| Alex Ribeiro/ Divulgação
| Foto: Alex Ribeiro/ Divulgação

Música

Veja informações destes e outros shows no Guia Gazeta do Povo - Shows

Elba Ramalho trilha o caminho do sertão até o mar no espetáculo Cordas, Gonzaga e Afins, que será apresentado pela cantora nesta sexta-feira, no Guairão, ao lado do grupo SaGrama, do quarteto de cordas Encore e dos sanfoneiros Marcelo Caldi e Beto Hortis.

A cantora e atriz paraibana interpreta 32 canções de Luiz Gonzaga (1912-1989) e seguidores ("afins") do Rei do Baião, como Caetano Veloso e Gilberto Gil, em três atos entremeados por textos de Newton Moreno.

De "Pau de Arara" a "A Vida do Viajante", passando por "Assum Branco" (de José Miguel Wisnik e Tom Zé) e "Chão de Giz" (Zé Ramalho), Elba canta uma espécie de panorama da música nordestina envolta por uma sonoridade erudita ou "armorial" (termo usado para definir o tratamento erudito para a música popular), e uma narrativa ligada ao imaginário do sertão. A direção é de André Brasileiro.

"É um espetáculo maravilhoso, que tem sido arrebatador nos lugares que o temos apresentado", conta Elba Ramalho, em entrevista por telefone para a Gazeta do Povo. "Tem um roteiro bem amarrado, é forte, imponente. Nasce no sertão e realmente deságua no mar", diz.

A criação e direção geral do projeto é da jornalista Margot Rodrigues. "A ideia era que a obra de Gonzaga pudesse ser um ponto de partida e se expandisse, como uma semente boa. E há muitos ramos nessa árvore, já que ele sempre influenciou muita gente", diz Elba.

Para a artista, interpretar a obra de Gonzaga foi natural, ainda que o espetáculo tenha exigido tanto dela quanto dos músicos.

"A música do Gonzaga nos coloca numa posição de conforto, porque todos a conhecem, e tudo o que ela fala é verdadeiro. É a minha história também: como ele, eu vim do sertão e caminhei por toda essa história", diz Elba.

Os arranjos são de Sérgio Campelo e Cláudio Moura, do SaGrama. O grupo foi criado em 1995 no Conservatório Pernambucano de Música e ficou conhecido por ter feito e gravado a trilha sonora original da série O Auto da Compadecida, baseada na obra de Ariano Suassuna. O caráter camerístico é trazido pelo Quarteto Encore, também de Pernambuco.

35 anos

O convite a Elba Ramalho também é uma lembrança aos 35 anos de lançamento do primeiro LP da cantora, Ave de Prata (1979). A cantora não parou para fazer um projeto especial para a data. Pelo contrário: além do espetáculo Cordas, Gonzaga e Afins, Elba está na estrada com outros dois shows. "Tenho de trocar o chip na hora de me apresentar", brinca a artista.

A cantora está finalizando um disco novo, que deve ser lançado em janeiro de 2015.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]