i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ciência

Dias sem sol causam depressão?

Apesar de a luz solar “ativar” o cérebro e influenciar o humor, o tempo nublado não causa depressão sozinho – pacote de fatores envolve Vitamina D, ambiente sociocultural e genética

  • PorHelena Carnieri
  • 11/12/2015 15:44
“Weather Project”, a instalação de Olafur Eliasson que simulou um pôr do sol dentro do Turbine Hall, no Tate Modern, em Londres, no ano de 2003. | Nathan Williams/Creative Commons
“Weather Project”, a instalação de Olafur Eliasson que simulou um pôr do sol dentro do Turbine Hall, no Tate Modern, em Londres, no ano de 2003.| Foto: Nathan Williams/Creative Commons

Clássicos da literatura situam com tanta frequência a deterioração da saúde do corpo e da mente no inverno que parece natural associar o frio a doenças e à depressão. Em “A Montanha Mágica”, o Hans Castorp de Thomas Mann vai visitar um primo no sanatório e acaba ficando para sempre a fim de tratar uma tuberculose.

Raskolnikov passa por surto moral após matar a vizinha numa gélida São Petersburgo no “Crime e Castigo” de Dostoiévski, e o menos conhecido John Gabriel Borkman, da peça de Ibsen que leva o nome do protagonista, termina uma maníaca ilusão de grandeza congelado na neve da Noruega.

Quando chove, neva ou está escuro, a vida acaba ficando limitada

Como é a vida em um país com pouco sol

Leia a matéria completa

São páginas que alimentam nosso imaginário do frio, a ditar que os povos que andam de trenó são mais cabisbaixos e até suicidas. Estudos mostram, porém, que é leviano associar a ausência de luz solar, por si só, à depressão – aliás, alguns escandinavos celebram o inverno, com suas luzinhas de janela, passeios na neve e, claro, bebidas quentes e doces.

“Artigos mais recentes mostram que a ausência de luz, isoladamente, não faz um quadro depressivo. E não é verdade que a Escandinávia tem os maiores índices de suicídio”, diz o psiquiatra Alexandre Leal Laux. Aliás, números mostram que países de todos os continentes aparecem entre os dez que mais têm suicídios – e o período “de pico” para esse tipo de morte no Hemisfério Norte ocorre na primavera.

5 Fatos químicos sobre o sol e a mente

Saiba como a luz influencia você

Leia a matéria completa

Um estudo recente da Sociedade de Epidemiologia Psiquiátrica com estudantes noruegueses (que sofrem com um outono e inverno de pouca luz diária) e italianos (considerados na Europa como abençoados pelo sol) concluiu que a latitude, ou seja, a distância do Equador não está diretamente relacionada à maior incidência da SAD, a “depressão de outono e inverno”, ou, em termos científicos, “transtorno afetivo sazonal”, costumeiramente atribuída aos locais mais frios e escuros.

Acho que a escuridão tem uma relação muito tênue com essa depressão temporária [de inverno].

Madel Skåre moradora de Örebro, na Suécia.

A relação seria mais complexa, dependendo de pré-disposição genética, do contexto sociocultural e do clima de maneira geral, não apenas da incidência de luz.

“Percebo que as pessoas [na Suécia, agora prestes a entrar no inverno] estão sempre reclamando, falando mole, desanimadas nessa época do ano”, admite a brasileira Madel Skåre, que vive na cidade sueca de Örebro. “Mas tem muita coisa que se pode fazer para criar um ambiente aconchegante, como acender velinhas ou assistir aos inúmeros concertos pela cidade. Acho que a escuridão tem uma relação muito tênue com essa depressão temporária.”

Química

Porém, algumas pessoas são mais vulneráveis à SAD, e aqui vai um alerta àqueles que costumam se acabrunhar no inverno: a previsão é de um verão nublado e chuvoso em Curitiba (é deprimente por si só saber que tivemos apenas quatro dias de sol contínuo em novembro).

El Niño

Segundo o meteorologista Fernando Mendes, o fenômeno climático El Niño traz a expectativa de um verão com mais umidade e nebulosidade para Curitiba – até março de 2016. Nada animador para quem vive na cidade.

A relação do sol com a química do cérebro passa pela produção e liberação do neurotransmissor serotonina e do hormônio melatonina. Com menos incidência de luz, esses compostos diminuem e fazem falta para as sinapses cerebrais – envolvidas no ciclo de sono e vigília, na concentração e no humor como um todo.

“É por esse motivo que trabalhadores que exercem suas atividades durante a noite apresentam uma tendência maior a desenvolver transtornos psiquiátricos, mas sempre levando em conta a vulnerabilidade genética de cada um”, aponta Laux. Outros sintomas da depressão relacionada à falta de luz seriam a sensação de cansaço e o ganho de peso.

Pesquisa recente de um grupo de cientistas holandeses alerta ainda que a falta de Vitamina D – ativada pelo sol – não apenas enfraquece os ossos, mas também pode estar ligada à produção de neurotransmissores relacionados ao humor, ou seja: sua falta pode contribuir para um quadro depressivo.

Mito

Lista da ONU com dados de 2012 coloca países de todos os continentes entre os 10 com os maiores índices de suicídio. A Suécia está em 58º, a Noruega em 81º e a Dinamarca, em 82º. O primeiro é a Guiana. Brasil é o 72º, empatado com o Irã.

O que fazer

Existem tratamentos que envolvem maior exposição à luz artificial, como “banhos de luz”. Uma empresa da Finlândia até criou um gadget, o Valkee, que parece um tocador de mp3 mas, no lugar de som, emite luz pelas orelhas para dentro do cérebro. A promessa seria promover bem-estar, inclusive diminuindo os malefícios das longas viagens de avião.

A eficácia não foi cientificamente comprovada, porém, restando apelar para os tradicionais remédios reguladores do humor e para uma boa terapia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.