140737

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Cultura
  3. Incêndio de grandes proporções destrói Museu Nacional, um dos mais antigos do Brasil

Rio de janeiro

Incêndio de grandes proporções destrói Museu Nacional, um dos mais antigos do Brasil

Instituição completou 200 anos em junho e tinha 20 milhões de itens. Destruição é uma tragédia para a história do Brasil

  • Gazeta do Povo, com informação de agências
 | Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

*atualizada às 08h32 desta segunda-feira 03/09


Um dos maiores e mais importantes museus de todo o país, o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio de Janeiro, foi destruído por um incêndio de grandes proporções. Fundado por D. João VI, ainda durante o Brasil Colônia, a instituição completou 200 anos no último mês de junho. Seu acervo tem mais de 20 milhões de itens.

As chamas começaram por volta das 19h30, quando o museu já não tinha mais visitantes. Havia quatro seguranças no local, que conseguiram sair a tempo, sem ferimentos. Por volta das 21h, a informação de funcionários do museu e das equipes que trabalham na contenção das chamas já era de que não havia mais expectativa de salvar os milhões de peças do acervo. O esforço era para evitar a destruição também da estrutura do prédio de três andares.

Por volta das 2h desta segunda (3), a situação já havia sido controlada, mas os bombeiros trabalhavam para debelar pequenos focos de incêndio. 

Ao todo, 80 homens e 21 caminhões dos bombeiros foram usados na operação. Veículos da Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgoto) e da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) ajudaram no transporte de água para o local.

O ministro da Cultura,  Sérgio Sá Leitão, afirmou neste domingo (2) que o governo começará nesta segunda-feira (3) a fazer o projeto de reconstrução do Museu Nacional.

Dificuldades de orçamento

Subordinado à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o museu vinha  passando por dificuldades geradas pelo corte no orçamento para a sua manutenção. Com seguidos cortes no orçamento, desde 2014 não vem recebendo a verba de R$ 520 mil anuais e apresenta sinais visíveis de má conservação, como paredes descascadas e fios elétricos expostos.

Em coluna publicada em maio de 2010, o jornalista Fernando Martins alertava para o risco de destruição no local: "Um incêndio ali talvez fosse ainda mais arrasador para nossa memória"

Há três meses, por ocasião da celebração de seus 200 anos, o Museu Nacional assinou com o BNDES um contrato de patrocínio no valor de R$ 21,7 milhões. Os recursos serviriam à restauração do prédio histórico e fizeram parte da terceira fase do Plano de Investimento para a revitalização do Museu Nacional, e somaram-se a R$ 24 milhões destinados nas duas fases anteriores pelo BNDES. 

O valor teria as seguintes finalidades: "A recuperação física do prédio histórico; a recuperação de acervos - de modo a garantir mais segurança às coleções e otimizar o trabalho dos pesquisadores -; a recuperação de espaços expositivos - estimulando maior atração de público e promoção de políticas educacionais vinculadas a seus acervos -; a revitalização do entorno do museu; e o fortalecimento da instituição gestora", conforme divulgado à época pelo BNDES. 

Destaques do acervo

O museu abrigava “Luzia”, o mais antigo fóssil humano já encontrado no Brasil. Outros destaques do acervo que estavam em exposição, segundo o site da instituição, eram a coleção egípcia, que começou a ser adquirida pelo imperador Dom Pedro I; a coleção de arte e artefatos greco-romanos da Imperatriz Teresa Cristina; as coleções de Paleontologia que incluem o Maxakalisaurus topai, dinossauro proveniente de Minas Gerais.

Nas redes sociais, moradores do Rio de Janeiro divulgaram fotos e vídeos que expõem as proporções do incêndio, mostrando que as chamas podiam ser vistas a quadras de distância. 

Repercussão

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, disse que o dano do fogo ao acervo é "irreparável", e afirmou que o acidente poderia ter sido evitado. Ao tomar ciência do incêndio, ele divulgou a seguinte nota: "Um incêndio está destruindo o Museu Nacional, que pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro. É uma imensa tragédia. Trata-se do museu mais antigo do país. Completou 200 anos em junho. Tem um acervo fabuloso em diversas áreas. Aparentemente vai restar pouco ou nada do prédio e do acervo exposto. A reserva técnica não foi atingida. É preciso descobrir a causa e apurar a responsabilidade. O BNDES assinou em junho um contrato de patrocínio no valor de R$ 21,7 milhões. Tenho procurado ajudar a instituição desde que entrei no MinC. O Instituto Brasileiro de Museus realizou diversas ações. Infelizmente não foi o suficiente. Temos que cuidar muito melhor do nosso patrimônio e dos acervos dos museus. A perda é irreparável. Certamente a tragédia poderia ter sido evitada. O MinC está de luto. A cultura está de luto. O Brasil está de luto. É vital refazer o Museu Nacional, revendo também seu modelo de gestão. E investir agora para que isso não aconteça nos demais museus públicos e privados".

O presidente Michel Temer (MDB) divulgou uma nota à imprensa lamentando a tragédia: 

Incalculável para o Brasil a perda do acervo do Museu Nacional. Hoje é um dia trágico para a museologia de nosso país. Foram perdidos duzentos anos de trabalho, pesquisa e conhecimento. O valor para nossa história não se pode mensurar, pelos danos ao prédio que abrigou a família real durante o Império. É um dia triste para todos brasileiros.

Presidente Michel Temer

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE