i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Memória

B.B. King é peça-chave para entender o blues

Músico morreu na madrugada de sexta-feira (15), em Las Vegas, aos 89 anos, depois de encarnar o blues mais que ninguém por décadas

    • Las Vegas
    • Estadão Conteúdo
    • 15/05/2015 17:01
    B.B. King numa apresentação de 1971 em Hamburgo, na Alemanha, acompanhado da guitarra Lucille. | Heinrich Klaffs/Creative Commons
    B.B. King numa apresentação de 1971 em Hamburgo, na Alemanha, acompanhado da guitarra Lucille.| Foto: Heinrich Klaffs/Creative Commons

    Mitos crescem na medida em que estão mais distantes e etéreos, inalcançáveis, impalpáveis. Deles, curtimos a aura apenas. Bem mais complicado é viver como um mito, entre nós, anônimos habitantes do planeta. B.B. King, o rotundo dono de Lucille – sua idolatrada guitarra, o mais famoso instrumento do mundo do blues – brilha entre os bluesmen, contracena com mitos pop como Bono, Santana, Eric Clapton ou com cantoras de jazz como Diane Schuur. Espalha sua arte única com generosidade, sem nenhuma parcimônia.

    Compartilha seu talento com todo mundo, como reza o espírito comunitário que viu nascer o gênero, ainda nos campos de algodão, nas décadas finais do século 19. Os escravos obrigados a cantar hinos religiosos protestantes junto com seus donos preservavam sua música nos dias de trabalho duro e nas noites regadas a Bourbon. A música divina (o gospel) gerou de suas entranhas a música do diabo (o blues), já rezava um clássico blues de Robert Johnson.

    Morte

    B.B. King morreu na madrugada de sexta-feira (15) em Las Vegas, Nevada (EUA), aos 89 anos. Segundo o advogado do músico, ele havia sido hospitalizado em abril. Em sua carreira, King venceu 15 vezes o prêmio Grammy, mais do que qualquer outro músico de blues.

    Formalmente, o blues é o gênero mais simples das músicas populares, com seus 12 compassos e uma harmonia de três acordes. Mas a bem comportada harmonia da música europeia branca misturou-se com as escalas africanas, gerando as “blue notes” que fazem a glória dos grandes guitarristas – como B.B. King. Uma forma decisiva para os partos do jazz, seu filho dileto no início do século 20, e do rock, seu neto, já nos anos 50.

    King é personagem-chave do blues porque aprendeu o gênero e o deglutiu ainda em seu berço rural no Delta do Mississipi; e, logo depois da Segunda Guerra Mundial, foi um dos grandes, se não o maior, responsável por sua urbanização. Trocou os anéis e as cordas de arame pelas nascentes guitarras, muito mais poderosas.

    O blues perdeu seu rei e os Estados Unidos perderam uma lenda. Nesta noite haverá uma sessão genial de blues no céu.

    Barack Obama, presidente americano.

    Mas manteve as raízes intactas. Por exemplo, o gospel, sempre presente em seu jeito de cantar cheio de fervor (religioso, diriam os mais fanáticos, mesmo com temas libidinosos). Por outro lado, absorveu as “modernidades” urbanas. Encantou-se com a guitarra elétrica de Charlie Christian e de T. Bone Walker. Mas não os imitou. Criou um estilo próprio, de longas notas lancinantes e vibratos muito amplos. Imagine alguém capaz de fundir, no toque e na voz, as raízes com um refinamento inesperado. Desse modo, B.B. King levava ao delírio as plateias negras e ao mesmo tempo conquistava os brancos empertigados.

    Ele gravou centenas de discos ao longo de mais de meio século de carreira. Existem muitas coletâneas “best of”. Melhor ficar com dois “meetings”. Primeiro, o “summit” inigualável, gravado em 2000, com Eric Clapton. Riding with the King compõe-se de 12 clássicos do blues, como “Ten long years”, “Worried life Blues”, “Three O’Clock Blues” e, claro, a faixa-título. Antológico.

    E em Heart to Heart, CD de 1994, a Lucille de King namora com o piano e a voz de Diane Schuur. Eles cantam e tocam de tudo. Até “I can’t stop loving you” e “It had to be you”, evocando outro gênio, Ray Charles, de percurso semelhante ao de King: transplantou o balanço gospel para o rhythm’n’blues.

    Sozinho, com Clapton ou Schuur, ele jamais perde a realeza. Pudera, ele “é” o blues encarnado.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.