i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
cINEMA 2

Trama apelativa e frágil de “Sicario” não se sustenta

  • PorFolhapress
  • São Paulo
  • Folhapress
  • 21/10/2015 14:27
Emily Blunt em “Sicario”. | Divulgação
Emily Blunt em “Sicario”.| Foto: Divulgação

O canadense Denis Villeneuve vem construindo uma carreira que parece ter como objetivo afirmar seu nome como competente realizador de filmes de prestígio no interior da máquina hollywoodiana.

“Sicario: Terra de Ninguém” é mais um passo nessa direção. Assim como “Incêndios” (2010), o longa indicado ao Oscar que colocou Villeneuve no radar da indústria, e o celebrado thriller “Os Suspeitos” (2013), “Sicario” se alterna entre o suspense e o melodrama (disfarçado de tragédia), dirigindo-se enfaticamente a um desfecho-surpresa, de alto impacto.

A primeira sequência já pretende “tirar o fôlego”. Emily Blunt vive uma agente da divisão antissequestro do FBI que participa de uma operação no Arizona. Em uma casa aparentemente abandonada, onde eles esperavam resgatar reféns, encontram dezenas de cadáveres emparedados.

O cenário de horror se repetirá algumas vezes. A personagem de Emily é convocada a uma operação para chegar ao poderoso chefão do cartel de drogas mexicano Manuel Diaz. A própria operação tem contornos misteriosos e sombrios, principalmente por conta da participação de um homem de passado desconhecido, interpretado por Benicio Del Toro.

Mas “Sicario” é como um frágil castelo de cartas, que depende fortemente de elementos como a fotografia e a música para não se desmantelar.

Tanto o roteiro de Taylor Sheridan quanto a direção de Villeneuve não se sustentam com autonomia, e o uso exagerado da música se torna um dos elementos que chamam a atenção para a fragilidade do filme e seu imenso esforço em construir uma expectativa que não se cumpre.

A questão mais problemática, no entanto, está no caráter fortemente apelativo da trama, que observa com ar escandaloso e uma suposta “isenção política” os horrores do cartel do tráfico mexicano – transformando-o em uma encarnação do mal sobre a Terra que só poderia ser enfrentado por um mal de proporção semelhante.

*

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.