i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Car sharing

Prefeitura estuda vagas de estacionamento exclusivas para carros compartilhados

  • PorAngieli Maros
  • 07/08/2019 21:06
Modelo Zoe, da Renault
Modelo da Renault que fará parte da frota de carros elétricos compartilhados de Curitiba| Foto: Alexandre Marchetti/ Renault/Divulgação

Um projeto em discussão na prefeitura de Curitiba pretende viabilizar o compartilhamento de carros elétricos na cidade em um serviço semelhante ao das bicicletas e patinetes que chegaram à capital no início do ano. A intenção é de que o sistema - pensado para diminuir a frota de veículos particulares rodando nas vias - seja disponibilizado ainda no começo de 2020 na região central, depois de uma série de ajustes que incluem a possibilidade de vagas de estacionamento exclusivas e a ampliação dos pontos de recarga dos automóveis. A meta é ter 550 carros rodando nas ruas da capital até 2025.

NOTÍCIAS SOBRE CURITIBA: faça parte do nosso novo canal para receber mais matérias

Ao contrário das plataformas de aluguel de veículos entre pessoas físicas, que funcionam como uma espécie de "Airbnb dos automóveis", a proposta em estudo debate a oferta de frotas próprias para aluguéis gerenciadas pela iniciativa privada, como já ocorre em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza. Até o momento não foram definidos quantos automóveis serão colocados nas ruas de início, mas, na semana passada, o prefeito Rafael Greca (DEM) adiantou uma parceria com a montadora Renault, cuja sede brasileira fica em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e que atua no mercado dos elétricos desde 2018 com o hatch Zoe.

O contrato será fechado até o fim do ano. Até lá, a prefeitura entrará numa fase de testes com duas unidades doadas pela montadora. O propósito da etapa é identificar e corrigir possíveis gargalos, entre eles a questão de estacionamento - uma vez que o ponto de partida do projeto será a região central da cidade. "Um ponto crítico de sucesso para o carro compartilhado é ele ter fácil estacionamento na zona central", ressalta a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação Ana Cristina Alessi. "Temos que passar por este período de estudo para saber se vamos abrir algumas vagas exclusivas para carros elétricos compartilhados ou se eu vamos conseguir, de repente, mobilizar a iniciativa privada para que ela também abra alguns espaços para valorizar esse tipo de modal", completa.

A Agência Curitiba é uma das que está com um dos modelos de testes em mão. O outro carro irá para uma equipe da Urbs, gestora do transporte público na capital. Além de ajudar a definir os pontos de paradas, as equipes também deverão refinar o planejamento dos pontos de recarga dos carros elétricos, que rodarão com baterias com autonomia de até 300 quilômetros. Para isso, a prefeitura não descarta fazer parceria com a Companhia Paranaense de Energia (Copel) e aumentar a disponibilidade de eletropostos na capital. Hoje, a estatal tem uma unidade na capital, no bairro Mossunguê.

A prefeitura também ainda não colocou em discussão os valores que seriam cobrados pelo serviço - parte que caberá à empresa que for operar o sistema em Curitiba, mas afirmou que, até o fim do ano, além dos testes pela prefeitura, alguns modelos poderão ir para as ruas em um sistema próprio entre hotéis e restaurantes.

Mais mobilidade

A discussão inicial estabelece etapas de avanço do projeto até chegar a 2025 com 550 veículos elétricos compartilhados em uma área de 95 quilômetros quadrados de Curitiba - que extrapola a área central. "Em 2025 [será possível] chegar ao que hoje está sendo apresentado como ponto ótimo para esses 550 carros. A gente tem a ideia de fazer ilhas na cidade para atingir toda a região de Curitiba, inclusive até algum tipo de acesso para a Região Metropolitana", adianta Ana Cristina.

Segundo a presidente da Agência Curitiba, na expansão do serviço devem ser contempladas áreas adensadas da cidade, como os bairros Boqueirão, Pinheirinho e CIC. "São regiões que têm muito fluxo de carros e que não estão diretamente ligadas ao Centro. Então a gente terá esses bolsões espalhados pela cidade", explica.

Dados da Renault indicam que cada carro elétrico do modelo Zoe evita o lançamento de 15 toneladas de gás carbônico (CO2) por ano, o que equivale à poluição gerada por nove carros a combustão no mesmo período. Mas para além da redução do trânsito de carros particulares comuns - e, consequentemente, do congestionamento em pontos específicos da cidade -, a expectativa é de que o modelo de carros compartilhados atue como suporte ao transporte público de Curitiba.

Segundo a prefeitura, haverá estímulos para que a frota circule entre terminais urbanos e, dessa forma, complemente trechos, em parte, desassistidos pelos ônibus. "Isso faz parte do plano de mobilidade. Tanto o transporte compartilhado dos novos modais, como os patinetes e as bicicletas, como os carros compartilhados têm como ponto de partida a integração do transporte público", afirma Ana Cristina.

Para a concretização do projeto, prefeitura e a Renault farão reuniões semanais de trabalho até o fim de 2019.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Rodrigo

    ± 3 dias

    Se preço dos patinetes elétricos já é alto, imagine dos carros...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • C

      Célia Regina Barbosa Gomes

      ± 3 dias

      A idéia é ótima! Porém tem varias coisas em questão que me preocupa. Como e se o aplicativo no qual solicitaremos o automovel compartilhado fiscalizará quem esta ápito ou não pra dirigir tal automóvel (cnh). Não acredito q colocando mais automóveis na rua de início diminuiria a circulação de automoveis particulares.Talvez o centro não seria a melhor escolha pra se fazer um teste,penso no transtorno q ja é e como sera com mais esses automóveis em circulação. O automóvel compartilhado vai dar autonomia pra muita gente,e trazendo muitos benefícios tbm.Mas acredito q taxistas e motoristas de app serão prejudicados.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.