i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cinema

Luc Besson diz que os franceses são seus críticos mais duros

  • PorReuters
  • 27/11/2009 13:07

O cineasta francês Luc Besson, conhecido mundialmente por blockbusters como "O Quinto Elemento" e "Joana D'Arc", disse que seus filmes são mais criticados em seu próprio país porque não são vistos como "franceses o bastante".

O diretor disse à Reuters nesta sexta-feira que diversas vezes lutou contra o ceticismo e a falta de visão quando tentava encontrar apoio para seus projetos na França.

"Toda vez em que tento fazer um filme, a primeira reação que obtenho dos franceses... é sempre a mesma reação que você tem com o povo francês: c'est pas possible", disse durante uma entrevista na capital sueca.

"É verdade - Subway, Imensidão Azul, todos esse filmes não eram bem o que os franceses queriam, não são franceses o bastante. Então, eu tenho que lutar um pouco, e me acostumei a isso".

Besson fez sucesso nas bilheterias com seus filmes espetaculares, mas costuma ser recebido friamente pelos críticos, que o veem como alguém que favorece o estilo sobre a substância.

"No meu caso, por exemplo, na França, eles (os críticos) algumas vezes gastam 3, 4, 5 páginas para dizer como meu filme é ruim, mas na próxima página você tem 10 linhas sobre esse pequeno filme que eles acham ser uma obra-prima", disse.

O parisiense Besson, descrito em um jornal como o mais Hollywoodiano dos cineastas franceses, disse que não se preocupa com o fato de não ser bem recebido pela indústria do cinema da França.

"Não é esse o objetivo, não nos importamos tanto", disse. "Somos talvez a primeira geração de uma grande mistura étnica -- eu vejo filme americano, como sushi, ouço música inglesa. Sou um pouco americano, um pouco chinês, um pouco sueco e um pouco francês", disse, sorvendo chá em seu quarto em um hotel de Estocolmo.

Besson já experimentou uma série de gêneros, da ação ao drama e à ficção-científica. Seu último trabalho, "Arthur e a Vingança de Maltazard", é um filme infantil que usa imagens geradas por computador e será lançado no início de dezembro.

Questionado se havia um filme obrigatório - além dos que ele fez - para recomendar a fãs, Besson deu uma lista de três: a comédia norte-americana "Juno", o vencedor do Oscar "Pequena Miss Sunshine" e o drama alemão "A Vida dos Outros".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.