i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mau humor

Bolsas dos EUA fecham em queda pelo segundo dia seguido

Dow Jones encerrou em baixa de 0,08%, assim como S&P (-0,07%) e Nasdaq (-0,35%)

    • NOVA YORK, TÓQUIO E LONDRES
    • Agência O Globo
    • 09/02/2016 20:48
     | TIMOTHY A. CLARY/AFP
    | Foto: TIMOTHY A. CLARY/AFP

    As bolsas nos Estados Unidos fecharam em queda nesta terça-feira (9) pelo segundo dia seguido. O Dow Jones encerrou em baixa de 0,08%. Assim, nos dois últimos pregões, o recuo chega a 2,42%. O S&P caiu 0,07%, acumulando queda de 3,28% desde segunda-feira. A Nasdaq fechou em baixa de 0,35% e acumula nesta semana tombo de 5,31%.

    As bolsas, que seguiram o mau humor dos mercados acionários europeu e asiático, conseguiram recuperar parte das perdas após o Departamento do Trabalho dos EUA ter revelado a abertura de 5,6 milhões de vagas no fim do ano passado. Já as preocupações em torno do setor bancário na Europa e uma desaceleração maior das economias do grupo do euro fizeram as bolsas europeias fechar em queda. Após a produção industrial da Alemanha ter fechado em queda de 1,2% em dezembro, a bolsa de Frankfurt caiu 1,58%. Em Londres, a queda foi de 1%, assim como em Paris (-1,69%) e em Madri (-2,39%). Em Milão, o recuo chegou a 3,21% com o aumento das desconfianças com o setor bancário.

    A Bolsa de Atenas também caiu. Depois de cair 8% na segunda-feira, a perda chegou a 2,89% nesta terça-feira. Há incerteza se a Grécia consegue concluir com sucesso uma avaliação com os credores sobre o cumprimentos dos termos do pacote de resgate do país.

    “É a incerteza política que está sufocando o mercado”, afirmou Takis Zamanis, da Beta Securities.

    Petróleo

    O petróleo, no entanto, voltou a ser uma preocupação. A Agência Internacional de Energia (AIE) informou que o excesso de petróleo no mundo continuará pela maior parte de 2016. Isso porque o recuo da produção nos Estados Unidos ainda vai demorar e é pouco provável que a Organização dos Estados Exportadores de Petróleo (Opep) chegue a um acordo com demais produtores para reduzir a produção no mundo. Diante desse cenário, a agência afirma que é difícil esperar uma alta significativa do preço do petróleo frente ao nível atual, embora também não acredite que os preços podem seguir as previsões mais extremas e chegar a US$ 10 o preço do barril. Até o momento, o preço do barril tipo brent está em queda 1,95%, a US$ 30,93.

    Pessimismo na Ásia

    A Bolsa de Tóquio despencou mais de 5% nesta terça-feira, sua maior queda em quase três anos, e a taxa de juros dos títulos de dez anos da dívida do Japão ficaram abaixo de zero pela primeira vez. O Índice de Nikkei caiu 5,4%, o maior tombo desde meados de 2013, e chegou ao menor nível desde 21 de janeiro. Por causa do Ano Novo Lunar, as bolsas de Xangai e Hong Kong ficaram fechadas.

    Com mais incerteza no mercado, aumenta a demanda por títulos de dívida soberana (de governos), que são considerados um investimento seguro. Com isso, aumenta o valor dos títulos e a taxa de juros, que é quanto o papel rende, se reduz. Se a taxa ficou abaixo de zero no Japão, isso significa que quem compra o título receberá menos dinheiro ao fim do prazo de dez anos do que pagou no momento do investimento. Para se ter uma ideia, o juro está em torno de 0,2% na Alemanha e de 1,7% nos Estados Unidos, enquanto na Grécia é de quase 10%, para atrair investidores.

    E o ministro das Finanças do Japão, Taro Aso, disse nesta terça-feira que as recentes variações do iene foram “bruscas”, em um alerta aos mercados para que não elevem em demasiado a moeda japonesa e ponham em perigo efeitos positivos das políticas de estímulo econômico do primeiro-ministro Shinzo Abe.

    “A temática geral continua a ser a situação bancária na Europa, que deixou em aberto o risco do mercado e lentamente afeta os mercados de créditos”, disse Chad Morganlander, gerente de portfólio na Stifel, Nicolaus & Co, em Nova Jersey.

    O desempenho do mercado no Japão refletiu a segunda-feira tumultuada nos mercados mundiais. A Bolsa de Frankfurt fechou no menor patamar em 16 meses, enquanto nos Estados Unidos a queda do índice Nasdaq, de tecnologia, chegou a 3,4%, mas ficou em menos de 2% no fechamento. Há forte preocupação com o setor bancário europeu, incertezas quanto aos rumos da economia mundial e ao desempenho das empresas de tecnologia.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.