Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Christiane, aos 18, pouco antes de voltar a usar heroína | Divulgação
Christiane, aos 18, pouco antes de voltar a usar heroína| Foto: Divulgação

Curiosidades

Saiba mais sobre a história de Christiane F. , seu livro e seu filme:

Na América

Durante a turnê de divulgação do filme Christiane F. pelos Estados Unidos, Christiane ficou hospedada no famoso hotel Château Marmont, no Sunset Boulevard, em Los Angeles. Lá, ela conheceu a cantora alemã Nina Hagen, de quem ficou amiga. No mesmo período, foi lá que o ator John Belushi morreu de overdose.

Cantora

No início dos anos 1980, Christiane chegou a tentar uma carreira como cantora. Com o nome artístico de Christiana, ela gravou um disco no estilo nouvelle vague alemã e fundou um grupo chamado Juventude Sentimental.

Melhores amigos

Christiane sempre foi apaixonada por cachorros. Em 1982, transformou um dos três quartos de seu apartamento em Berlim em um canil. "As pessoas piravam quando vinham em casa: tinha quinze cães, coleiras por tudo que é lugar e toneladas de ração." Hoje em dia, Christiane tem um chow-chow chamado Leon, sua companhia inseparável.

Filmagem clandestina

A produção do filme Christiane F. não conseguiu autorização para filmar em muitos dos lugares citados no livro, incluindo a estação do Zoo, em Berlim. As tomadas no local foram feitas com o cameraman em uma cadeira de rodas, com a filmadora escondida numa caixa de papelão.

Lennon e Bowie

As filmagens do longa foram prejudicadas pela morte de John Lennon (1940-1980). A cena em que o músico David Bowie aparece em um show estava marcada para o dia em que Lennon foi assassinado. Bowie temia que se tratasse de um serial killer e só aceitou subir ao palco depois que a equipe contratou diversos guarda-costas para que vigiassem o local.

Blockbuster

No ano de seu lançamento, 1981, o filme Christiane F. foi assistido por 5 milhões de pessoas na Alemanha, além de ter sido sucesso de bilheteria na Holanda, Bélgica, Grécia e Espanha. Na França, tornou-se o filme alemão mais conhecido da década. Na Inglaterra, teve quatro minutos cortados. Em Curitiba, foi exibido alguns anos depois, no extinto Cine Morgenau, na Praça Rui Barbosa, em um sessão especial que tinha início à meia-noite e lotava.

Publicação

Nenhuma grande editora da Alemanha quis publicar o livro sobre Christiane, julgando a prostituição infantil e a dependência de drogas como temas marginais. A publicação foi bancada pela revista Stern, veículo onde trabalhavam os jornalistas Kai Hermann e Horst Rieck, coautores da obra.

Biografia

Eu, Christiane F., a Vida Apesar de Tudo

Christiane V. Felscherinow e Sonja Vukovic. Tradução de Jorge Bastos. Bertrand Brasil, R$ 30. Não ficção.

  • Hoje, aos 52: mal de saúde e à sombra da junkie-star

"Ainda está viva? Continua drogada?" Essas são as primeiras perguntas que vêm à cabeça quando o assunto é Christiane Vera Felscherinow, a famosa junkie alemã eternizada pela chocante biografia Eu, Christiane F., 13 Anos, Drogada, Prostituída.... Publicada em 1978, a obra escrita pelos jornalistas Kai Hermann e Horst Rieck a partir de depoimentos de Christiane vendeu mais de 4 milhões de exemplares pelo mundo, foi traduzida em inúmeras línguas, adaptada para o cinema e é até hoje um dos livros de não ficção mais lidos do mercado alemão.

A biografia, que narra passo a passo o envolvimento de Christiane com as drogas pesadas quando ela tinha entre 12 e 15 anos, transformou a então menina em uma espécie de anti-heroína. Após o lançamento do filme Christiane F., em 1981, sua fama ficou ainda maior. O mesmo aconteceu com a sua conta bancária – no dia em que completou 18 anos de idade, ela teve acesso a cerca de 400 mil euros.

O que aconteceu com ela desde então – sim, ela está viva! – é narrado com a mesma crueza no recém-lançado Eu, Christiane F., a Vida Apesar de Tudo. Escrita em parceria com a jornalista alemã Sonja Vukovic, de 29 anos, a obra segue os percalços vividos por Christiane, que (respondendo à segunda pergunta que abre este texto) nunca conseguiu se livrar definitivamente de seu vício em heroína.

Hoje, Christiane tem 52 anos e vive em um apartamento em Berlim, na companhia de seu cachorro Leon, um chow-chow. Tem o fígado inflamado desde 1989, é portadora de hepatite C, sofre dores terríveis com biópsias constantes e passa dias sem levantar da cama por causa de uma fibrose. Precisa ir sete vezes por semana ao médico para receber sua dose de metadona (narcótico para tratamento de toxicodependentes) e sente-se constantemente perseguida por pessoas que, segundo ela, abrem suas correspondências e revezam-se em turnos para vigiá-la. "Nesses dias, como gostaria de nunca ter experimentado drogas, nunca ter tido a sensação maravilhosa de uma picada – pois é o preço que se paga", diz, resignada.

Ser parada por pessoas nas ruas para dar autógrafos e tirar fotos é algo que nunca deixou de fazer parte de sua vida. "Meu Deus, eu sou e vou continuar sendo uma junkie-star. Um animal de feira. Um bicho raro, da espécie ‘criança da estação do Zoo’", reclama.

Indas e vindas

O primeiro livro de Chris­tiane termina com sua família no auge do desespero diante da dependência da filha mais velha. A garota teve dificuldades em se habituar ao dia a dia interiorano de Kaltenkirchen, onde passou a morar com a avó. Mas se desintoxicou da heroína e terminou a escola com notas boas.

No entanto, antes mesmo do lançamento de seu filme, Christiane já estava novamente viciada. Após receber os lucros referentes ao livro (graças a isso, ela nunca precisou trabalhar), mudou-se para Hamburgo, onde passou a viver com músicos e artistas que também eram usuários de drogas. No ano seguinte, foi para Zurique, na Suíça. Lá, virou frequentadora assídua do assustador Platzspitz, um parque onde quase 2 mil junkies se drogavam a céu aberto.

Em 1985, de volta a Berlim, Christiane foi flagrada com heroína e presa por dez meses. Depois de solta, viveu sete anos na Grécia, perambulando de ilha em ilha, como uma beduína, "livre do consumismo e do dinheiro" (mas não da heroína), ao lado do namorado local Panagiotis. Em 1993, voltou para Berlim e iniciou o tratamento de desintoxicação com metadona. Três anos depois, "limpa", deu à luz Phillip, filho de um namorado ex-viciado. "Ter um filho me fazia bem, fazia de mim uma pessoa melhor. Deu-me vontade de viver durante o dia, respeitar horários, ser confiável", conta.

Ao tentar se mudar com o filho para Amsterdã em 2007, Christiane enfrentou o maior drama de sua vida. Após cancelar a matrícula de Phillip na escola, o serviço de apoio à infância levou-o para um abrigo. Desesperada, Christiane armou um sequestro e fugiu com Phillip para a Holanda. Na época, ela namorava o filho adotivo de um chefão das drogas berlinense, foragido da polícia. O rapto do filho e a relação com um criminoso procurado a fizeram perder a guarda de Phillip, que passou a morar com pais adotivos.

Christiane voltou então a usar heroína. "Ainda hoje não consigo aceitar que tenham tirado meu menino. Sou covarde demais para me suicidar, mas desde então minha vida parou", desabafa. Ela jamais deixou de conviver com o filho, que hoje tem 18 anos e nunca leu a biografia da mãe.

No novo livro, Christiane não revela se ainda usa heroína ou não. O que ela não esconde de ninguém, nem do filho, é o fato de saber que sua morte está cada vez mais próxima. "Quando a hora chegar, terá chegado e nada mais. Um dia, meu fígado vai parar de funcionar, meu sangue não se renovará mais e eu acabarei completamente intoxicada. E morrerei disso."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]