i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Monopólio

151 cidades do PR só têm uma opção de 3G

Dos 228 municípios paranaenses que contam com a cobertura, dois terços só dispõem do serviço de uma operadora

  • PorPedro Brodbeck, com Agência Globo
  • 02/08/2013 21:16
 |
| Foto:

Londrina é a única cidade do estado em que há cinco operadoras que oferecem o serviço de 3G. Além das grandes empresas que atuam a nível nacional, a segunda maior cidade paranaense conta ainda com a oferta da Sercomtel. A maior oferta, no entanto, não significa melhor sinal. Na pesquisa trimestral de qualidade da Anatel, a cidade teve índices piores de queda e acesso de internet móvel do que Curitiba em 80% dos casos.

Não existe concorrência em dois terços dos municípios paranaenses que contam com cobertura 3G. De acordo com a consultoria especializada em telefonia Teleco, dos 228 municípios que contam com a tecnologia, uma operadora domina o mercado local em 151 deles – outras 171 cidades do estado não têm sinal de 3G.

INFOGRÁFICO: Quase metade das cidades do estado não têm nenhuma operadora 3G

A deficiência na oferta de múltiplos sinais no interior do estado se repete no restante do país praticamente na mesma escala. Entre as 3,4 mil cidades brasileiras que contam com a internet móvel, 2 mil convivem com o monopólio de serviço.

A falta de capilaridade das operadoras deflagra a falta de investimentos no interior do país. No Paraná, os municípios que contam com o serviço das quatro gigantes do setor – TIM, Claro, Oi e Vivo – estão nos grandes centros urbanos, como Região Metropolitana de Curitiba, Maringá, Guarapuava, Foz do Iguaçu e Cascavel.

Segundo operadoras e especialistas, a falta de infraestrutura de telecom no interior do país e o cronograma apertado para a instalação da rede 4G nas cidades que vão sediar a Copa do Mundo travam o avanço da tecnologia 3G.

"A questão é que antes de instalar as antenas nas cidades é preciso escoar os dados através de uma rede. E isso demanda planejamento e dinheiro. O desafio hoje é aumentar a capacidade de 3G nos grandes centros", afirma o presidente da Teleco, Eduardo Tude.

De acordo com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o cronograma de implantação da tecnologia de terceira geração foi muito elástico e por isso o serviço não é amplamente oferecido em todo o país. "No próximo leilão do 4G, que deve ser feito no primeiro semestre do ano que vem, vamos criar mais obrigações para as empresas levarem a tecnologia para cidades com até 30 mil habitantes", afirma o ministro.

O resultado dessa combinação é o desempenho abaixo da meta das operadoras ao oferecer o sinal da internet móvel. De acordo com a pesquisa trimestral de qualidade da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a média de sucesso no acesso ao 3G no Brasil é de 95%, enquanto a meta estipulada pela agência é de 98%.

Além da deficiência dos investimentos, a inexistência de concorrência colabora para que os serviços se mantenham abaixo da meta. "É uma lógica de mercado. Uma operadora vai priorizar uma praça onde existe concorrência e ela corre risco de perder cliente para as outras empresas", explica o consultor em telecomunicações da InfoTel, Arnaldo Botelho. "Se o sinal estivesse bom nas cidades maiores, o foco dos investimentos poderia mudar, mas não é o que acontece", pontua.

Entrada do 4G interferiu no avanço do 3G, dizem empresas

As empresas alegam que os investimentos em expansão da rede estão acontecendo gradativamente em todo o país.

A Vivo, que conta hoje com a maior cobertura 3G do Brasil, informa que está construindo novas rotas de fibras ópticas pelo interior para poder oferecer o serviço a novas cidades, mas que já atingiu o limite. "Chegamos onde podíamos. O que sobrou são áreas que hoje só são possíveis de atender via satélite. Por isso, estamos construindo rotas para 3G e 4G", afirma o diretor de rede, Leonardo Capdeville.

O diretor de Serviços de Valor Agregado (VAS) da Claro, Alexandre Olivari, concorda. "O fato é que as obrigações de implantação da rede 4G tinham um prazo de lançamento. Então, as empresas tiveram de focar seus recursos nisso", explica. A Oi também pisou no freio. Se em 2012 o avanço no número de municípios cobertos chegou a 155%, a previsão para 2013 é de uma alta de 44%.

Por outro lado, a TIM decidiu acelerar os investimentos. Até dezembro, a meta é chegar com 3G a 990 cidades, o que vai representar 397 novos locais, contra as 105 novas cidades de 2012.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.