Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O exame de audiometria ajuda a identificar a capacidade de ouvir e interpretar sons.
O exame de audiometria ajuda a identificar a capacidade de ouvir e interpretar sons.| Foto: Shutterstock
  • Por Centro Auditivo Lider
  • 03/05/2022 17:10

Mais de dez milhões de brasileiros têm alguma deficiência auditiva, segundo um estudo realizado pelo Instituto Locomotiva. O problema é que muitas pessoas não sabem ou não associam condições e sintomas à perda de audição. Por isso, fique atento aos indícios de surdez em pessoas da sua família e, em caso de suspeita, agende um exame de audiometria para avaliar a situação.

Este exame é simples, muito eficaz e feito por um médico otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo para diagnosticar problemas de audição. A partir dos resultados, o especialista prescreve o melhor tratamento.

Antes de seguir a leitura, entenda quais são os tipos de perda auditiva.

Este conteúdo vai te ajudar a descobrir quais são os tipos de audiometria e a indicação de cada uma, quando é hora de realizar o exame e outras informações necessárias.

O que é o exame de audiometria e como ele é feito?

Procedimento simples e indolor, a audiometria é essencial para cuidar da saúde dos ouvidos. Isso, porque é através desse procedimento que o especialista consegue identificar a capacidade do paciente de ouvir e interpretar sons.

Para fazer o exame, a pessoa é colocada em uma cabine acústica ou em uma sala silenciosa (tratada acusticamente), que impede a entrada de qualquer som. O ambiente possui uma placa de vidro para que o médico mantenha o contato visual.

Através de um fone de alta precisão, o otorrino ou fonoaudiólogo projeta sons em diferentes decibéis nos ouvidos do paciente. Pelo vidro, a pessoa precisa sinalizar ao médico sempre que ouvir algo.

Quais são os tipos de audiometria?

Existem dois tipos de exame de audiometria, a tonal e a vocal, cada um com uma finalidade diferente, embora o segundo complemente a análise feita pelo primeiro.

Audiometria tonal

Com a função de avaliar a capacidade auditiva do paciente, esse exame analisa o limite da audição em variadas frequências (geralmente variam entre 125 Hz e 8000 Hz). Ou seja, mede o som mais baixo que a pessoa consegue ouvir em diferentes tons.

Por exemplo, se a sua mãe está com aquele desagradável zumbido no ouvido, a audiometria tonal é o exame que ela deve fazer. Além disso, ele também é indicado para quem está com dificuldade de ouvir em um dos ouvidos.

Audiometria vocal

Como já mencionamos, esse exame complementa o anterior. Isso, porque ele analisa nossa capacidade de perceber e diferenciar os sons da fala. Por isso mesmo, ele é indicado para quem ouve, mas não entende.

Os pacientes que têm essa condição até recebem os estímulos sonoros, mas acontece uma falha nos neurônios responsáveis por ajudar na compreensão daquilo que é falado.

Alguém da família está com dificuldade de escutar? Clique aqui e agende um exame de audiometria.

Quais problemas de saúde a audiometria identifica?

  • Tímpano rompido ou perfurado;
  • Tinnitus (zumbido);
  • Otosclerose;
  • Labirintite;
  • Doença de Menière;
  • Perda auditiva;
  • Otalgia;
  • Hiperacusia.

Quando é hora de fazer o exame de audiometria?

Qualquer pessoa pode sofrer com distúrbios auditivos, independente da idade. Por isso, é fundamental procurar ajuda especializada quando sentir qualquer desconforto, problema de audição ou dificuldade para captar sons.

Claro que, para quem tem a idade mais avançada, a probabilidade de desenvolver alguma deficiência na audição é ainda maior. Com isso, a audiometria deve ser encarada como um teste de rotina.

Outras situações em que a audiometria é indicada:

  • Quando a pessoa é frequentemente exposta a sons altos (acima de 85 decibéis, por exemplo);
  • Casos de suspeita de perda auditiva neurossensorial;
  • Quem sofreu algum tipo de trauma craniano ou acústico;
  • Casos de perda auditiva na família;
  • Infecção crônica;
  • Zumbido;
  • Tímpano rompido;
  • Dores de ouvido;
  • Uso de medicamentos ototóxicos (eles possuem substâncias consideradas tóxicas, que geralmente afetam a orelha interna).

Em alguns casos, após o médico especialista chegar a um diagnóstico com a avaliação realizada, o uso de aparelhos auditivos pode ser indicado como parte do tratamento, para ajudar a diminuir ou até mesmo eliminar o problema.

O Centro Auditivo Lider é referência em ajudar as pessoas a ouvirem melhor.

Clique aqui e conheça todas as soluções tecnológicas.