Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Joca Terron e Christian Schwartz durante mesa do Litercultura | Divulgação/
Joca Terron e Christian Schwartz durante mesa do Litercultura| Foto: Divulgação/

Disputando atenção com a “feijoada de sábado”, a mesa das 14h30 de sábado do Litercultura reuniu Joca Reiners Terron e Christian Schwartz em conversa sobre Jamil Snege e Manoel Carlos Karam – não só sobre eles, na verdade. A mediação foi do escritor e colunista da Gazeta do Povo Luís Henrique Pellanda.

Joca esteve frente a frente com Karam. “Não gosto de conhecer escritores que admiro muito”, disse o criador da editora Ciência do Acidente, que reeditou algumas obras do autor de “Cebola.” Schwartz nunca viu Jamil. “Tenho uma admiração comovida por sua obra”, confessou. “Conheci o autor através dela.”

Em sua terceira edição, Litercultura fica indispensável

Ter um evento desse porte na cidade, dividido em “capítulos” que se espalham pelo ano todo, é uma sorte

Leia a matéria completa

A literatura feita de “pequenos elementos que se repetem”, lembrou Joca, é uma das principais marcas de Karam. “Ele era um pós-modernista. E tem parentesco com o que faz hoje Gonçalo M. Tavares”, disse, em referência ao português autor de “Jerusalém”, vencedor do prêmio Portugal Telecom em 2007. Jamil, para Schwartz, resolvia a autofagia local com a autodepreciação. Sobre sua obra mais famosa, não faltaram elogios. “’Viver É Prejudicial à Saúde’ é uma novela perfeita. Poderia ter obtido sucesso internacional”, afirmou Joca. “Mas a série Crepúsculo é muito mais atraente.” Karam continha uma estranheza desde os títulos (“O Impostor no Baile de Máscaras”, “Pescoço Ladeado por Parafusos”), o que “afugentaria o público.”

Assunto que sempre rodeia autores locais é a dificuldade de acesso, intrínseca à obra que produziram. “Quando o Nicolau existia, todo garoto interessado em literatura era um pouco paranaense”, disse Joca, referindo-se à publicação da Secretaria de Estado da Cultura que vingou entre 1987 e 1996. “Mas as edições de ‘Comendo Bolacha Maria’ acabaram quando [o escritor] Miguel Sanches Neto, então diretor da Imprensa Oficial do Paraná, comprou edições para distribuir em bibliotecas. É bom e não é bom. Ficar confinado ao estado pode ser um problema”, completou.

“Erotismo diz respeito a tudo, ninguém escapa”

A atmosfera meio marginal do Teatro Universitário de Curitiba (TUC), na Galeria Júlio Moreira, no Centro de Curitiba, pesou para a escolha do lugar para discutir literatura erótica no sarau Sex Libris

Leia a matéria completa

Quem pensa ou lê Jamil Snege e Manoel Carlos Karam, logo,logo cai em Valêncio Xavier e Wilson Bueno, outros escritores que não se tornaram invisíveis em Curitiba. É uma espécie de quadrado mágico da literatura local, que deixou um vácuo após a morte de seus membros em um período curto, de sete anos – o último deles foi Wilson Bueno, em 2010. “Isso dificultou a transição de geração de escritores,” disse Christian Schwartz.

A proposta da mesa era discutir Jamil e Karam, isso é ponto pacífico. Bueno e Xavier vieram de carona e, exceto por citações a Cristovão Tezza, hoje mainstream, nenhum outro escritor vivo da cidade foi lembrado. Por isso, depois da hora da feijoada, a pergunta de sobremesa: a homenagem – justa – revela também certa escassez literária?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]