i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
denúncia

Pais denunciam outro caso de racismo com filha, agora em loja de shopping

Criança já havia passado por situação semelhante em um café há quase três meses

  • PorAngieli Maros
  • 02/10/2017 14:22
Tatiana Rimi com a filha: quase três meses depois episódio em café, criança teria passado pela mesma situação em loja de shopping em Curitiba | Reprodução/Facebook
Tatiana Rimi com a filha: quase três meses depois episódio em café, criança teria passado pela mesma situação em loja de shopping em Curitiba| Foto: Reprodução/Facebook

O que era para ter sido um domingo em família virou, de novo, um dia em que o casal curitibano Jorge Ribas Timi eTatiane Timi quer riscar do calendário. Pela segunda vez em pouco mais de dois meses, eles denunciam uma situação de racismo com a filha de 11 anos, que é negra e foi adotada quando ainda era bebê. Em julho, o casal registrou queixa após a criança ser abordada por um segurança em um café em São Paulo - na oportunidade, os pais afirmam que o homem teria dito à criança que o local era proibido para pedintes. Domingo (1º), os pais afirmam que a loja de brinquedos Hotzone, no Park Shopping Barigui, em Curitiba, teria impedido a entrada da menina . O shopping e a loja negam a acusação.

De acordo com o pai, o médico e advogado Jorge Ribas Timi, a filha foi impedida por um segurança de entrar na loja com a justificativa de que estava desacompanhada de um adulto. A intenção da garota era entrar no espaço e avisá-lo de que a mãe, que estava em uma livraria no andar de baixo, já tinha feito as compras e que eles podiam ir para casa. “Quando ela chegou foi impedida de entrar pelo segurança, que disse que criança sozinha não podia entrar. Ela argumentou com o segurança que só estava indo me chamar, mas nem isso ele aceitou e então ela voltou para onde estava a minha esposa”, relatou o médico.

Leia também - Avô detém homem em supermercado que fotografava menina debaixo da saia

Segundo Timi, a mulher e a garota voltaram para a loja e o comunicaram sobre a situação. Ele então questionou o segurança, o supervisor de segurança e a gerente da loja, principalmente porque, segundo ele, o miniparque estava cheio de crianças desacompanhadas. “Atrás de nós, em um brinquedo, estavam três crianças. Eu perguntei para uma delas, que parceria ter a idade da minha filha, com quem elas estavam e ela disse que estavam sozinhas”, afirma Tatiane.

Ainda conforme o pai da garota, ele procurou o serviço de atendimento do shopping para prestar queixa, mas o responsável não estava. O médico conta ainda que um cartaz colado na porta de entrada da loja de brinquedos restringe o acesso de crianças com uniforme escolar, sem camisa, de chinelos e de qualquer pessoa portanto arma de fogo. O aviso, contudo, não alerta sobre crianças desacompanhadas. “Eu questionei isso para o gerente geral, de que não falava de entrada de criança sem os pais, mas ele insistiu que o segurança só estava cumprindo as normas. Foi quando eu decidi chamar a polícia”, afirma.

O médico diz ainda que o segurança que impediu a menina de entrar na loja, o chefe de segurança do shopping e os dois gerentes da loja prestaram esclarecimentos na delegacia. O pai registrou boletim de ocorrência afirmando que a filha foi vítima de racismo. “A gente não acredita que isso está acontecendo de novo. Mas ao mesmo tempo não vamos aceitar que aconteça de novo”, ressalta.

Outro lado

Em nota, o ParkShoppingBarigüi e a HotZone - loja onde a menina foi impedida de entrar - responderam que “lamentam o incidente” e que “o casal interpretou como discriminação racial a conduta da segurança do shopping ao abordar sua filha menor na entrada da loja”.

Os estabelecimentos afirmaram que não permitir a entrada de crianças desacompanhas é uma maneira de “garantir a segurança de todas as crianças e adolescentes que procuram o parque indoor para diversão. “O ParkShoppingBarigüi e a HotZone não compactuam com qualquer forma de discriminação e preconceito”, afirmou.

Leia nota do Park Shopping Barigui:

“O ParkShoppingBarigüi e a HotZone lamentam o incidente ocorrido com a família Timi na tarde do último domingo (1º de outubro), quando o casal interpretou como discriminação racial a conduta da segurança do shopping ao abordar sua filha menor na entrada da loja HotZone. O ParkShoppingBarigüi e a HotZone esclarecem que, para garantir a segurança de todas as crianças e adolescentes que procuram o parque indoor para diversão, não é autorizada a entrada de menores sem a companhia dos pais. O ParkShoppingBarigüi e a HotZone não compactuam com qualquer forma de discriminação e preconceito”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.