Ian Anderson, ao centro: escocês vive isolado no sudoeste da Inglaterra e realiza show em Rio Negrinho (SC) durante o Psicodália | Martyn Goddard/Divulgação
Ian Anderson, ao centro: escocês vive isolado no sudoeste da Inglaterra e realiza show em Rio Negrinho (SC) durante o Psicodália| Foto: Martyn Goddard/Divulgação

Programa-se

Psicodália 2015

De 13 a 18 de fevereiro. Fazenda Evaristo (R. Pedro Stoeberl, s/n.º, bairro Rio dos Bugres), Rio Negrinho (SC), a 120 km de Curitiba. Ingressos a R$ 390 (válido para os seis dias de festival). A compra dá direito a camping, acesso às oficinas e passeios e estacionamento. Ingressos à venda pelo diskingressos.com.br/evento/2443, pelo fone (41 3315 0808 ou nos postos de venda (Disk Ingressos Shopping Palladium, Quiosque Shopping Mueller, Quiosque Shopping Estação, Bilheteria Master Hall, Villa Bambu Cantina, Túnel do Rock, Garage Vintage – Pollo Shopping Alto Da Xv). Mais informações: www.psicodalia.mus.br

Eterno líder da lendária banda Jethro Tull, o musico Ian Anderson diz que ainda não está "velho demais para o rock-and-roll", como previra em uma de suas canções. Admite, porém, que a viagem "bate e volta" que fará a Rio Negrinho (SC) no carnaval quase assusta um "sujeito de 67 anos e de temperamento pacato".

Mesmo assim, o flautista mais famoso do rock se diz empolgado em mostrar os maiores sucessos de sua banda para uma plateia de fãs brasileiros que deve incluir "alguns hippies pelados". O astro escocês é a grande atração internacional do Psicodália 2015, festival que terá mais de 40 shows nacionais e internacionais em uma fazenda na cidade catarinense (leia mais ao lado).

O músico falou com a Gazeta do Povo sobre este concerto e sua carreira de sua casa em Wiltshire, no sudoeste inglês, onde vive em um casarão do século 18 muito perto do monumento neolítico Stonehenge. De lá, o compositor administra o legado do Jethro Tull cercado por gatos de diferentes espécies e uma plantação de pimentas exóticas cujo crescimento estimula com lâmpadas de vapor metálico e solfejos de peças de Bach que toca em sua flauta. "Minha música as encoraja a crescer maiores e mais bonitas", disse.

O seu concerto é muito aguardado no Psicodália, o que o senhor sabe sobre o festival?

Sei que vai me tomar um grande tempo para chegar até aí (risos). Será um longo voo até São Paulo, de lá até Curitiba. Depois, na estrada, mais algumas horas até chegar até o local do show. Uma longa viagem para fazer um único concerto e voltar no dia seguinte. Mas, tudo bem. Me conte você, como é o festival?

É bem peculiar. É como uma celebração coletiva de música, em clima de paz, numa bonita fazenda...

Bom, gosto de ver pessoas se divertindo. Aposto que teremos hippies pelados por lá. (risos)

Pode apostar. Depois de 45 anos de carreira, ainda sente prazer de subir ao palco?

Veja bem: sou um cara tranquilo, de 67 anos e temperamento pacato. Moro no campo, em um lugar muito quieto. Confesso que não fico exatamente confortável em lugares onde há muitas pessoas. É por isso que eu tento me manter escondido até o momento exato de entrar no palco. Depois saio correndo para a floresta e me escondo de novo. Sou mais ou menos como um gatinho. Os filhotes gostam de ficar no seu canto até ficarem bem bravos e saírem da toca para atacar o cachorro. Depois voltam a se esconder novamente. Eu sou assim. Quando chega a hora de tocar, fico cheio de energia, e mentalmente esperto para tocar algumas músicas que são muito difíceis, por sinal.

E qual será o repertório ? O que os hippies pelados vão ouvir?

Deixa eu ver aqui no meu caderninho... É um show do melhor do Jethro Tull. Tem algumas das principais faixas do que eu escrevi e suponho que as pessoas gostem e conheçam.

O senhor declarou em uma entrevista que o legado do Jethro Tull já está no lugar em que deveria estar e que a agora quer seguir sua carreira sozinho. A banda acabou na hora certa?

Acho que o Jethro Tull continua vivo pelo seu repertório. Eu tenho usado meu nome nos concertos, pois gostaria que as pessoas o conhecessem antes de eu morrer. As pessoas pensam em mim como o cara do Jethro Tull, o sujeito que toca flauta apoiado em uma perna só. A banda foi um projeto que envolveu 26 músicos ao longo dos anos. O Jethro Tull foi o trabalho conjunto de toda esta gente. Todos os caras que vão tocar comigo [no Psicodália] eram da última formação do Jethro. Mas agora eu quero colocar meu nome à frente do trabalho. As canções em maior parte são minhas e eu sou o cara que as canta.

O Jethro Tull apareceu no rock na "era das guitarras". Porque o senhor escolheu a flauta como instrumento?

Quando eu comecei havia uma porção de guitar heros por aí. Eu aprendi a tocar guitarra na adolescência, mas então ouvi o Eric Clapton aos 18 anos e percebi que ele estava muito além de todos, e especialmente de mim. Havia outros caras bons como Ritchie Blackmore, Jeff Beck, todos radicados em Londres e um pouco mais velhos que eu. Pensei: "preciso achar outra coisa para tocar." Ninguém tocava a flauta e eu resolvi colocá-la como instrumento solo de uma banda de rock. Era algo que Jimmy Page não conseguiria tocar melhor que eu. Olhando para trás, acho que foi provavelmente uma boa jogada.

É verdade que o senhor toca flauta para sua plantação de pimentas?

Sim. Costumo praticar flauta no mesmo lugar onde tenho plantação de pimentas. Acredito que minha música as encoraja a crescer maiores e mais bonitas. Apesar de elas não conseguirem reclamar se eu estiver tocando mal.

Que tipo de música o senhor ouve em casa?

Praticamente não escuto música. Deixo o rádio ligado no noticiário político internacional da BBC. Na tevê, vejo programas de notícias e documentários e eventualmente um filme. Nunca fui um grande fã de música. Quando adolescente, ouvia muita música pois queria aprender a fazê-la e a entender como a coisa funcionava. Escutei muito blues, jazz, folk e música clássica para conhecer as diferentes possibilidades. Mas nunca ouvi música como recreação, sempre preferi ler um livro. Todo dia pratico por horas e mais horas. Quando eu termino de trabalhar, tocando ou escrevendo, tudo o que eu não quero é ouvir música. Não saio do meu estúdio e coloco um disco do Meat Loaf (risos).

O senhor é um roqueiro internacional que se posiciona um pouco mais à direita se é que isso faz sentido...

Não. Você pode me definir de duas maneiras: sou um socialista pragmático ou um capitalista benevolente. Penso que devemos viver no mundo real em que precisamos fazer a economia crescer e dar emprego e qualidade de vida às pessoas. Temos que viver sob algumas regras que não funcionam bem se você for de extrema esquerda ou direita. Usem seus direitos democráticos e votem. Só não vou dizer em quem.

Bicho grilo

Festival traz Arnaldo Baptista, Jards Macalé, O Terno e Metá Metá

Além da apresentação de Ian Anderson, a 18ª edição do Festival Psicodalia traz outras 39 atrações internacionais, nacionais e várias bandas de Curitiba. Até o momento, estão confirmados shows de Arnaldo Baptista, Próspero Albanese, Júpiter Maçã, Jards Macalé, Baby do Brasil, Ave Sangria, Orquestra Contemporânea de Olinda, Confraria da Costa, Cadillac Dinossauros, Quarto Sensorial, Metá Metá, Somba, Gaia Piá, Apicultores Clandestinos, Trombone de Frutas, Bombay Groovy, Klezmorim, O Terno, Tagore, Gabriel Romano Gonzalez e Molungo.

O evento também promove diversas oficinas – como Biodança, Desenho de Nu Artístico, Fotografia Pinhole na Caixa de Fósforo e Como Fazer um Caleidoscópio –, um minifestival de cinema e atividades lúdico-desportivas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]