Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

“O Estado de Israel nunca mais será o mesmo.” A fase de toada pessimista domina o longa “Rabin, The Last Day”, que o diretor israelense Amos Gitai apresenta no Festival de Cinema de Veneza. O thriller político reconstitui a investigação sobre o assassinato do primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin, morto a tiros em 1995 por um extremista judeu contrário aos acordos de paz firmados pelo premiê com os palestinos. “Rabin é ao mesmo tempo o centro e o buraco negro desse filme: a trama é construída em torno dele, mas eu não quis retratá-lo, não queria competir com a sua figura pública”, disse Gitai, que já abordou os conflitos na região em obras como “O Dia do Perdão” (2000) e “Free Zone” (2005). O assassinato é reconstruído por meio de gravações documentais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]