Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Resultado

Prêmio Contigo de Cinema fica dividido entre dois filmes

"O ano em que meus pais saíram de férias" e "Se eu fosse você" dividem os Prêmios Contigo! de Cinema

  • O Globo Online
Detalhe do quadro de Monet, roubado no domingo |
Detalhe do quadro de Monet, roubado no domingo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A festa do 2º Prêmio Contigo! de Cinema Nacional foi dividida entre "O ano em que meus pais saíram de férias" e "Se eu fosse você" . O filme de Cao Hamburguer faturou as principais categorias eleitas pelo júri especializado: melhor filme, diretor e roteiro. E apesar de apenas um prêmio na categoria principal (melhor ator para Tony Ramos), a comédia de Daniel Filho foi a sensação do voto popular, abocanhando mais três troféus (filme, ator e atriz, para Glória Pires). Líder de indicações, "Zuzu Angel" levou apenas dois prêmios, um para o figurino de Kika Lopes e, no voto popular, o melhor ator coadjuvante para Daniel de Oliveira. Na mesma categoria feminina, venceu Mariana Ximenes ("A máquina"). A noite, comandada por Deborah Bloch, movimentou o Museu Histórico Nacional, nesta segunda-feira (6).O restante dos prêmios principais foi bem pulverizado. Hermila Guedes, por "O céu de Suely", foi eleita a melhor atriz. Coube a ela, antes, abrir a premiação, entregando o troféu de melhor ator coadjuvante a Antonio Calloni por seu papel em "Anjos do sol". O ator dedicou o prêmio à mulher:

- Ilse, sempre serei seu eterno coadjuvante - declarou-se Calloni, para suspiros da platéia feminina.

- Segura esse homem. Isso que é declaração de amor - emendou Deborah Bloch.A festa foi marcada por outras declarações amorosas: Glória Pires mandou "Orlando, te amo" no palco, Cao Hamburger dedicou à filha e Renato Ladeira agradeceu a mãe, a atriz Renata Fronzi. Já Zezé Polessa, vencedora na categoria melhor atriz coadjuvante pelo júri especializado por sua atuação em "Achados e perdidos", preferiu um discurso mais engajado.

- Quero continuar a fazer trabalhos que possam ajudar a gente a viver melhor - prometeu Zezé.

Nas categorias de documentário (melhor longa e diretor), só deu "Estamira", de Marcos Prado, que já havia faturado outros 32 prêmios na carreira. A melhor fotografia foi para Murilo Salles por "Árido movie" e Renato Ladeira e Cláudio Araújo ("1972") ficaram com o troféu de trilha sonora, pelo júri especializado.

O momento emoção da noite ficou com a homenagem ao diretor Anselmo Duarte. Há 45 anos, ele ganhava a Palma de Ouro no Festival de Cannes com seu "O pagador de promessas". Segundo Deborah Bloch, "nem pagando promessa levamos outro prêmio na tradicional mostra". A Rosa do filme, Glória Menezes - muito emocionada - chamou ao palco o "mais importante diretor brasileiro".

- Não devemos esperar uma recompensa imediata por tudo o que fazemos pelo cinema. O ideal é que ele sirva de exemplo para os que virão amanhã, fazendo de suas vidas um mundo melhor. É importante pensar que aquilo que vão realizar seja um passo a frente, um motivo de orgulho para o povo brasileiro - agradeceu Anselmo, 87 anos, sob os olhares atentos dos 300 convidados, todos de pé.

Outra que provocou comoção na platéia - desta vez sob a forma de risos - foi Elke Maravilha. A atriz, com tranças rastafári multicoloridas, subiu ao palco para entregar o prêmio de melhor figurino.

- Quando vi o Anselmo Duarte tive orgasmo múltiplos! - não se conteve Elke, que depois ainda falou que sua avó era "mongol, nascida mesmo na Mongólia" e ela, a "mongolóide".

Sobrou também para Jonas Bloch, pai da apresentadora Deborah.

- Seu pai é um tesão - confessou Elke, que anunciou a vencedora com gritos estridentes. - Baixou a cacatua em mim - justificou.

Entre os apresentadores-convidados, a maioria fez questão de destacar o nervosismo por estar no palco. Alguns não convenceram. O que não foi o caso de Germano Haiut, de "O ano em que meus pais saíram de férias".

- Passei a vida inteira vendo vocês na tela e vocês existem! Estou muito feliz hoje - disse Germano, quase chorando.

Outros cometeram gafes, como Murilo Rosa que anunciou "vamos aos finalistas" de melhor atriz e Antônio Pitanga, que revelou um "Cao Hamburgman" como melhor diretor. Laureado, Daniel Filho fez questão de chamar ao palco o elenco do filme "Se eu fosse você" e gritou por Patrycia Travassos, mas na verdade era a Pillar... Com modelito curtíssimo, Fernanda Lima fez "mea-culpa" no palco:

- Acho que vim com uma saia meia curta - disse a apresentadora, afastando-se um pouco para trás no palco já que da primeira fila dava para ver sua calcinha.

- Não! - responderam os marmanjos.

A cerimônia homenageou ainda os filmes brasileiros que tiveram como tema a História do Brasil, como "Carlota Joaquina". Além de imagens dos longas no telão e texto bem amarrado lido por Deborah Bloch, os números musicais pegaram carona no mote brazuca. A banda "Moinho da Bahia", liderada por Emanuelle Araújo, cantou "Olê muié rendeira", do filme "O cangaceiro" (1953), e "Bye bye Brasil", música-tema do filme de Cacá Diegues realizado em 1979.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE