i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Bovespa

Abril marca pior atuação em sete meses

  • PorReuters
  • 30/04/2012 21:18

As incertezas do cenário externo devem continuar a trazer volatilidade para o mercado acionário brasileiro em maio, após a Bovespa ter cravado em abril o pior desempenho em sete meses.

Em um pregão morno, espremido entre o fim de semana e o feriado de 1o de maio, o principal índice da bolsa virou nos minutos finais da sessão e fechou em alta de 0,26%, a 61.820 pontos. No mês, o Ibovespa recuou 4,17%, maior queda desde setembro de 2011, quando caiu 7,4%.

O giro financeiro ficou em R$ 4,83 bilhões, volume bem menor do que a média diária de abril.

A crise europeia, os renovados sinais de fraqueza econômica nos Estados Unidos e a desaceleração na China continuarão no radar de investidores no próximo mês, segundo analistas.

"O cenário é de volatilidade. Se não tiver uma ruptura na zona do euro e se o dólar permanecer nos níveis atuais, pode haver uma porta de entrada de estrangeiros, mas o clima de montanha russa continua", diz Pablo Spyer, chefe da divisão de corretagem na Mirae Securities.

Fatores domésticos também devem exercer pressão adicional, segundo o economista da Tendências Consultoria Silvio Campos Neto. "O setor financeiro continua no foco, com a briga sobre redução de spreads", diz. "Vale e Petrobras também têm deixado investidores um pouco apreensivos, com a questão do governo cobrando impostos atrasados da mineradora e dos preços controlados de combustível", afirma.

Ontem, a notícia de que a Espanha entrou novamente em recessão e os dados mais fracos da economia norte-americana pressionaram os mercados internacionais.

Na cena doméstica, Petrobras subiu 1,72%, a R$ 21,29, e foi a maior influência de alta para o Ibovespa. Já a ação preferencial da Vale caiu 0,12%, a R$ 41,45.

OGX, com queda de 2,1%, a R$ 13,23. Na sexta-feira, a OGX anunciou a troca de sua diretoria-executiva, com Paulo Mendonça assumindo o lugar de Eike Batista.

Brasil Foods se manteve ao longo do dia como o destaque de queda e fechou em baixa de 2,76%, a R$ 34,85. Na última sexta-feira, a empresa reportou queda de 60% no lucro líquido do primeiro trimestre e o resultado considerado "muito fraco" por analistas.

Na outra ponta, Copel subiu 3,65%, a R$ 48,29, e foi a líder de alta do índice.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.