Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Arquivo da família
| Foto: Arquivo da família

Duas atividades marcaram muita a vida do curitibano Thadeu Brenny: a medicina e a religião. Apesar de diferentes, as duas ocupações estiveram intimamente ligadas. A igreja veio primeiro. Desde seu nascimento foi levado para participar de missas e atividades ligadas à religião. Dos pais, José Brenny e Maria Rosa, recebeu uma educação muito firme e sempre ditada pelos princípios cristãos. Por essa formação, nunca abandonou as funções que foi recebendo dentro das paróquias.

Na medicina também seguiu esses princípios. Seus pais sempre se dedicaram às causas sociais e ajudavam como podiam as comunidades carentes de Curitiba. Por ser o filho homem mais velho, Thadeu acompanhou inúmeras vezes seus pais nessas atividades. A profissão foi escolhida pelo desejo de continuar ajudando.

Formou-se em 1956 pela Universidade Federal do Paraná. Gostava de contar que nunca desistiu dos estudos, apesar de todas as dificuldades da época. Por vezes tinha de caminhar por um longo trecho entre sua casa, no Abranches, e a UFPR, no Centro da cidade, para não perder as aulas.

Serviço

As publicações neste espaço são gratuitas. Faça contato com a Central de Redação, pelo fone (041) 3321-5832, ou por e-mail obituario@gazetadopovo.com.br . As informações constantes na relação de falecimentos são fornecidas pelo Serviço Funerário Municipal. Fone: 3324-9313.

A carreira de médico sempre esteve ligada ao Exército. Começou a atuar como doutor e militar já no ano seguinte à formatura. No primeiro ano de quartel foi encaminhado para Guaíra, no Oeste do Paraná. Thadeu era o responsável pela saúde dos que atuavam na proteção da fronteira. Trabalhou lá até 1960 e nesse tempo ficou conhecido por seus cuidados também com a população. Nas horas vagas, prestava socorro aos brasileiros e também aos argentinos e paraguaios que precisassem.

Depois da fronteira, foi transferido para Santa Catarina, onde ampliou ainda mais seu contato com a população carente. Em Joinville, passou a dividir o tempo entre os militares e o consultório particular. Pela manhã atendia os funcionários do Exército e no resto do dia dedicava-se aos moradores da cidade. Não negava atendimento a ninguém, mesmo se a pessoa não tivesse como pagar.

Seu sucesso como médico era tanto que a rua de sua casa, onde também ficava o consultório, transformou-se em um endereço comercial. Vendedores ambulantes foram para lá e aproveitavam o movimento da região. Viveu em Santa Catarina por 12 anos, nos quais se dedicou quase integralmente ao trabalho. Antes de voltar a Curitiba, passou também pelo Rio Grande do Sul.

Voltou ao Paraná para ser o médico do Colégio Militar, em 1976. Thadeu sempre teve a esposa Noely ao seu lado. Ela fazia papel de enfermeira. Os dois se conheceram quando estavam na universidade e casaram-se já no ano de 1957. Da união nasceram os quatro filhos: Thadeu Filho, Nilza, Marcos e Átila.

A chegada dos netos e das bisnetas fez a sua “linha dura” amolecer. Sempre muito sério, gostava de passar os valores aprendidos com os pais para seus quatro filhos. “Ele não falava o que era certo ou errado, ele agia. Era como se a gente soubesse o que tinha de fazer só ao observá-lo”, conta o filho Marcos. Mas com os sete netos o tratamento era um pouco diferente, menos “durão”. Gostava de estar junto das crianças. Levava os netos ao Estádio Couto Pereira para assistir aos jogos do Coritiba. O time era uma das suas grandes paixões, o que contagiou a família. Uma das tradições da casa do médico era o coral. Alinhava as crianças na sala e regia a canção “Noite feliz” todos os anos.

Thadeu nunca deixou de lado a participação na igreja, mas aumentou a dedicação quando se aposentou. Em 1987, quando passou para a reserva no Exército, começou a trabalhar pelo crescimento da Paróquia Santo Agostinho, no Ahú. Foi nomeado ministro da Eucaristia junto com a esposa. Participou também da administração e organização de eventos na Cúria Metropolitana de Curitiba com dom Pedro Fedalto, arcebispo emérito da cidade e grande amigo de Thadeu.

No começo dos anos 2000, descobriu que sofria de Parkinson. Por sete anos a doença não se manifestou, mas em 2007 passou a sofrer com os primeiros sintomas. Os avanços da doença fizeram com que Thadeu ficasse com os movimentos cada vez mais debilitados, até não conseguir mais se mover. Teve falência múltipla dos órgãos. Deixa a esposa, os filhos Thadeu, Nilza, Marcos e Átila, noras, genro, sete netos e duas bisnetas.

Dia 2 de junho, aos 84 anos, de falência múltipla dos órgãos, em Curitiba.
Colaborou: Getulio Xavier.

Lista de falecimentos - 18/06/2015

Ana Alice Alves da Silva, 40 anos. Profissão: do lar. Filiação: Sebastião Alves da Silva e Adelaide da Silva. Sepultamento hoje, em local a definir, saindo da Capela Mortuária Uberaba.

Ana Sielski, 83 anos. Profissão: do lar. Filiação: José Smolinski e Clotilde Smolinski. Sepultamento ontem.

Anna Thiessen, 84 anos. Profissão: enfermeira. Filiação: Jacob Thiessen e Tina Thiessen. Sepultamento ontem.

Aprigio Paulo de Andrade Cardoso, 69 anos. Filiação: Juvenal Loureiro Cardoso e Noêmia de Andrade Loureiro. Sepultamento ontem.

Ari Bizineli, 79 anos. Profissão: funcionário público federal. Filiação: Lourenço Bizineli e Thereza Bizineli. Sepultamento hoje, no Cemitério Paroquial Campo Comprido.

Bernardete Wantuch Muraro, 69 anos. Profissão: gerente. Filiação: Ignácio Wantuch e Clara Krzizanowski. Sepultamento hoje, no Cemitério Paroquial Santa Felicidade.

Carmina Gonçalves Gomes Nogueira, 72 anos. Profissão: do lar. Filiação: Júlio Gonçalves Gomes e Idalina Gonçalves Gomes. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal Santa Cândida.

Conceição Aparecida Martins, 65 anos. Profissão: do lar. Filiação: Herculano Diogo de Melo e Maria Eulália. Sepultamento hoje, em local a definir, saindo da Capela do Cemitério Municipal de Salto do Itararé.

Decio Biancardi, 72 anos. Profissão: gerente de vendas. Filiação: Guido Biancardi e Pascuina Simoni Biancardi. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal da Cidade de Origem, saindo da Capela Municipal de Cambará.

Doraci Gonçalves dos Santos, 71 anos. Profissão: motorista. Filiação: Eduardo dos Santos e Arcelina Gonçalves. Sepultamento hoje, no Cemitério Colônia Faria, em Colombo.

Efraim Jufo de Oliveira Filho, 33 anos. Profissão: barman. Filiação: Efraim Jufo de Oliveira e Maria Izabel de Oliveira. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal de Almirante Tamandaré.

Erminia Silveira Pinto, 91 anos. Profissão: servente. Filiação: Pedro Silveira e Sebastianna Vieira da Silva. Sepultamento ontem.

Fábio Ribeiro, 36 anos. Filiação: Vanda Ribeiro. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal Boqueirão, saindo de residência.

Filomena Maria Soares Aguiar, 88 anos. Profissão: do lar. Filiação: Francisco José Soares e Maria Joaquina Mendes. Sepultamento ontem.

Geovana Victória Oliveira de Lima, 17 horas. Filiação: Maykon Rodrigo Medeiros de Lima e Daiane Aparecida Oliveira Pereira. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal Boqueirão.

Gertrudes Emília Monster, 93 anos. Profissão: religiosa. Filiação: Bernardo Monster e Anna Merten. Sepultamento ontem.

Hilda Bertoli Dalri, 84 anos. Profissão: empresário. Filiação: Leandro Bertoli e Filomena Depine Bertoli. Sepultamento ontem.

Ilda Graciano da Silva, 57 anos. Profissão: do lar. Filiação: Sebastião Graciano da Silva e Maria Ramos da Silva. Sepultamento ontem.

Iolanda Machado Prudencio, 52 anos. Profissão: zeladora. Filiação: Mariano Prudencio e Laurinda Camargo. Sepultamento hoje, em local a definir, saindo da Capela Cemitério Municipal de Itaperuçu.

Ivone Terezinha Kotelak, 64 anos. Profissão: do lar. Filiação: José Kotelak e Ana Jakubiak Kotelak. Sepultamento hoje, no Cemitério Paroquial de Umbará.

João Carlos Bandeira, 62 anos. Profissão: motorista. Filiação: Antônio dos Santos Bandeira e Zizi Melo Bandeira. Sepultamento ontem.

João Martins de Souza, 75 anos. Profissão: tintureiro. Filiação: José Bendito de Souza e Ana Maria da Conceição. Sepultamento ontem.

João Paulo Souza de Oliveira, 18 anos. Profissão: vendedor. Filiação: João Alves de Oliveira e Sandramra Pires de Souza. Sepultamento hoje, em local a definir, saindo de residência.

Josefa Alves Pinto, 90 anos. Filiação: Luiz Alves da Costa e Maria Pereira da Cunha. Sepultamento hoje, em local a definir, saindo da 1 ª Igreja Quadrangular de Curitiba.

Júlio de Barros Tavares, 82 anos. Profissão: funcionário público estadual. Filiação: Annibal Seguiz Tavares e Maria Barros Tavares. Sepultamento ontem.

Laurindo Piekarski, 69 anos. Profissão: pedreiro. Filiação: Miguel Piekarski e Maria Piekarski. Sepultamento hoje, no Cemitério Paroquial Abranches, saindo da Capela Vaticano - Jade.

Lea Eunice Carli Gritlet, 84 anos. Profissão: do lar. Filiação: João Raymundo Carli e Magdalena Carli. Cerimônia hoje, Crematório Vaticano, saindo da Capela Vaticano - Turquesa.

Lirio Massamitsu Hokai, 49 anos. Profissão: gerente produção. Filiação: Massataka Hokai e Mitsuka Ichii Hokai. Sepultamento hoje, no Cemitério Parque Senhor do Bonfim, em São José dos Pinhais.

Lúcia Cândida Bini, 70 anos. Profissão: tabelião. Filiação: Cláudio Francisco Bini e Maria do Rosário Johnson. Sepultamento ontem.

Marcos da Costa Alexandre, 42 anos. Filiação: Marcos Antônio Alexandre e Salete da Costa Alexandre. Sepultamento ontem.

Maria Aparecida dos Santos Carvalho, 57 anos. Profissão: do lar. Filiação: Antônio dos Santos e Anita dos Santos. Sepultamento hoje, no Cemitério Jardim Independência, em Araucária, saindo de residência.

Maria Azurita de Paschoal, 95 anos. Profissão: funcionário público estadual. Filiação: Eugênio Martins e Maria Martins. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal Água Verde.

Maria Emília de Almeida Teixeira Osório, 66 anos. Filiação: Nicanor Teixeira Osório e Ladi de Almeida Teixeira Osório. Sepultamento ontem.

Maria de Lourdes Correa, 78 anos. Profissão: do lar. Filiação: Edvirges Correa. Sepultamento hoje, no Cemitério Municipal Boqueirão, saindo de residência.

Maria de Lourdes Morato Baddini, 89 anos. Profissão: do lar. Filiação: Joaquim Augusto Baddini e Aracy Morato Baddini. Sepultamento hoje, Universal Necrópole Ecumênica Vertical, saindo de Vertical.

Maria do Ceo de Lara Piassetta, 87 anos. Profissão: do lar. Filiação: Pedro de Lara e Elisabeth Martins de Lara. Sepultamento ontem.

Nerzina da Silva Oliveira, 83 anos. Profissão: do lar. Filiação: Jonas Faustino da Silva e Antônia Ferreira da Silva. Sepultamento ontem.

Odahyr Vicente Leitoles, 88 anos. Profissão: comerciante. Filiação: Olímpio Hilario Leitoles e Ema de Cristam Leitoles. Sepultamento ontem.

Orlando Gerardis, 84 anos. Profissão: encarregado. Filiação: Pietro Gerardis e Carolina Pagogna. Cerimônia hoje, no Crematório Vaticano.

Pedro Henrique Ramos, 1 dias. Filiação: Roberto Ramos e Valdicleia de Araújo. Sepultamento ontem.

Pedro José da Silva Filho, 84 anos. Profissão: pedreiro. Filiação: Pedro José da Silva e Ana Rosa de Jesus. Sepultamento hoje, no Cemitério Universal Necrópole Ecumênica Vertical.

Romeni Wilian Fidencio, 33 anos. Profissão: serralheiro. Filiação: Romens Fidencio e Ilza Silva Araújo Fidencio. Sepultamento hoje, no Cemitério Parque Senhor do Bonfim, em São José dos Pinhais, saindo da Capela Municipal do Boqueirão.

Sueco Emília Bancho, 51 anos. Profissão: do lar. Filiação: Hiruci Bancho e Coga Tamako Bancho. Sepultamento hoje, no Cemitério Parque Senhor do Bonfim, em São José dos Pinhais, saindo de Vertical.

Valmir Aparecido Cardoso, 50 anos. Filiação: Sebastião Cardoso e Vergília de Lourdes Cardoso. Sepultamento hoje, no Cemitério Universal Necrópole Ecumênica Vertical.

Waldomiro Bora, 79 anos. Profissão: empresário. Filiação: Luiz Bora e Bronislava Bora. Sepultamento ontem.

Zenir Rocha dos Santos, 78 anos. Profissão: agricultor. Filiação: Maria Clara. Sepultamento ontem.

Condolências

Deixe uma homenagem a um dos falecidos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]