i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado

Acúmulo de cargos por Abilio no Pão de Açúcar e na BRF é legal, diz Bovespa

  • PorFolhapress
  • 22/03/2013 16:40

O acúmulo de cargos nos conselhos de administração da Brasil Foods e do GPA (Grupo Pão de Açúcar) pelo empresário Abilio Diniz pode suscitar conflitos de interesse, mas não tem impedimento legal ou em regulamento da BM&FBovespa. Controlador do Pão de Açúcar, o Casino pediu a renúncia de Abilio do cargo justamente por ver conflito de interesse. A BRF é a maior fornecedora do Pão de Açúcar, o grupo é o principal cliente da BRF e as empresas também competem em algumas categorias de marcas próprias, mas o empresário não vê problemas em presidir os dois conselhos de administração.

Abilio, que é presidente vitalício do conselho do GPA, disse que pode ajudar a apaziguar os "constantes" conflitos entre fornecedores e distribuidores. "Posso contribuir enormemente para as duas empresas".

O conselho de administração não participa do dia a dia de uma empresa, mas define as estratégias dos acionistas. A indicação ao posto na BRF ocorreu em fevereiro, mas ainda é necessário aprovar o nome na assembleia de acionistas prevista para 9 de abril.

Segundo o diretor de Regulação da BM&FBovespa, Carlos Rebello, as duas empresas têm relacionamento comercial e interesses potencialmente antagônicos, mas Diniz pode se abster de decisões que envolvam os dois grupos.

Rebello diz que não há no regulamento dos distintos níveis de governança corporativa da Bolsa norma sobre o caso. "É uma questão de lei, não de regulamento. Por lei, se houver conflito, isso deve ser levantado", disse o diretor da BM&FBovespa.

Caso o conflito de interesses surja, o caso poder ser levado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.