Atriz Beatriz Segall, em foto de 2011. A atriz faleceu aos 92 anos, no dia 5 de setembro, em São Paulo | FABIO ROSSI/ Agência O Globo
Atriz Beatriz Segall, em foto de 2011. A atriz faleceu aos 92 anos, no dia 5 de setembro, em São Paulo| Foto: FABIO ROSSI/ Agência O Globo

A atriz Beatriz Segall morreu nesta quarta-feira (5), aos 92 anos, em São Paulo, informou a assessoria de imprensa do Hospital Albert Einstein, segundo o site de notícias G1. A causa da morte não foi divulgada.

Em 70 anos de carreira, Beatriz Segall deu vida a personagens inesquecíveis que entraram para a história da televisão e do teatro no Brasil. Em 1988, interpretou a vilã Odete Roitman, na novela  “Vale Tudo”, que a eternizou na teledramaturgia brasileira.

Beatriz estava internada já havia algumas semanas no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, com problemas respiratórios. O velório será realizado na própria instituição a partir das 19 horas, até por volta do meio-dia de quinta-feira (6). Em seguida, no mesmo dia, o corpo da atriz deve ser cremado em Cotia, na Grande São Paulo. 

Nem que quisesse Beatriz Toledo Segall poderia interpretar personagens sem classes. Nascida, em 1926, numa família de classe média, o pai dirigia uma prestigiada escola no Rio e ela teve educação esmerada, segundo os padrões dos anos 1940 - piano, francês e bordado. Amava o teatro, mas quando anunciou à família que queria ser atriz, o pai quase teve uma síncope. Meninas de boa família não subiam ao palco, naquele tempo em que atrizes tiravam carteirinhas de prostitutas para exercer a profissão. Mas, nos 50, quando recebeu uma bolsa para estudar francês e literatura em Paris, não renunciou a nada. 

No Brasil mesmo, já havia iniciado um curso de teatro com a grande Henriette Morineau. A temporada na França foi gloriosa - prosseguiu esses estudos, enamorou-se do filho - Maurício - do pintor Lasar Segall. Casaram-se em 1954 e tiveram três filhos - Sérgio, Mário e Paulo. O primeiro tornou-se um importante cineasta, assinando como Sérgio Toledo. Foi premiado em Berlim, em 1987, com Vera. Durante dez anos Beatriz permaneceu devotada à família, aos filhos. Em 1964, o ano do golpe militar, retomou a carreira, substituindo Madame Morineau na montagem de Andorra no Oficina, de José Celso Martinez Correia. Não parou mais. O marido pertencia à ALN, tendo sido preso e torturado. Beatriz teve de ser o arrimo da família nesse período difícil. 

Brilhou em todas as mídias - no cinema estreou em 1950, com A Beleza do Diabo, de Romain Lesage. Não filmou muito, mas participou de filmes importantes - Cléo e Daniel, À Flor da Pele, Pixote, a Lei do Mais Fraco, Romance, Desmundo. Na TV, embora tenha participado de novelas de grande sucesso - Dancin’ Days, Água Viva, Pai Herói, Sol de Verão, Barriga de Aluguel, etc. - o grande papel foi como Odete Roitman, que virou emblema de autoritarismo e corrupção em Vale Tudo, novela de Gilberto Braga (com Aguinaldo Silva e Leonor Bassères) na Globo, em 1988, há 30 anos. Consagrada como vilã, sua personagem inspirou o mistério que, nem depois de solucionado - Quem matou Odete Roitman? -, deixou de inspirar humoristas e autores. 

No teatro, entre muitíssimas personagens, em montagens que fizeram história - Os Inimigos, Marta Saré, O Inimigo do Povo, A Longa Noite de Cristal, O Interrogatório etc -, foi uma extraordinária intérprete de Edward Albee em Três Mulheres Altas, contracenando com Natália Thimberg e Marisa Orth na versão de 1995. Em 2009. recebeu do então governador José Serra a comenda da Ordem do Ipiranga.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]