i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Literatura

Affonso Romano celebra 50 anos de poesia

  • PorFolhapress
  • 29/07/2012 21:04
Affonso Romano diz não ter “percebido” cinquentenário | Divulgação
Affonso Romano diz não ter “percebido” cinquentenário| Foto: Divulgação

"Poesia é o espanto transverberado." Assim respondeu o escritor Affonso Romano de Sant’Anna à pergunta "O que é poesia?", elaborada pelo também poeta Edson Cruz para compor seu livro, que leva o mesmo nome da questão.

Romano está celebrando 50 anos de produção literária, mas parece não dar bola para isso. "Eu nem havia me dado conta [deste cinquentenário. Foi uma] trajetória iniciada com O Desemprego do Poeta, em 1962, em que escrevo sobre a situação do poeta na sociedade capitalista", afirma Affonso.

O percurso não foi apenas trilhado por ele, mas construído, seja pela divergência, quando combateu conceitualmente os concretos, ou convergência, decidindo publicar os poetas marginais no suplemento literário que dirigia no Jornal do Brasil.

O encontro Expoesia, organizado por ele em 1973, reuniu 600 artistas em plena ditadura e catalisou o movimento da poesia marginal.

"Affonso destaca-se pelas ideias, um pensador das questões do país, que continua refletindo de peito aberto, mas sem perder o rigor na escrita poética", afirma Cruz.

Assim como a publicação de Que País É Este? (1980) deflagrara calorosos debates políticos, a poesia de Affonso continua presente no âmbito das discussões nacionais.

"O poema ‘A Implosão da Mentira’, por exemplo, não me pertence mais. Toda vez que tem um rebu em Brasília alguém republica. Foi usado agora como protesto pela morte de pescadores no Rio. O destino é virar folclore", vaticina Affonso.

O poeta revela o desejo de publicar novos volumes reunindo os temas recorrentes.

"Um para história, mostrando como minha poesia reage formal e politicamente a ela; um sobre o amor, mas sem essa visão machista de Bandeira e Vinicius; um sobre a morte, de que trato desde o começo de minha produção; e outro sobre a palavra."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.