i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desenvolvimento

BNDES defende bancos e diz que brasileiros precisam confiar no país

Luciano Coutinho espera participação de instituições privadas no fomento à infraestrutura em operações de longo prazo de 15 a 30 anos

  • PorFolhapress
  • 30/07/2012 16:05

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse nesta segunda-feira (30) que o país não deverá contar com os bancos privados no financiamento da infraestrutura no curto prazo. Segundo ele, a relação bancária em vigor no país torna difícil para os bancos alocarem capital num sistema que exige ainda hoje liquidez diária. A mudança deverá ocorrer, afirma, mas será lenta.

Na primeira etapa, os bancos privados deverão ter uma participação inicial em operações de crédito de médio prazo."No início são prazos menores entre cinco e oito anos. Depois poderão avançar para 15 ou até 30 anos, que hoje só o BNDES consegue", disse o presidente do BNDES.

Coutinho disse que essa mudança representa a última etapa do processo de estabilização da economia brasileira. Aproveitou para, sutilmente, criticar os compatriotas ao dizer que "os brasileiros precisam confiar no país"."Às vezes é mais fácil que os estrangeiros tenham mais confiança no Brasil do que os brasileiros", disse durante apresentação em evento da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), em São Paulo.

Polêmica

Em entrevista recente a Folha de S.Paulo, o professor e economista, Edmar Bacha, disse que as medidas de proteção da indústria e ajudar setores são uma política governamental "míope". Segundo a crítica, as medidas do governo não irão interromper a desindustrialização do país.

Coutinho evitou polemizar com o colega, mas disse que talvez o economista pudesse "informar-se um pouco mais" sobre o que o governo tem feito.

"O governo olha para o curto e para o longo prazo. O olha de longo prazo implica em mais automação industrial, avanço tecnológico, treinamento e qualificação dos trabalhadores, abertura de oportunidades competitivas para desenvolvimento de novos setores da indústria", disse Coutinho e completou: "Não creio que essas são medidas de curto alcance. Talvez o professor devesse informar-se um pouco mais."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.