i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Luto

Marcelo Motta Vieira: um intelectual que empreendia e inovava no jornalismo

  • 20/09/2020 14:00
Marcelo Motta Vieira fez do jornalismo sua grande paixão.
Marcelo Motta Vieira fez do jornalismo sua grande paixão.| Foto: Arquivo pessoal

Marcelo Motta Vieira se descrevia como jornalista, blogueiro, colunista político e, nas horas vagas, campeão brasileiro de futebol de botão. Apesar da paixão pelo jogo, o amor pela notícia e pela palavra escrita sempre estiveram em primeiro lugar. Nascido em 31 de janeiro de 1964, filho de Paulino Vieira e Odette Motta Vieira, Marcelo tinha veia empreendedora e sabia tornar suas ideias realidade. Faleceu no dia 6 de setembro, vítima da Covid-19.

As informações do Paraná no seu WhatsApp

No meio de seus três irmãos – Paulo, Lucianita e Maurício -, desde cedo se interessou pelos clássicos da Literatura, uma bagagem cultural que o formou como empresário e carregou por toda a vida. Não se importou com títulos, diplomas, cursos formais. Fez da sua boa formação escolar o trampolim para aspirar mais do que a formalidade.

Muito jovem começou a tarefa de criar conceitos. Criou e administrou a redação de um fanzine, o Aerotantã. Antes dos 30 anos já havia acumulado experiência para desenvolver projetos ambiciosos e conseguia tornar cada um deles um fato novo no jornalismo curitibano. Depois do Aerotantã, vieram o jornal Primeira Edição e o primeiro Guia de Restaurantes de Curitiba.

No currículo constava uma matéria investigativa sobre as irregularidades no sistema de transportes de Curitiba para a Vejinha. A publicação mostrava as perigosas relações entre empresários, vereadores e poder público. Logo depois foi convidado para coordenar a reforma gráfica do Jornal do Estado, atual Bem Paraná, e tornou-se editor-executivo do veículo.

Fundou e coordenou a revista Capital e foi um dos pioneiros na nova "blogsfera". Conquistou o respeito de empresários, políticos, da sociedade formadora de opinião com seu blog de Economia e Política. Entre seus empreendimentos esteve a empresa Tempo, uma precursora das assessorias de comunicação, e a revista Carga e Cia, onde se especializou em logística. Com a grande repercussão da publicação, Marcelo foi convidado por empresas multinacionais a conhecer sedes de montadoras na Europa.

Mamotta, como era chamado por pessoas próximas, acreditava no amor e cultivou inúmeras amizades. “Marcelo nunca foi comedido em nada. Quando comia, comia muito. Quando bebia, nunca era pouco. Era um inconformista. Não se ajustava nem às exigências legais… um jornalista talentoso, perfeccionista, brilhante mesmo”, diz Franco Iacomini, parceiro de trabalho.

Nos anos 2000, foi convidado a fazer parte da equipe de Comunicação da Sanepar, prestou assessoria para entidades públicas e foi guru de campanhas eleitorais. Divertia-se com os meandros da política. Foi mentor de muitos jovens jornalistas, alguns que se tornaram grandes nomes da imprensa paranaense.

Mais recentemente, fazia parte de uma equipe de Marketing Político, a Menuci e Motta. Até os últimos dias trabalhou para lapidar conceitos de campanha política com seu grande conhecimento enciclopédico.

“Marmotta deixou as pegadas de sua trajetória, como só os queridos dinossauros souberam fazer: as marcas ficarão para sempre. Símbolo de amor à profissão e talento inconformado com a mediocridade. Um gênio que nos deixou cedo demais! Muitos choram sua perda!”, homenageia Ewaldo Arruda Oliveira, jornalista radicado em São Paulo, parceiro de trabalho de Marcelo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.