i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Acidente

Balsa que afundou no Porto de Paranaguá ainda está embaixo d'água

Ela virou e afundou na madrugada do último sábado (22) por causa do vento e ondas fortes. Equipes devem começar a remover a embarcação na próxima segunda-feira

  • PorAmanda Audi
  • 28/06/2013 15:32

Uma embarcação e um guindaste usados na ampliação do píer do Terminal de Contêineres do Porto de Paranaguá continuam embaixo d’água. A balsa virou por causa das fortes ondas na madrugada do último sábado (22) e ainda não foi removida por conta do tempo instável desta última semana. O trabalho para retirada da embarcação deve iniciar na próxima segunda-feira (1º de julho). A remoção do guindaste deve acontecer somente daqui a duas semanas, de acordo com assessoria da Appa.

Equipes da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), do IAP e do Ibama estão, no momento, retirando os equipamentos que afundaram com a balsa. O trabalho deve continuar durante este fim de semana.

Mergulhadores monitoram permanentemente o tanque do guindaste fixado na embarcação, para que não haja vazamento de óleo na baía. Até esta sexta-feira (28) não foi registrado qualquer tipo de vazamento. A ideia é esvaziar os tanques com um equipamento especial antes de trazer a embarcação para a superfície.

De acordo com a Appa, nenhum funcionário estava no local na hora do acidente e também não havia nenhum navio nas proximidades. Juntos, balsa e guindaste possuem cerca de 1,2 mil litros de óleo nos tanques. A Appa abriu uma sindicância para verificar as causas do acidente. O relatório deve ser concluído em um mês. O acidente ocorreu na parte leste do Porto e não interfere nas operações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.