Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Átila Alberti/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Átila Alberti/Gazeta do Povo/Arquivo

Pouco mais de um ano depois do acidente que causou seis mortes na BR-277, em Balsa Nova, o motorista do caminhão que causou a colisão foi indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe, que não permite a defesa das vítimas. A decisão foi proferida pelo juiz Marco Antonio Araújo, que acolheu uma denúncia feita pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). A informação é do Paraná TV 2.ª edição, da RPC.

De acordo com o documento do MP, a denúncia foi feita com base em uma perícia que mostra negligência na manutenção do caminhão. Os freios do caminhão tinham peças velhas, desgastadas e não recomendadas pelos fabricantes. Um dos cilindros do veículo, inclusive, estava amarrado por cordas, segundo foto que consta no inquérito policial.

“A frenagem do segundo eixo era completamente inoperante, promovida voluntariamente como forma de atenuar o desgaste do sistema de freios e diminuir os custos da manutenção do veículo”, explica parte do documento. Em outro trecho, a promotoria considera que, “ao agir de tal forma - ignorando sinalização e conduzindo veículo com manutenção conhecidamente precária e desejadamente barateada -, o denunciado visualizou e pôde prever o óbito das vítimas como resultado plausível da sua conduta”.

Na ocasião do acidente, o motorista Jeferson Borsato estava com um carregamento de 40 toneladas de milho e não conseguiu frear, batendo em três caminhões e cinco carros, que ficaram prensados. Entre os mortos, estavam uma criança de 6 anos e uma adolescente de 13 anos.

De acordo com o advogado da família das vítimas, Claudio Dalledone, uma audiência já tem data marcada para acontecer. “Serão ouvidas as testemunhas de acusação e defesa, e a nossa luta é para que ele seja submetido ao julgamento pelo tribunal do júri”, afirma.

A reportagem da RPC tentou o contato com a defesa do caminhoneiro, mas não obteve retorno.

Relembre o caso

O acidente aconteceu no dia 25 de maio de 2017, por volta das 14h, no sentido da BR-277 que sai do interior e leva a Curitiba. Foram três caminhões e quatro carros envolvidos no engavetamento, na altura do quilômetro 124. Dos óbitos registrados, dois ocorreram com passageiros de um veículo Gol, dois num Escort SW e outros dois em uma Land Rover. Quatro feridos foram encaminhados para os hospitais do Rocio, em Campo Largo, e Cajuru.

O fluxo de veículos chegou a ficar bloqueado por quase cinco horas no sentido interior-Curitiba, o que gerou um congestionamento de 16 quilômetros a partir da Serra de São Luiz do Purunã. A demora na remoção dos veículos se deu porque uma das carretas envolvidas no acidente era um caminhão-tanque que, embora não estivesse transportando combustível no momento da colisão, exigia um processo de descontaminação para que pudesse ser retirado. Uma equipe especializada veio de Santa Catarina para fazer esse serviço.

O motorista do caminhão responsável pelo acidente chegou a ser preso na hora e encaminhado pela PRF à Delegacia de Campo Largo. No dia seguinte, porém, foi solto em liberdade provisória. A Justiça arbitrou pagamento de fiança no valor de 20 salários mínimos para que ele pudesse sair da prisão. O valor foi pago pouco tempo depois de audiência no Fórum da Comarca de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), naquele mesmo dia. Além disso, o acusado teve a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa, não pode mudar de endereço e deve comparecer a todas as audiências a que for intimado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]