i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Música

Integrante do Backstreet Boys promete "muita interação" com fãs no Brasil

Cantor A.J. McLean diz que apresentações terão quase duas horas. Ele fala ainda sobre o novo álbum do grupo, em fase de gravações

  • PorG1/Globo.com
  • 05/03/2009 12:18
Os Backstreet Boys se reuniram para sessão de fotos na tarde desta quarta-feira (4) em São Paulo. Grupo se apresenta quinta (5) em SP e sábado (7) no Rio | Reprodução/Flavio Moraes/G1
Os Backstreet Boys se reuniram para sessão de fotos na tarde desta quarta-feira (4) em São Paulo. Grupo se apresenta quinta (5) em SP e sábado (7) no Rio| Foto: Reprodução/Flavio Moraes/G1

Para quem havia se esquecido da existência dos Backstreet Boys, o quarteto americano dá o recado: está de volta à ativa e cheio de energia. Além dos dois shows que a boy band faz no Brasil esta semana - nesta quinta (5) no Credicard Hall, em São Paulo, e sábado (7) no Citibank Hall, no Rio de Janeiro - o grupo ainda prepara um álbum de inéditas que pode sair até o fim deste ano.

Em entrevista ao G1 por telefone, o cantor A.J. McLean se diz "muito animado". "Esperamos pacientemente para voltar e ver se vai ser tão caótico como quanto da outra vez que estivemos no Brasil ou se vai ser mais tranquilo", comenta, referindo-se às apresentações de 2001.

E promete: "Serão quase duas horas de show, com provavelmente 75% de hits e o resto de músicas mais novas. Nós dançamos o show inteiro. Tem muita interação com os fãs. Vai ser divertido, e acho que o público vai gostar."

O que vocês têm feito ultimamente?

A.J. - Trabalhamos em estúdio desde o início de janeiro, e fizemos uma pausa para terminar a turnê 'Unbreakable'. Devemos voltar ao estúdio ainda em março para finalizar as gravações do novo álbum de inéditas no início de junho. O primeiro single deve sair em julho ou agosto. Em seguida, a gente volta à estrada para uma nova turnê.

E como vai ser o disco novo?

Somos nós sendo nós mesmos. Há ótimas melodias e harmonias. Estamos trabalhando com novos compositores e produtores, entre eles o rapper T-Pain e Ryan Tedder. Todos deram ótimas idéias para o álbum, e posso dizer que este trabalho definitivamente marca nosso retorno às raízes. A principal mudança é a produção, que está mais rítmica. Posso adiantar que tudo o que foi feito até agora ficou muito legal.

Como vai a sua carreira solo?

Tive de parar um pouco por conta da turnê e do novo álbum do Backstreet Boys. Mas provavelmente terei duas ou três canções prontas este ano. Os outros caras da banda ouviram e gostaram muito. Acho que um disco solo dá uma boa dimensão de quem eu sou como indivíduo fora do grupo.

Durante a pausa, o grupo sempre esteve confiante de que voltaria um dia?

Sim, com certeza. Os fãs são apaixonados, sempre nos deram apoio, queriam ouvir músicas novas, ver nossos shows. Adoramos viajar e queríamos gravar um disco o quanto antes. Estamos em turnê por quase um ano agora e tem sido incrível. Se não estivéssemos nos divertindo, não teríamos voltado.

Vocês começaram a carreira cedo. Há algo de que se arrependa?

Sinto que me tornei a pessoa que sou hoje por causa do que fui quando eu era jovem. Acho que amadureci mais rápido do que os outros, mas apesar disso, sou muito feliz por ter tido tantas experiências, como ter viajado pelo mundo todo. Isso é algo de que eu não me arrependo e não mudaria nunca.

Havia algum tipo de competição com os integrantes do N’Sync nos anos 90?

Eu frequentei a escola com um deles e o conheço há muitos anos. Havia uma competição saudável com eles. Mas a verdadeira competição era de cada um consigo mesmo, tentando ser o melhor que poderíamos. Tínhamos o mesmo empresário, a mesma gravadora, sempre desejamos sucesso ao N’Sync ou ao New Kids on the Block. Nós éramos mais críticos em relação ao nosso próprio trabalho.

Quem você acha que são seus fãs hoje? As mesmas garotas, só que um pouco mais velhas, ou pessoas que estão conhecendo o grupo agora?

Acho que um pouco dos dois. Tem muitas pessoas mais velhas, e que agora levam os irmãos e irmãs junto nos shows. E gente que ouviu os álbuns mais recentes e gostou. Vemos tantos rostos jovens quanto mais velhos nas apresentações. A gente nunca fez música específica para um determinado grupo, nossas canções são para todo mundo, dos 5 aos 85 anos.

Já tiveram algum problema com fãs obcecadas?

Apenas algumas garotas que entram no ônibus, ou no camarim, no backstage... Nunca nos fizeram nada assutador ou ameaçador, espero que isso nunca aconteça. Sempre tem uma ou outra que passa mais dos limites. Mas, contanto que todos fiquem seguros, isso é o que importa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.