i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CINEMA

Por que o cinema brasileiro é refém de filmes como “Os Penetras”?

Comédias superficiais feitas para agradar um público amplo e heterogêneo viraram regra no Brasil

  • PorRicardo Sabbag
  • Especial para a Gazeta do Povo
  • 27/01/2017 03:00
Cena de “Os Penetras 2 - Quem Dá Mais?”: comédia baseada em humor raso  repleto de piadas de duplo sentido. | Divulgação/Globo Filmes
Cena de “Os Penetras 2 - Quem Dá Mais?”: comédia baseada em humor raso repleto de piadas de duplo sentido.| Foto: Divulgação/Globo Filmes

Quatro filmes brasileiros estão entre os dez mais assistidos da semana no Brasil: “Minha Mãe é uma Peça 2”, que acumula mais de 7,6 milhões de espectadores desde sua estreia (e, com a marca, se tornou o terceiro filme brasileiro mais assistido de todos os tempos); “Os Penetras 2 – Quem Dá Mais?”, que estreou para uma plateia de mais de 150 mil espectadores; “Eu Fico Loko”, que vendeu acima de 470 mil ingressos desde o início de sua exibição; e “Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood”, que estreou sendo assistido por pouco mais de 37 mil pessoas. No geral, o filme mais assistido da última semana no Brasil foi a animação da Disney “Moana – Um Mar de Aventuras”, visto por mais de 510 mil pessoas.

Mês de férias, janeiro costuma concentrar lançamentos destinados ao público infanto-juvenil, mas o excerto não deixa de ser um reflexo do atual momento do cinema nacional. A lista de lançamentos para o restante do ano traz outros exemplares do mesmo gênero: “TOC – Transtornada, Obsessiva, Compulsiva”, estrelado por Tatá Werneck; “Festa da Firma”, com Marcos Veras; e “Gostosas, Lindas e Sexies”, uma versão brasileira de “Sex and the City” com personagens em sobrepeso, são exemplos do estado atual do cinema nacional. Na tentativa de atrair um público numeroso, os produtores brasileiros têm investido em comédias rasas destinadas a agradar uma plateia ampla e heterogênea.

O diretor Andrucha WaddingtonDivulgação/Globo Filmes

Conhecido por filmes como “Eu, Tu, Eles” e “Casa de Areia”, o diretor Andrucha Waddington alcançou sua maior bilheteria em “Os Penetras”, de 2012, assistido por mais de 2,5 milhões de espectadores. Em entrevista feita por e-mail ao Caderno G, o cineasta diz que o sucesso do primeiro filme tornou a realização da continuação “algo quase óbvio”. “Fazer uma sequência é quase mais difícil que fazer o primeiro, principalmente pelo perigo de repetir o mesmo filme, como acontece com muitas sequências nacionais e internacionais”, afirma.

A expectativa de sucesso com “Os Penetras 2 – Quem Dá Mais?” é tal que os produtores já têm desenvolvido um roteiro para um terceiro filme da série. “Não vejo problema algum com as franquias. Pelo contrário, enquanto o público quiser ver, as franquias permanecerão ativas, como é o caso do ‘007’, apenas para citar um”, diz o diretor.

“Me orgulho muito de ‘Os Penetras 2 – Quem Dá Mais?’”

Andrucha Waddingtondiretor

Waddington se diz muito feliz com o resultado obtido pela sequência de “Os Penetras”. “Tão importante como qualquer filme que fiz na vida. Me orgulho muito de ‘Os Penetras 2 – Quem Dá Mais?’”. Para o cineasta, a tradição da comédia brasileira, que vai das chanchadas da Atlântida, passando pelo sucesso dos filmes dos Trapalhões nos anos 80 até o momento mais recente, quase que dominado pelas produções da Globo Filmes, é uma demonstração de que os gêneros vão se reinventando. “Assim acontece também com as comédias brasileiras”, avalia.

“Acho que depois de três anos preparando o roteiro, chegamos a uma história que, a meu ver, respeita os personagens, aos motes do primeiro filme, com uma história absolutamente nova”. Para Andrucha, desenvolver projetos de filmes de comédia que atendam um público mais exigente, menos baseados em piadas de duplo sentido, não é nenhuma preocupação especial. “Como um cineasta brasileiro, considero fazer bons filmes sempre!”, conclui o diretor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.