i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sistema financeiro

Bancos quebrados que receberam dinheiro público ainda devem R$ 28 bilhões

  • PorCélio Martins
  • 04/03/2020 20:14
O Banco Nacional é o maior devedor do Proer, e ainda tem de devolver mais de R$ 20 bilhões aos cofres públicos.
O Banco Nacional é o maior devedor do Proer, e ainda tem de devolver mais de R$ 20 bilhões aos cofres públicos.| Foto: Reprodução

O lucro dos grandes bancos brasileiros vem crescendo ano a ano. Em 2019, os ganhos acumulados das quatro maiores instituições – Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander – somaram R$ 81 bilhões, 18% mais que no ano anterior. Mas essa 'bonança" nem sempre foi assim.

Nos anos de 1990, o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) criou emergencialmente o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (Proer), por meio do qual despejou pelo menos R$ 71 bilhões (em valores corrigidos) em grandes bancos. A medida teve como objetivo evitar uma quebradeira geral e o consequente colapso do sistema financeiro nacional. Hoje, passados mais de 20 anos desde o fim dos repasses, algumas instituições ainda devem R$ 28 bilhões aos cofres públicos.

De acordo com dados fornecidos pelo Banco Central à Câmara dos Deputados, atendendo pedido de informação do deputado federal Gustavo Fruet (PDT-PR), a dívida atual se concentra em duas instituições: Banco Nacional e Banco Econômico. O primeiro ainda tem uma dívida de R$ 20,6 bilhões (corrigida com base em setembro de 2019). O segundo deve R$ 7,3 bilhões. Há ainda um terceiro devedor, o Banco Crefisul, mas o valor é bem inferior, R$ 26 milhões.

A "montanha" de dinheiro dos contribuintes repassada às instituições não impediu que muitas delas quebrassem, tampouco evitou o aumento da concentração bancária no país.

Principal patrocinador do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna, o Banco Nacional surgiu a partir do Banco Nacional de Minas Gerais, fundado em 1944 pela família Magalhães Pinto, que tinha como membro o ex-governador de Minas Gerais José de Magalhães Pinto.

Acusado de ter inflado seu patrimônio com contas fictícias, o Nacional e seus ativos foram transferidos para o Unibanco, que, em 2008, anunciou fusão com o Itaú, formando um dos 20 maiores bancos privados do mundo. Os passivos, no entanto, ficaram com o Banco Central.

O Banco Econômico surgiu na Bahia, originalmente com o nome de Caixa Econômica da Bahia, em 1834. Era o banco privado mais antigo do Brasil. Durante a intervenção, técnicos do Banco Central constataram indícios de maquiagem no balanço contábil do Econômico, além de desvio de recursos por parte dos controladores. Os ativos do Econômico foram incorporados pelo Banco Excel, que passou a se chamar Banco Excel-Econômico. Mais tarde, passou para o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria que, em 2003, foi para as mãos do Bradesco.

"Refinanciamento camarada" aos bancos

“Esse valor restante da dívida foi refinanciado com taxa completamente abaixo de qualquer financiamento de mercado. Foi feito uma espécie de Refis (programa de recuperação fiscal) para pagar esses R$ 28 bilhões. Se fossem corrigidos por taxas de mercado, esses valores seriam bem maiores”, diz Fruet, que foi presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar irregularidades no Proer.

Segundo o deputado, o valor da dívida corresponde ao que se prevê de economia com a reforma administrativa em gestação no governo, e não há informação segura de que o dinheiro será recuperado. “Se os bancos quebraram, por que teria que ter intervenção? Se uma empresa qualquer quebra, por exemplo, não tem esse socorro. Fala-se na crise sistêmica do setor bancário na época, mas para mim sempre vai ficar uma história mal contada”, questiona.

O ex-presidente da CPI do Proer diz que havia situações diferentes de um banco para outro. “Um exemplo é o Bamerindus, que era um caso de má gestão. Isso ficou muito claro no relatório do Banco Central. E o que houve? Houve aporte de dinheiro público a taxas fora do mercado. Depois o Bamerindus foi vendido para o HSBC que, por sua vez, vendeu para o Bradesco. Ninguém perguntou se vai ter ressarcimento ou não. O sistema não perdeu, mas o Brasil, o contribuinte, pagou a conta”, acentua.

Outra questão levantada por Fruet é o fato de ninguém ter sido punido. “E as operações irregulares? Foram constatadas muitas irregularidades na CPI. O Ministério Público denunciou, há decisão condenatória em segundo grau, mas ninguém foi preso. Então, alguma coisa está errada. Ou erraram nas medidas ou erraram nas decisões. Na época foi apontado que houve uma omissão criminosa por parte do Banco Central”, contesta.

O que foi o Proer

Até 1994, os mecanismos existentes para os casos de quebra de um banco se restringiam à decretação de intervenção ou liquidação extrajudicial. Nesse caso, a consequência era o fechamento das agências e o bloqueio dos depósitos e aplicações financeiras até que fosse concluído o processo de liquidação, o que implicava prejuízo aos clientes.

Com a implantação do Plano Real, a derrubada abrupta da inflação abalou os bancos, que até então lucravam no embalo da espiral inflacionária – em 1993, por exemplo, o IPC fechou em 2.477%. Temendo a quebradeira das instituições financeiras, com o consequente bloqueio dos depósitos em conta e das aplicações financeiras, o governo decidiu agir.

O Proer foi criado em novembro de 1995 por meio da resolução 2.208 do Conselho Monetário Nacional e das medidas provisórias (MPs) 1.179 e 1.182, ambas transformadas em lei em 1997. Segundo o governo, o programa buscava permitir que as instituições financeiras se adaptassem à nova conjuntura econômica ou ter seu controle transferido para outras. Com isso, na ótica governamental, se evitaria o colapso do sistema financeiro nacional, dando garantia aos depositantes e poupadores.

Por meio do programa, foram abertas linhas especiais de empréstimo aos bancos em dificuldades. Mais de R$ 71 bilhões (em valores corrigidos) foram transferidos das contas públicas para as instituições financeiras. Parte dos valores foi refinanciada posteriormente.

Com o Proer também foi criado o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), uma entidade privada sem fins lucrativos destinada a servir de mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores. Para a manutenção do FGC, as instituições financeiras contribuem com uma porcentagem do valor dos depósitos, dinheiro esse que pode ser usado em casos de quebra de um banco.

Em relatório enviado à Câmara dos Deputados no ano passado, o diretor de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do BC, Maurício Costa de Moura, defende a medida adotada pelo governo FHC. “Não há dúvida de que, por meio do Proer, assegurou-se a necessária liquidez ao sistema e evitou-se o então iminente risco de crise sistêmica enfrentado pelo mercado financeiro nacional no período pós-Plano Real, sem prejuízo aos depositantes dessas instituições deficitárias”, afirma.

Sobre os valores que ainda não foram recuperados, Moura diz que estão sendo objeto de tratativas administrativas ou cobranças judiciais. Segundo o diretor, existem “garantias a serem realizadas, não havendo de se falar em prejuízo”.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 13 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • L

    Liliz

    ± 4 dias

    (seu filho, phc, sobre o banco nacional)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Liliz

      ± 4 dias

      Alguém peça explicações para o fhc e seu genro sobre o banco nacional!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        Emerson

        ± 4 dias

        Depois de vermos dinheiro brasileiro comprando sucateadas petrolíferas ou então ajudando regimes ditatoriais na América do Sul e outras partes do mundo, agora bancos e banqueiros falidos com dinheiro do povo brasileiro. Uma piada de péssimo gosto!!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Marcos Ctba

          ± 4 dias

          Herança PSDB e PT

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • F

            Fernando

            ± 4 dias

            Se o governo não tivesse socorrido os bancos, os maiores prejudicados não seriam os banqueiros, mas o cidadão comum, que perderia o dinheiro de suas poupanças e contas correntes.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • M

              Marcos eisenschlag

              ± 4 dias

              Ah sim, as novas geracoes acham um absurdo socorrer bancos, mas nunca passaram por hiperinflacao, confisco de TODOS os seus ativos financeiros, troca de moeda ou corridas bancarias. Me lembro muito bem da corrida bancaria contra o Bamerindus quando comecaram a surgir as suspeitas de que suas condicoes financeiras nao eram solidas. A realidade e' que se nao tivesse PROER teria levado todos os depositos dos clientes junto e teria levado todos os demais bancos no Brasil tambem a falencia, ja' que era o QUINTO MAIOR BANCO DA AMERICA LATINA na epoca. Os lucros dos bancos sao absurdos no Brasil? Sao, mas principalmente devido as altas taxas de juros sem risco dos ultimos 20 anos.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • N

                Neivo Antonio Beraldin

                ± 4 dias

                Como não falar do nosso banestado! O povo do Paraná começou a pagar em 2000uma conta de 800 milhões ano a última prestação vencerá em 2029. Foi o maior rombo financeiro da história do país!!!’

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • V

                  Victor Monteiro

                  ± 4 dias

                  E os bancos ainda querem uma reforma tributária que simplesmente elimina toda a tributação incidente sobre o seu faturamento (o IBS não incidiria sobre serviços bancários)

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • V

                    Vitor Chvidchenko

                    ± 4 dias

                    Se o governo ainda está contando com esse dinheiro da dívida de bancos falidos e extintos como o Banco Nacional e o Econômico, pode esperar sentado. Aliás, nem precisa esperar - isso aí é causa perdida.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • W

                      WesFig

                      ± 4 dias

                      Fácil falar hoje, principalmente se não estava "lá" quando o Proer aconteceu. Não gosto nem um pouco do esquerdista FHC, mas Pedro Malan & Cia acertaram ao socorrer os bancos, e creia-me, a alternativa (não socorrer) teria provocado mais caos, além de, CERTAMENTE, mais concentração bancária. O erro não foi aí, mas depois, quando o próprio FHC "doou" o Bamerindus pro HSBC, por US$ 1,00, entre outras peripécias muito piores de Lula, no período subsequente...

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • F

                        Fernando

                        ± 4 dias

                        Que surpresa! Eu pensava que toda a roubalheira da Via Láctea era culpa do PT.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        1 Respostas
                        • N

                          Nícolas

                          ± 4 dias

                          A diferença está que o PT se infiltrou em todo lugar onde o dinheiro corre. FHC ainda era vítima de ingerência, não de um esquema de propinas e desvios de seus correligionários.

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                      Fim dos comentários.