Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Bancários de todo o país decidem hoje em assembléias se entram em greve por tempo indeterminado a partir de amanhã. Em Curitiba, a reunião ocorre às 18h30 e a tendência é de que a paralisação seja aprovada, de acordo com o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

Ontem, dirigentes sindicais convocaram a categoria para a assembléia e divulgaram informações sobre a campanha salarial em agências de banco. Os trabalhadores pedem reajuste de 10,3%, o que inclui a inflação de 4,82% medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em setembro mais 5,5% de aumento real. Ontem, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) elevou de 5,2% para 6% o reajuste (aumento real de 1,18%).

A rodada anterior de negociação foi na sexta-feira, quando metade dos 16 mil trabalhadores de Curitiba e região fecharam cerca de 80 agências, ou 35% das 230 existentes, em uma paralisação de 24 horas. Em todo o estado, mais 110 agências e 2 mil bancários ficaram de braços cruzados, segundo a Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-PR).

Metalúrgicos

A greve dos metalúrgicos ocorrida semana passada nas montadoras Renault/Nissan e Volkswagen não deve prejudicar a oferta de veículos. Consultores acreditam que, ainda neste mês, as fábricas localizadas em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, devem zerar o déficit de 6,5 mil veículos (2,8 mil na Renault, 360 na Nissan e 3,3 mil na Volkswagen) gerado com a manifestação. "Isso é recuperado logo e setembro deve ter tido uma venda menor em relação aos outros meses, o que deve prejudicar menos", diz José Rinaldo Caporal Filho, diretor da Megadealer Automanagement, de São Paulo. O presidente da consultoria empresarial Lean Institute, José Roberto Ferro, acrescenta que esse impacto pode ser absorvido por algumas horas-extras neste mês. "Dependendo do modelo, a empresa vai produzir mais rápido, para não perder cliente."

Na noite de sexta-feira, os 3,6 mil metalúrgicos da Volkswagen decidiram aceitar a proposta de 7,44% de aumento salarial em dezembro e R$ 1,5 mil de abono em outubro, feita pelo Sinfavea. Os trabalhadores do primeiro turno da Volkswagen haviam aceitado o reajuste pela manhã, que foi rejeitado pelos do segundo turno. Foi o terceiro turno que acabou com a divisão. Mesmo assim, não houve interrupção da produção na fábrica na sexta.

No mesmo dia, os cerca de 4 mil funcionários da Renault/Nissan decidiram voltar ao trabalho pela mesma oferta. No dia 25, após rejeitarem a proposta inicial do Sinfavea, os metalúrgicos das três montadoras não trabalharam.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]