i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde do trabalhador

Acidente e doença do trabalho são subnotificados

  • PorHelena Carnieri
  • 28/04/2006 18:15

Ninguém sabe quantos são nem onde estão os cidadãos vitimados em acidentes e por doenças relacionadas ao trabalho. Os números mentem. Em 2004, foram comunicados ao Instituto Nacional do Seguro Social do Paraná pouco mais de 33 mil casos de acidente de trabalho, dos quais 6,4 mil na capital. Além de o número não incluir os trabalhadores do mercado informal, que absorve mais da metade das pessoas ocupadas, muitas empresas ainda deixam de notificar acidentes, doenças e mortes relacionadas ao trabalho.

Os números colhidos pelo Comitê Estadual de Óbitos e Amputações Relacionados com o Trabalho – e divulgados ontem, véspera do terceiro Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças Relacionadas ao Trabalho – também revelam só parte da realidade. Entre o ano de 1998 e 2005, foram notificadas em Curitiba 716 mortes de trabalhadores, 365 amputações e 810 acidentes graves relacionados ao trabalho. O comitê indica que essa estatística só cobre a metade do verdadeiro número de ocorrências.

Na capital paranaense, os casos de amputação se concentram na indústria metalúrgica, de construção civil e de alimentos. Já as mortes são mais freqüentes em empresas das áreas de construção civil, transporte e indústria química, principalmente causadas por acidentes de trânsito, quedas e choques.

Criado em 1997 pelos Ministérios Público Estadual e do Trabalho e outros órgãos governamentais e representantivos de classe, o comitê estadual ganhou nova força no ano passado com a coordenação do Ministério Público Estadual e agora tenta organizar essas informações. "Queremos criar um banco de dados único e real, pois mais da metade dos casos não é contabilizada", revela a assistente social Roselene Sonda.

O delegado regional do Trabalho no Paraná, Geraldo Serathiuk, responsável pela fiscalização nas empresas, assegura que os empregadores têm muita vontade de adequar seus ambientes de trabalho e reduzir acidentes. "O problema é saber onde é necessária a correção. Já pedi muitas vezes ao INSS e à Secretaria de Saúde que indiquem quais os setores e empresas com maior número de funcionários em reabilitação, mas ainda não conseguimos obter os dados", diz. A Secretaria, por sua vez, reclama da qualidade da informação que recebe de hospitais. "A maior parte ainda não informa os casos relacionados ao trabalho", observa Olga Stefânia, representante da Secretaria Estadual de Saúde do Paraná no comitê.

A cada acidente de trabalho o empregador deve comunicar o INSS e o sindicato da categoria. Como poucos fazem isso, o comitê busca dados na Delegacia Regional do Trabalho, nas declarações de óbito, principalmente no Hospital do Trabalhador, em delegacias, sindicatos e até mesmo na imprensa. Desde 2004, uma portaria do Ministério da Saúde obrigada todas as unidades de atendimento, privadas ou públicas, a notificar às secretarias estaduais os casos de acidente de trabalho com morte ou amputação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.