto, sua despedida da cena foi tortuosa. Nervosa, em 2012, não se lembrava das falas decoradas, necessitando de ajuda do texto escrito. Mesmo assim, foi ovacionada em vários momentos. Apresentou-se assim na sexta e no sábado – domingo, incomodada com os problemas, pediu o cancelamento do espetáculo. Preferiu uma saída digna.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.